Comunicação

Volta às aulas

Publicado em : 09/08/2019

 

 

Volta às aulas

 

 

por Vera Lúcia Wohlgemuth Lobo*

 

Iniciamos o segundo semestre de 2019 trazendo em nossas bagagens muitos estudos, leituras e reflexões sobre como fazer da escola um espaço cada vez mais amplo de convivência e de troca de experiências que, certamente, favorecerão o desenvolvimento de hábitos mentais. Esses hábitos contribuem para a potencialização do pensamento complexo, que analisa os conhecimentos de forma contextualizada, integrada, abrangente  e completa, deixando de lado a visão fragmentada que ora nos foi apresentada.

Sabemos que nossos estudantes também viveram grandes experiências nessas férias, pois tiveram tempo para brincar muito, viajar, ler bons livros, assistir a bons filmes... Todos saímos da rotina diária e pudemos viver um tempo de ócio. Ócio este que, como nos diz o sociológo Domênico di Masi, favorece o desenvolvimento da criatividade.

O tempo corre rapidamente e paramos pouco para refletir sobre o que vemos, ouvimos, sentimos e vivemos. Frente a esta rotina extenuante, mal percebemos que já estamos em agosto, em setembro entramos na estação das flores e em dezembro, que já está aí. O verão chega e o ano de 2019 se despede, abrindo-se para novas promessas que faremos nas vésperas de 2020.

Queremos, sempre, explorar e aprofundar nossas percepções e conhecimentos sobre o “mundo das coisas” e sobre as “coisas no mundo”. Quanta diversidade, quantas curiosidades existem nesse mundo complexo em seus sistemas que convergem e divergem e que, mesmo assim,  funcionam de forma tão sistêmica e integrada. A gramática será apresentada por meio da fantasia dos livros literários, aproveitando, ainda, as informações contidas nos diversos textos que leremos. A matemática que está no passar do tic-tac do relógio, no tempo que corre com a pressa do coelho de Alice no País das Maravilhas, que está nas receitas do livro de dona Benta e  da Tia Nastácia, nas Mil e Uma Noites, na contagem das conchas colecionadas durante as férias, nas páginas dos livros que lemos ou nas distâncias percorridas durante as viagens. Tempo presente, tempo passado, História e Geografia que nos mostram dados do passar desses tempos e  espaços que se transformam continuamente. E assim vivemos o conhecimento  vivo cheio de cores e de formas, que traz enigmas e nos ajuda a pensar com lógica e  que se relaciona com as diversas áreas num movimento inter e transdisciplinar.

É isso que fazemos! Despertar a paixão adormecida de aprender, desenvolvendo o hábito de indagar sempre sobre tudo, inquietação esta que é tão viva nas crianças pequenas que querem saber o porquê de tudo, mas que num determinado momento da vida essa curiosidade adormece. Algumas perguntas estão sempre presentes quando paramos para planejar e definir novas metas de aprendizagem: o que faz essa curiosidade adormecer? Será um feitiço da fada da história da Bela Adormecida? Alguém já parou para perguntar? O que silencia nossa mente? Como reacender a chama da curiosidade provocando a sede de querer saber mais sobre o mundo? Educar, formar, transformar exige muita reflexão... E é essa a nossa missão! 

Trazer a arte de enxergar e interpretar o mundo; provocar emoção e reflexão; expressar o pensamento e a visão de mundo; explicar e refletir a história humana; questionar a realidade, representá-la por meio das mais variadas linguagens, como fez Leonardo da Vinci, que desde a mais tenra idade buscou compreender o funcionamento do Universo. Tudo o atraía: as flores, o corpo humano, as pedras, as quedas d’água... Ele observava seus objetos de interesse e os desenhava para tentar captar seus segredos. Do que são constituídos? Como funcionam?

Surpreender com o que enxergamos, perceber que podemos enxergar por diversas óticas ou olhares, perguntar sobre tudo, pesquisar, persistir, trocar saberes e conviver com diferentes pontos de vistas, comunicar nossos saberes e descobertas sempre. Resolver problemas complexos, seguir questionando, aprofundar nossas pesquisas, criar soluções, duvidar do que está posto. Guimarães Rosa em sua grande sapiência disse: “Vivendo se aprende, mas o que se aprende mesmo é fazer outras maiores perguntas....” A escola deve ensinar e instigar a dúvida e os questionamentos, pois sem pergunta não há ciência. O conhecimento científico é sempre resposta  a uma pergunta.

Explorar, brincar, vivenciar, observar, escutar, mapear, registrar, imaginar, desejar, sonhar, alegrar-se, trocar, dialogar, questionar, criticar, problematizar, cooperar, participar, relacionar-se, potencializar.... São ações que cultivamos para que nossos estudantes possam se colocar neste século como protagonistas e produtores de conhecimento hoje e sempre.

Sejam todos bem-vindos ao segundo semestre de 2019!!!

 

*Vera Lúcia Wohlgemuth Lobo é Diretora Pedagógica da Escola Interamérica.


Não é fácil andar à frente

Não é fácil andar à frente

 13/09/2019

O que me move na escrita deste texto hoje é a necessidade de tratar um pouco do desafio que é fazer algo de relevante em um contexto que não quer que isso aconteça. Quando os astros estão a nosso favor não é necessariamente fácil, imagine então se você incomoda por não ficar dentro da caixinha, sendo perfeitamente conivente com o modelo? Tenho reiteradamente tratado deste tema, e percebo que ele ainda me incomoda, e incomoda a muitos outros, ainda bem.


Respeito à diferença e incentivo à argumentação contribuem para o desenvolvimento dos filhos

Respeito à diferença e incentivo à argumentação contribuem para o desenvolvimento dos filhos

 06/09/2019

Discordar abre a possibilidade de se colocar no lugar do outro, de se abrir para uma ideia distinta, para algo que até então a pessoa não tinha pensado, de acordo com especialista.


Brincar e aprender a vida

Brincar e aprender a vida

 06/09/2019

Vivemos atualmente um contexto social em que há excesso de informação circulando e, para toda e qualquer questão, existe receita, padrão, promessas de solução rápida e instantânea. Na criação de filhos(as) isso não é diferente!


Educar exige liberdade e autoridade, mas qual o limite e a diferença entre eles?

Educar exige liberdade e autoridade, mas qual o limite e a diferença entre eles?

 30/08/2019

Na construção da relação familiar, a autoridade nunca pode ser confundida com autoritarismo, assim como a liberdade em excesso também é nociva.


Você conhece a Escola Interamérica?

Você conhece a Escola Interamérica?

 23/08/2019

Que memórias você tem de sua infância na escola? De quais atividades você se recorda?


A aprendizagem como projeto

A aprendizagem como projeto

 23/08/2019

O desenvolvimento do ser humano no planeta Terra é algo que assusta, e é tema recorrente nos mais diversos setores da sociedade. Ainda vivemos uma era de crescimento linear para certos aspectos da vida humana, mas certamente vários destes aspectos crescem de maneira exponencial, em velocidade difícil de se imaginar. As possibilidades de nosso cérebro, que saiu das cavernas e chegou à Lua, ainda estão envoltas em muitos mistérios.


A difícil “arte” de escolher

A difícil “arte” de escolher

 16/08/2019

A vida adulta é carregada de tarefas e obrigações. Temos deveres intermináveis (de nos sustentar, em primeiro lugar, de pagar os impostos, contas do mês, organizar as refeições para nós e nossos familiares, trabalhar, cuidar da casa, dos filhos etc) e, a cada dia, vamos colocando mais metas e obrigações em nossas listas de coisas a fazer, ora escolhidas por nós, conscientemente, ora determinadas pela vida e o contexto que vivemos (devemos fazer atividade física, estarmos conectados às mais diversas informações, estudarmos constantemente e tantas outras coisas que “devemos”).


O futuro é hoje: os 16 hábitos da mente na educação

O futuro é hoje: os 16 hábitos da mente na educação

 16/08/2019

Para acompanhar mudanças e ensinar os futuros profissionais prosperar em um mundo volátil, incerto, complexo e ambíguo (do acrônimo em inglês VUCA) — além de cada dia mais conectado e, ao mesmo tempo, fragmentado —, a educação precisa mudar. E ela já mudou. O conhecimento de conteúdos acadêmicos ainda é e sempre será importante, mas as habilidades socioemocionais estão hoje no centro da revolução que ocorre na educação.


Muitas conquistas, trabalho e estudo: assim chegamos ao final do primeiro semestre

Muitas conquistas, trabalho e estudo: assim chegamos ao final do primeiro semestre

 28/06/2019

Olhando para os meses que já se passaram este ano, podemos afirmar que a escola Interamérica trabalhou intensamente, desenvolvendo em nossos alunos inúmeras habilidades que darão estrutura para que possam atuar de forma competente no mundo que está posto.


As férias e um mito: tempo de reflexão

As férias e um mito: tempo de reflexão

 28/06/2019

Gosto muito de épicos, e gosto em particular de Mitologia Grega. Uma das histórias que mais gosto é a de Cronos, deus do tempo. Quando eu era criança fiquei muito impressionado quando li pela primeira vez “Os doze trabalhos de Hércules”, produção de Monteiro Lobato. A partir daí expandi minhas leituras, até conhecer os Titãs (não a banda...). Cronos, Hades, Poseidon... cada um deles com personalidade forte, como é característico de todos, e me encantei, em particular, ao começar a entender como uma história era conectada à outra, como um personagem era ligado a outro.