Comunicação

Volta às aulas

Publicado em : 09/08/2019

 

 

Volta às aulas

 

 

por Vera Lúcia Wohlgemuth Lobo*

 

Iniciamos o segundo semestre de 2019 trazendo em nossas bagagens muitos estudos, leituras e reflexões sobre como fazer da escola um espaço cada vez mais amplo de convivência e de troca de experiências que, certamente, favorecerão o desenvolvimento de hábitos mentais. Esses hábitos contribuem para a potencialização do pensamento complexo, que analisa os conhecimentos de forma contextualizada, integrada, abrangente  e completa, deixando de lado a visão fragmentada que ora nos foi apresentada.

Sabemos que nossos estudantes também viveram grandes experiências nessas férias, pois tiveram tempo para brincar muito, viajar, ler bons livros, assistir a bons filmes... Todos saímos da rotina diária e pudemos viver um tempo de ócio. Ócio este que, como nos diz o sociológo Domênico di Masi, favorece o desenvolvimento da criatividade.

O tempo corre rapidamente e paramos pouco para refletir sobre o que vemos, ouvimos, sentimos e vivemos. Frente a esta rotina extenuante, mal percebemos que já estamos em agosto, em setembro entramos na estação das flores e em dezembro, que já está aí. O verão chega e o ano de 2019 se despede, abrindo-se para novas promessas que faremos nas vésperas de 2020.

Queremos, sempre, explorar e aprofundar nossas percepções e conhecimentos sobre o “mundo das coisas” e sobre as “coisas no mundo”. Quanta diversidade, quantas curiosidades existem nesse mundo complexo em seus sistemas que convergem e divergem e que, mesmo assim,  funcionam de forma tão sistêmica e integrada. A gramática será apresentada por meio da fantasia dos livros literários, aproveitando, ainda, as informações contidas nos diversos textos que leremos. A matemática que está no passar do tic-tac do relógio, no tempo que corre com a pressa do coelho de Alice no País das Maravilhas, que está nas receitas do livro de dona Benta e  da Tia Nastácia, nas Mil e Uma Noites, na contagem das conchas colecionadas durante as férias, nas páginas dos livros que lemos ou nas distâncias percorridas durante as viagens. Tempo presente, tempo passado, História e Geografia que nos mostram dados do passar desses tempos e  espaços que se transformam continuamente. E assim vivemos o conhecimento  vivo cheio de cores e de formas, que traz enigmas e nos ajuda a pensar com lógica e  que se relaciona com as diversas áreas num movimento inter e transdisciplinar.

É isso que fazemos! Despertar a paixão adormecida de aprender, desenvolvendo o hábito de indagar sempre sobre tudo, inquietação esta que é tão viva nas crianças pequenas que querem saber o porquê de tudo, mas que num determinado momento da vida essa curiosidade adormece. Algumas perguntas estão sempre presentes quando paramos para planejar e definir novas metas de aprendizagem: o que faz essa curiosidade adormecer? Será um feitiço da fada da história da Bela Adormecida? Alguém já parou para perguntar? O que silencia nossa mente? Como reacender a chama da curiosidade provocando a sede de querer saber mais sobre o mundo? Educar, formar, transformar exige muita reflexão... E é essa a nossa missão! 

Trazer a arte de enxergar e interpretar o mundo; provocar emoção e reflexão; expressar o pensamento e a visão de mundo; explicar e refletir a história humana; questionar a realidade, representá-la por meio das mais variadas linguagens, como fez Leonardo da Vinci, que desde a mais tenra idade buscou compreender o funcionamento do Universo. Tudo o atraía: as flores, o corpo humano, as pedras, as quedas d’água... Ele observava seus objetos de interesse e os desenhava para tentar captar seus segredos. Do que são constituídos? Como funcionam?

Surpreender com o que enxergamos, perceber que podemos enxergar por diversas óticas ou olhares, perguntar sobre tudo, pesquisar, persistir, trocar saberes e conviver com diferentes pontos de vistas, comunicar nossos saberes e descobertas sempre. Resolver problemas complexos, seguir questionando, aprofundar nossas pesquisas, criar soluções, duvidar do que está posto. Guimarães Rosa em sua grande sapiência disse: “Vivendo se aprende, mas o que se aprende mesmo é fazer outras maiores perguntas....” A escola deve ensinar e instigar a dúvida e os questionamentos, pois sem pergunta não há ciência. O conhecimento científico é sempre resposta  a uma pergunta.

Explorar, brincar, vivenciar, observar, escutar, mapear, registrar, imaginar, desejar, sonhar, alegrar-se, trocar, dialogar, questionar, criticar, problematizar, cooperar, participar, relacionar-se, potencializar.... São ações que cultivamos para que nossos estudantes possam se colocar neste século como protagonistas e produtores de conhecimento hoje e sempre.

Sejam todos bem-vindos ao segundo semestre de 2019!!!

 

*Vera Lúcia Wohlgemuth Lobo é Diretora Pedagógica da Escola Interamérica.


Escola Interamérica, Uma Escola Viva

Escola Interamérica, Uma Escola Viva

 26/06/2020

Saímos todos da nossa zona de conforto e tivemos que nos readaptar à nova realidade imposta. Cada um sentiu e viveu esse período de diferentes maneiras, não é mesmo? E, gradativamente, os medos foram se transformando. Das dúvidas e angústias, nasceram  possibilidades e certezas.


Avaliação da aprendizagem em aulas não presenciais

Avaliação da aprendizagem em aulas não presenciais

 29/05/2020

Todos nós já ouvimos falar bastante sobre este assunto, e certamente temos algum tipo de “opinião” sobre ele, ainda que muitos não tenham estudado formalmente algo voltado para o tema.


A “romantização” do isolamento social em casa

A “romantização” do isolamento social em casa

 11/05/2020

Estamos todos no mesmo barco? Não. Na verdade nunca estivemos, e agora, mais do que nunca, não estamos. Se há algo em comum que nos interliga nesse tempo de pandemia é o fato de estarmos imersos no cenário que é a nossa casa, na realidade das nossas relações interpessoais, nas diferentes rotinas de cada um, nos diferentes modos de se viver esse tempo, nas diferentes estratégias de lidar com o isolamento social.


Rosely Sayão: “Educar é apresentar a vida e não dizer como viver”

Rosely Sayão: “Educar é apresentar a vida e não dizer como viver”

 13/03/2020

Educar não é fácil, muito menos nos tempos atuais. A sociedade tem passado por muitas transformações, e os pais se veem, tantas vezes, completamente perdidos. É o que evidencia a psicóloga Rosely Sayão em seu recém-lançado livro Educação sem blá-blá-blá (Ed. Três Estrelas, 2016).


Entrada na adolescência

Entrada na adolescência

 06/03/2020

A entrada na adolescência traz grandes desafios para a família e para os indivíduos. Entendemos, enquanto escola, que é muito importante para as famílias conhecer as principais transformações para que esse período tão importante da vida seja vivido de forma saudável para toda família. O texto a seguir traz contribuições importantes.


“Eu tenho a força!”

“Eu tenho a força!”

 28/02/2020

Há muito tempo não tinha a oportunidade de fazer uma criança dormir em minha casa. Meu único filho é um jovem adulto e não mora mais conosco... Assim, contento-me em aguardar o dia em que será possível ter meu netinho ocupando seu quarto em minha casa para então poder viver a experiência de cuidar mais de perto de uma criança, e fazê-la dormir, como acontecia com meu filhote.


Diversidade

Diversidade

 28/02/2020

Pensando na escola como um ambiente onde se reúne a maior diversidade durante um considerável tempo (e não é apenas pelos critérios de afinidades), também como um espaço privilegiado de construção de conhecimento e interação social, chegamos à conclusão de que valores como respeito, empatia, solidariedade, colaboração, ética, dentre outros, não podem ficar fora do que entendemos por “educação integral” dos sujeitos.


Tarefa de casa em família: um momento de aprendizado para todos

Tarefa de casa em família: um momento de aprendizado para todos

 21/02/2020

Após chegar da escola, é normal que seu filho esteja cansado para realizar as tarefas escolares. É exatamente por isso...


Adolescência em questão

Adolescência em questão

 21/02/2020

Falta de sono na hora de dormir, sono demais na hora de levantar, preguiça para realização de tarefas de casa, preguiça para leitura, tempo em excesso nos eletrônicos, conflitos com a família, quarto sempre desarrumado. Se você é mãe, pai ou responsável de um pré-adolescente/adolescente, você provavelmente já presenciou pelo menos uma das situações acima. Não se assuste porque a grande maioria desses “sintomas” é natural, porém passageira.


Educar - Desafios e Possibilidades

Educar - Desafios e Possibilidades

 14/02/2020

Me deparei há algum tempo com um texto de Rubem Alves falando sobre a Arte de Educar. E se existe algo que normalmente as pessoas concordam é sobre o grande desafio que envolve esse processo. A Escola Interamérica, ciente de sua responsabilidade enquanto parceira da família e da sociedade, se sente também diariamente desafiada a estudar, aprimorar e qualificar cada vez mais o seu trabalho pedagógico.