Comunicação

Você conhece a Escola Interamérica?

Publicado em : 23/08/2019

Você conhece a Escola Interamérica?

Escrito por: Meigna Ferreira

__________________________________________________________________________________________________

Agosto é o mês de volta às aulas, dos pais, dos estudantes... Início de um semestre letivo com um rigor acadêmico maior, o que implica em maior exigência também na postura de estudante e na rotina de estudos, seja na escola ou em casa. Diante dessas questões e de tantas outras que ouvimos nos atendimentos às famílias, decidimos propor algumas reflexões para o(a) leitor(a) e contribuir com algumas orientações de estudos.

Resgatar a nossa história escolar é parte desse processo. Então, vamos lá!

Que memórias você tem de sua infância na escola? De quais atividades você se recorda? Sim, aquelas que te marcaram, que foram significativas! São atividades que envolvem mais a aprendizagem?

Que estudante você era na idade de seu(sua) filho(a)? Gostava de fazer o quê? Tinha preferência por disciplinas? Você aprendia melhor como?

Ao participar de reflexões assim, na faculdade, em grupos de estudos e até mesmo em visita à escola High Tech High (HTH), na Califórnia, a conclusão que ficava para a maioria das pessoas era pouca memória de aprendizagens significativas. Cabe aqui pensarmos que educação, que ensino queremos para os nossos filhos? O mesmo que tivemos? Entendemos que sua resposta seja não, até porque você escolheu uma escola com uma proposta política pedagógica bastante arrojada, que se preocupa, sim, com conteúdos, mas com um compromisso ainda maior na formação integral de seu(sua) filho(a). Nos comprometemos com um ensino de excelência, com o protagonismo do(a) estudante, com a individualidade de cada um(a), com as relações socioemocionais... O que nos propomos a fazer (e fazemos!) extrapola o ensino pautado em questionários e em listas e listas de exercícios. Ensinar é para além, muito além das listas de exercícios.

Convidamos a cada família para conhecer mais sobre a proposta pedagógica e filosófica da Interamérica. Nos procure, participe das rodas de conversas, das oficinas, das reuniões, visite o nosso site, acesse o instagram, leia os textos... solicite reuniões conosco! Traga suas dúvidas, suas angústias para tratar diretamente com a escola. Acreditamos na parceria para o melhor desenvolvimento e formação de nossos estudantes. E nesse contexto também vamos aprendendo e nos formando, enquanto pais, profissionais, educadores, enfim.

É fundamental entender os porquês das nossas escolhas pedagógicas, assim, poderemos ter mais segurança ao orientar e/ou estudar com seu(sua) filho(a), ao conversar com amigos. Conheça a proposta pedagógica da escola de seu filho!

Como prometido inicialmente, gostaríamos de compartilhar algumas orientações que poderão contribuir para formar/aprimorar a postura de estudante:

- Incentive e encoraje seu(sua) filho(a) a perguntar, a pesquisar, a investigar mais sobre o assunto. Não precisa ficar esperando a professora encaminhar uma tarefa para casa. A busca também pode ser individual.

- Tomar nota das dúvidas é uma boa estratégia. Mas não é o suficiente para um(a) aluno(a) da Interamérica. É preciso desafiá-lo(a) a refletir sobre o que tem dúvida. Dizer “Não entendi”, “Não sei” (...) na maioria das vezes é um recurso que usamos para ficar na zona de conforto e ser favorecido! Atenção, isso é sério! Questione: você não entendeu o quê? Não sabe o quê? Então, elabore perguntas sobre o que não entendeu e leve para a professora. E o que fazer depois? Mostre interesse pela dúvida de seu(sua) filho(a). Peça para ver o registro que ele(a) fez sobre o que entendeu após conversar com os colegas e/ou a professora.

- A tarefa de casa é um dos momentos de estudo. Mas, conforme seu(sua) filho(a) for mudando de série e de acordo com o semestre letivo é preciso ter uma rotina de estudo diferenciada. Como fazer isso? Organize, juntamente com ele(a), um quadro de horários com as atividades de cada dia da semana, incluindo horários para fazer a tarefa, para estudar um conteúdo que foi trabalhado (planejar o que estudar), lazer, atividades extras...

- Definir a rotina de estudo e planejar o que estudar de forma gradativa e com frequência não é uma tarefa fácil e requer ajuda de um adulto. No entanto, uma vez constituído esse hábito, o(a) aluno(a) seguirá de forma mais independente e buscará aprimorar as estratégias.

- Ter consciência e disciplina para aproveitar o tempo e torná-lo um aliado é um desafio até mesmo para nós adultos, imagine para os pequenos! Por isso precisarão de ajuda, mediação e supervisão de um adulto.

- O(A) estudante precisa desenvolver a curiosidade e a iniciativa para pesquisar e aprofundar os conhecimentos de conteúdos estudados e outros de seu interesse particular.

- Ao estudar é preciso identificar o que já se sabe e também no que tem dúvidas. E ao rever esse conteúdo novamente, comece a estudar pelos conteúdos que tiver maior dificuldade. Esse é um cuidado que é preciso ter, pois temos a tendência de estudar o que já sabemos primeiro e deixar o que é mais difícil por último e nem sempre nos dedicamos o suficiente.

- Um outro grande desafio e aliado do(a) estudante é a autoavaliação. Identificar aspectos que precisam ser aprimorados na leitura, na compreensão, na escrita... e traçar estratégias para superar os desafios devem fazer parte da vida do(a) estudante.

- Os conhecimentos não podem ser estanques. Eles só terão sentido se forem utilizados, por isso, precisam transitar, dialogar, ganhar sentido e significado na vida dos estudantes e nós, adultos, podemos mediar esse processo ouvindo, questionando, refletindo, ajudando a estebelecer relações.

- Incentive seu(sua) filho(a) a ser protagonista. Deixe-o(a) falar. Não fale por ele(a). Não resolva por ele(a). Não pense por ele(a). Sejamos coerentes entre o que queremos e cobramos de nossos filhos com as nossas ações contrárias. Fica o convite para refletirmos e buscarmos a coerência entre o nosso falar e o fazer.

Por um mundo melhor, por estudantes mais sábios, criativos, críticos e felizes, a parceria escola e família é fundamental. Conheça a escola de seu(sua) filho(a)!

Meigna Ferreira é Coordenadora Pedagógica da Escola Interamérica – 3º, 4º e 5º Anos – Pedagoga e Psicopedagoga.


Como desenvolver bons hábitos de comunicação entre pais e filhos?

Como desenvolver bons hábitos de comunicação entre pais e filhos?

 08/11/2019

Uma comunicação saudável e positiva entre pais e filhos tem influência, por exemplo, na educação, tornando mais fácil para estes compreender e refletir sobre o que lhes é transmitido, em vez de focar em ordens e obediência.
Além disso, a relação e a convivência da família também se tornam mais tranquilas, agradáveis e enriquecedoras, o que favorece o bem-estar de todos.
Pensando nesses pontos, podemos nos perguntar: como praticar uma comunicação saudável em família e criar hábitos para favorecê-la no dia a dia?


Mãe, brinca comigo?

Mãe, brinca comigo?

 01/11/2019

Muitos pais se queixam de que, com a carga de trabalho que têm, quando chegam a casa à noitinha tudo que querem é descanso…


Pontualidade: como ensiná-la aos filhos?

Pontualidade: como ensiná-la aos filhos?

 01/11/2019

Entenda desta forma: seus filhos jamais aprenderão a importância de ser pontual se não vivenciarem esse comportamento em casa.

A teoria é muito bonita e necessária, mas se as crianças percebem que os familiares são indulgentes consigo mesmos em relação ao horário, é provável que reproduzam essa atitude quando adultos.


Relacionamento abusivo entre crianças

Relacionamento abusivo entre crianças

 18/10/2019

De uma mãe preocupada: “Percebo que minha filha de oito anos está estressada com uma amiga da escola que não a deixa em paz: não quer que ela converse com outras meninas, liga várias vezes por dia, ameaça de acabar com a amizade se ela lhe desobedecer. Minha filha gosta dessa menina, mas não gosto de vê-la se submetendo a essas exigências. Não sei bem o que fazer, dá vontade de interferir, mas não sei como”.


Juventude e maturidade

Juventude e maturidade

 18/10/2019

Ser jovem deixou de ser uma etapa da vida para se transformar em um estilo de viver. Isso significa que, quando a criança entra na adolescência, ela passa a se relacionar com adultos iguais a ela, ou seja, tão jovens quanto ela. Na questão educativa, esse é um fato complicador. A adolescência é o tempo de amadurecer, mas, se os pais não ajudarem o filho a entrar na maturidade, ele continuará a agir de modo infantilizado.


Como são os “novos valores” no mundo atual?

Como são os “novos valores” no mundo atual?

 11/10/2019

Faço uma singela reflexão sobre o quão importante é a educação para os sentimentos nos dias atuais. Na escola, ouvimos com frequência pessoas com dúvidas inerentes aos “novos valores” no mundo atual. Ao que se parece...


O poder transformador da Educação

O poder transformador da Educação

 11/10/2019

Em cada um de nós existe muito dos vários educadores que por nós passaram. Os aprendizados vão muito além dos conteúdos atribuídos a uma grade curricular. Os conhecimentos e vivências são de uma relevância que carregamos para a vida. Vão desde um olhar empático de um professor, a firmeza do outro, mas que fez a diferença ao acreditar no seu potencial quando nem às vezes você mesmo acreditava.


Aprender com os filhos é possível? Veja como acontece essa troca

Aprender com os filhos é possível? Veja como acontece essa troca

 04/10/2019

Os pais preocupam-se com a aprendizagem cognitiva, cultural e socioemocional dos seus filhos, buscando meios para favorecer o seu desenvolvimento. Contudo, em razão de suas diversas responsabilidades cotidianas e do foco que mantêm na família, os pais acabam não percebendo que podem aprender com os filhos.


De quem: crianças ou adultos? Faltam limites?

De quem: crianças ou adultos? Faltam limites?

 27/09/2019

  Faltam limites? De quem: crianças ou adultos?   por Marcelo Cunha Bueno*   Muitas famílias me procuram para conversar a respeito de limites e de uma tal de “agressividade” infantil. Trazem os mais diferentes relatos de espancamento, cusparadas, mordidas e [...]


Aprenda como trabalhar a autonomia na adolescência

Aprenda como trabalhar a autonomia na adolescência

 27/09/2019

A autonomia é uma das características mais importantes no desenvolvimento dos filhos. Ela representa a independência e responsabilidade que o indivíduo terá quando crescer e, por esse motivo, é necessário incentivá-la ao longo dos anos. Trabalhar a autonomia na adolescência pode ser a chave para um mundo com pessoas mais decididas e seguras de si.