Comunicação

Respeito à diferença e incentivo à argumentação contribuem para o desenvolvimento dos filhos

Publicado em : 06/09/2019

 

Respeito à diferença e incentivo à argumentação contribuem para o desenvolvimento dos filhos

 

por Larissa Roso*

 

Discordar abre a possibilidade de se colocar no lugar do outro, de se abrir para uma ideia distinta, para algo que até então a pessoa não tinha pensado, de acordo com especialista.

Pense em uma definição de família. Se a sua concepção é a de um conjunto harmonioso de pessoas parecidas não só no físico, mas também no comportamento, no pensamento, nos valores e nas escolhas, é provável que você tenha de abrir espaço para uma reflexão. Claro que a convivência pacífica é almejada e saudável, imprescindível para o desenvolvimento dos filhos, mas as diferenças devem ser valorizadas e preservadas.

Em entrevista a Zero Hora publicada no caderno DOC da edição de 30 e 31 de março, o psicanalista e escritor Contardo Calligaris proferiu uma frase instigante: “(…) A família não foi criada para ser um lugar em que todos concordam com todos. Ao contrário, a família, como cada um sabe, foi inventada para ser um lugar em que todo mundo discorda. Por isso, ela eventualmente é interessante e educativa”.

A pedido de ZH, profissionais da área da psicologia comentaram a declaração e falaram a respeito de outros tópicos importantes sobre a criação dos filhos. Maria Isabel Wendling, psicóloga, terapeuta de família e professora do curso de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), concorda com Calligaris, argumentando que é a partir das discordâncias que as pessoas começam a refletir mais. Se todos pensarem o tempo inteiro da mesma forma, não se acrescenta o novo, a dúvida, ocorrendo apenas a repetição indefinida dos mesmos padrões – estes, muitas vezes, disfuncionais. Discordar, destaca Maria Isabel, abre a possibilidade de se colocar no lugar do outro, de se abrir para uma ideia distinta, para algo que até então a pessoa não tinha pensado.

“(...) A família, na configuração que for, é a base socializadora de um indivíduo. É onde ele vai começar a aprender a dialogar. A família vai formando a identidade, o indivíduo vai se descobrindo através da fala do outro. É importante que existam essas discordâncias”, comenta a psicóloga.

(...) As diferenças podem surgir no que se refere ao dia a dia doméstico, ao noticiário da TV, aos planos para férias, ao modo de vestir, aos posicionamentos políticos – o pai pensa de uma maneira, a mãe de outra, e os filhos, bem mais jovens, seguem uma terceira linha. O enriquecimento advém do respeito e da possibilidade de aceitação dessas dessemelhanças, reforça Angela Helena Marin, doutora em Psicologia, pesquisadora e professora universitária.

 

Influência familiar e pensamento autônomo

Também é importante pensar nas aspirações dos adultos em relação aos filhos. Os pais veem a prole, diz Maria Isabel, como algo seu, uma projeção sua e do que eles gostariam de ser e não foram. Mas “filho é para o mundo”, como se repete tanto por aí. A psicóloga ressalta que é preciso entender que aquilo que foi ensinado para o filho ficou internalizado, e uma boa criação também incentiva a autonomia, o pensamento independente, a crítica e a chance de construir a própria vida.

”Os pais devem acreditar que o filho pode voar, seguir outro caminho que não necessariamente o que eles acham melhor. Isso mostra o quanto o filho consegue tomar essas decisões por conta dele, isso é maturidade. Tem filhos adultos dependendo dos pais para tomar decisões, e isso dificulta os relacionamentos”, diz.

(...) A escolha profissional, em diversos casos, ainda sofre forte influência familiar. Muitas vezes, o filho é induzido a suceder ao pai ou a mãe à frente da empresa ou do consultório, uma obrigação que poderá significar frustração no que diz respeito à realização pessoal.

”Esse direcionamento é, algumas vezes, desejado pelos filhos, em função da identificação e da valorização do papel social exercido. Não tomo como um problema os filhos optarem por assumir a mesma profissão dos pais, desde que sejam eles a fazer essa escolha”, pondera Angela.

O pensamento autônomo deve ser incentivado desde a infância. Nas mais corriqueiras situações cotidianas, é possível incentivar a criança a começar a pensar de maneira independente. Maria Isabel sugere que o pai e a mãe questionem os pequenos sobre o dia na escola, a interação com os amigos, as atividades realizadas, permitindo que eles expressem sua opinião. Quanto às emoções, da mesma forma: se há choro ou birra, o adulto deve acolher a criança e questioná-la sobre o que ela está sentindo.

Quando chega a adolescência, é natural que passem a ocorrer mais questionamentos por parte do adolescente. Ele está formando sua identidade e vai se opor a questões familiares como forma de se autoafirmar. É importante deixar as características identitárias dos filhos aflorarem, para que eles possam se encontrar.

(...) Quanto a temas polêmicos, ensina Maria Isabel, o pai e a mãe têm de se manifestar: “O pai pode ser amigo, mas primeiro ele é pai. É legal quando os pais são próximos dos filhos, mas primeiro eles são pai e mãe. Eles têm que se posicionar. Coloque-se à disposição para se posicionar, mostre os perigos, as consequências”.

 

*Disponível em:<https://www.semprefamilia.com.br/respeito-a-diferenca-e-incentivo-a-argumentacao-contribuem-para-o-desenvolvimento-dos-filhos/>. Acesso em: 4 set. 2019.

 


Não é fácil andar à frente

Não é fácil andar à frente

 13/09/2019

O que me move na escrita deste texto hoje é a necessidade de tratar um pouco do desafio que é fazer algo de relevante em um contexto que não quer que isso aconteça. Quando os astros estão a nosso favor não é necessariamente fácil, imagine então se você incomoda por não ficar dentro da caixinha, sendo perfeitamente conivente com o modelo? Tenho reiteradamente tratado deste tema, e percebo que ele ainda me incomoda, e incomoda a muitos outros, ainda bem.


Brincar e aprender a vida

Brincar e aprender a vida

 06/09/2019

Vivemos atualmente um contexto social em que há excesso de informação circulando e, para toda e qualquer questão, existe receita, padrão, promessas de solução rápida e instantânea. Na criação de filhos(as) isso não é diferente!


Educar exige liberdade e autoridade, mas qual o limite e a diferença entre eles?

Educar exige liberdade e autoridade, mas qual o limite e a diferença entre eles?

 30/08/2019

Na construção da relação familiar, a autoridade nunca pode ser confundida com autoritarismo, assim como a liberdade em excesso também é nociva.


Você conhece a Escola Interamérica?

Você conhece a Escola Interamérica?

 23/08/2019

Que memórias você tem de sua infância na escola? De quais atividades você se recorda?


A aprendizagem como projeto

A aprendizagem como projeto

 23/08/2019

O desenvolvimento do ser humano no planeta Terra é algo que assusta, e é tema recorrente nos mais diversos setores da sociedade. Ainda vivemos uma era de crescimento linear para certos aspectos da vida humana, mas certamente vários destes aspectos crescem de maneira exponencial, em velocidade difícil de se imaginar. As possibilidades de nosso cérebro, que saiu das cavernas e chegou à Lua, ainda estão envoltas em muitos mistérios.


A difícil “arte” de escolher

A difícil “arte” de escolher

 16/08/2019

A vida adulta é carregada de tarefas e obrigações. Temos deveres intermináveis (de nos sustentar, em primeiro lugar, de pagar os impostos, contas do mês, organizar as refeições para nós e nossos familiares, trabalhar, cuidar da casa, dos filhos etc) e, a cada dia, vamos colocando mais metas e obrigações em nossas listas de coisas a fazer, ora escolhidas por nós, conscientemente, ora determinadas pela vida e o contexto que vivemos (devemos fazer atividade física, estarmos conectados às mais diversas informações, estudarmos constantemente e tantas outras coisas que “devemos”).


O futuro é hoje: os 16 hábitos da mente na educação

O futuro é hoje: os 16 hábitos da mente na educação

 16/08/2019

Para acompanhar mudanças e ensinar os futuros profissionais prosperar em um mundo volátil, incerto, complexo e ambíguo (do acrônimo em inglês VUCA) — além de cada dia mais conectado e, ao mesmo tempo, fragmentado —, a educação precisa mudar. E ela já mudou. O conhecimento de conteúdos acadêmicos ainda é e sempre será importante, mas as habilidades socioemocionais estão hoje no centro da revolução que ocorre na educação.


Volta às aulas

Volta às aulas

 09/08/2019

Iniciamos o segundo semestre de 2019 trazendo em nossas bagagens muitos estudos, leituras e reflexões sobre como fazer da escola um espaço cada vez mais amplo de convivência e de troca de experiências que, certamente, favorecerão o desenvolvimento de hábitos mentais. Esses hábitos contribuem para a potencialização do pensamento complexo, que analisa os conhecimentos de forma contextualizada, integrada, abrangente  e completa, deixando de lado a visão fragmentada que ora nos foi apresentada.


Muitas conquistas, trabalho e estudo: assim chegamos ao final do primeiro semestre

Muitas conquistas, trabalho e estudo: assim chegamos ao final do primeiro semestre

 28/06/2019

Olhando para os meses que já se passaram este ano, podemos afirmar que a escola Interamérica trabalhou intensamente, desenvolvendo em nossos alunos inúmeras habilidades que darão estrutura para que possam atuar de forma competente no mundo que está posto.


As férias e um mito: tempo de reflexão

As férias e um mito: tempo de reflexão

 28/06/2019

Gosto muito de épicos, e gosto em particular de Mitologia Grega. Uma das histórias que mais gosto é a de Cronos, deus do tempo. Quando eu era criança fiquei muito impressionado quando li pela primeira vez “Os doze trabalhos de Hércules”, produção de Monteiro Lobato. A partir daí expandi minhas leituras, até conhecer os Titãs (não a banda...). Cronos, Hades, Poseidon... cada um deles com personalidade forte, como é característico de todos, e me encantei, em particular, ao começar a entender como uma história era conectada à outra, como um personagem era ligado a outro.