Comunicação

Projeto Conviver e Jogos Ativos: aulas complementares ao desenvolvimento socioemocional

Publicado em : 22/03/2019

Projeto Conviver e Jogos Ativos: aulas complementares ao desenvolvimento socioemocional

Eloá Azzena Parada – Educadora e Orientadora Educacional/ Unidade I
Marcos Brunno Brandão – Educador Físico / Unidade I

___________________________________________________________________________________________________

Desenvolver as habilidades socioemocionais não é tarefa fácil para aqueles que se propõem a educar, principalmente a família e a escola. Os desafios do séc. XXI são muitos, ainda mais em um contexto histórico-social contraditório em valores, escolhas e atitudes.

Saber lidar com emoções, interagir com pessoas diferentes, trabalhar em equipe, ser proativo(a), perseverante, ter pensamento crítico e criatividade são algumas das habilidades socioemocionais fundamentais para a formação do cidadão atual.

É importante frisar que estimular e desenvolver essas habilidades não significa contradizer a importância dos conteúdos curriculares tradicionais. Pelo contrário, esse estímulo apoia e auxilia na própria aprendizagem do aluno.

Daniel Goleman e Peter Senge, na obra “O triplo foco: uma nova abordagem para a educação”, após um estudo nas escolas ao redor do mundo, apontam que aquelas que possuíam programas de inteligência emocional indicavam redução em 10% do comportamento antissocial, aumento em 10% do envolvimento social e humano e aumento em 11% do desempenho acadêmico.

Dessa forma, cientes da importância destas competências, inserimos na grade curricular (1º ao 5º anos) duas aulas específicas de habilidades socioemocionais, que possuem objetivos comuns, com estratégias e metodologias diferentes e, por isso, complementares.

Essas habilidades são trabalhadas a partir de atividades lúdicas, rodas de conversa, histórias envolventes e dinâmicas divertidas – sempre atribuídas à ideia de que não existe ”certo e errado” ou ”bom e ruim” quando se trata de falar sobre aquilo que a gente sente.

As aulas do Projeto Conviver Comigo e com o Mundo acontecem quinzenalmente e são um espaço de diálogo, de reflexão e, principalmente, de autoconhecimento e consciência emocional. Espaço onde é permitido falar e onde todos os sentimentos são acolhidos e respeitados. Parte-se da ideia de que não podemos controlar aquilo que estamos sentindo, mas podemos escolher o que fazer com esses sentimentos.

Assim, as atividades desenvolvidas no Projeto Conviver oportunizam a reflexão e expressão do que sentimos e pensamos sobre nós mesmos, sobre o outro e sobre a vida.

Literatura, Arte, atividades planejadas, meditação, rodas de conversa, trabalhos manuais (argila, lã, colagem, desenho) são recursos já experimentados por nossas(os) estudantes nas aulas realizadas.

As aulas de Jogos Ativos acontecem semanalmente, no Integral e, por sua vez, objetivam o desenvolvimento da interação social por meio dos jogos, brincadeiras, jogos desportivos e consciência corporal. São aulas que trabalham com o corpo não apenas como uma questão estrutural, mas, também, como a expressão de sentimentos, sensações e emoções experimentadas no convívio com o grupo e nas atividades propostas.

Saber perder, saber ganhar, esperar a vez, persistir quando está perdendo, controlar os impulsos e se concentrar são ações e reações que expressamos de acordo com nosso estado emocional.

As aulas de Jogos Ativos proporcionam aos nossos estudantes o protagonismo em seu aprendizado por meio de atividades lúdicas em que o brincar está ligado à resolução de conflitos, à socialização, ao saber dividir, saber ceder e ao trabalho em equipe.

Os jogos da cultura popular brasileira foram vivenciados por nossos estudantes nas aulas realizadas, tais como “Mãe da Rua”; “Chocolate Inglês”, “Pare–bola”, “Bobinho” e “Estafetas”. Eles possibilitaram a cooperação e as relações intra e interpessoais.

Assim, as aulas do Projeto Conviver Comigo e com o Mundo e as aulas de Jogos Ativos ajudam nossos estudantes a descobrirem as competências sociais e emocionais que se desdobram em atitudes, valores e comportamentos que, por sua vez, são aprendidos e experimentados na relação com o outro e com o espaço, seja na escola ou na família.


Muitas conquistas, trabalho e estudo: assim chegamos ao final do primeiro semestre

Muitas conquistas, trabalho e estudo: assim chegamos ao final do primeiro semestre

 28/06/2019

Olhando para os meses que já se passaram este ano, podemos afirmar que a escola Interamérica trabalhou intensamente, desenvolvendo em nossos alunos inúmeras habilidades que darão estrutura para que possam atuar de forma competente no mundo que está posto.


As férias e um mito: tempo de reflexão

As férias e um mito: tempo de reflexão

 28/06/2019

Gosto muito de épicos, e gosto em particular de Mitologia Grega. Uma das histórias que mais gosto é a de Cronos, deus do tempo. Quando eu era criança fiquei muito impressionado quando li pela primeira vez “Os doze trabalhos de Hércules”, produção de Monteiro Lobato. A partir daí expandi minhas leituras, até conhecer os Titãs (não a banda...). Cronos, Hades, Poseidon... cada um deles com personalidade forte, como é característico de todos, e me encantei, em particular, ao começar a entender como uma história era conectada à outra, como um personagem era ligado a outro.


Mãe, larga esse celular!

Mãe, larga esse celular!

 14/06/2019

Quantas horas os dispositivos móveis (Whatsapp, redes sociais, Instagram, Snapchat, etc) têm roubado do nosso tempo por dia? Será que parte desse tempo não é aquele de que tanto reclamamos do “não tenho tempo de ficar com meu filho?" Será que precisamos mesmo estar tão conectados?


Como falar sobre saúde mental com seus filhos

Como falar sobre saúde mental com seus filhos

 07/06/2019

Depressão, ansiedade e outras doenças mentais podem ser assuntos difíceis de tratar com as crianças, mas iniciar cedo essa conversa pode ajudá-los a garantir uma boa saúde mental.


Comunicação: a melhor coisa que você pode fazer por seus filhos

Comunicação: a melhor coisa que você pode fazer por seus filhos

 31/05/2019

Dizer que é importante conversar com uma criança em fase de desenvolvimento não é contar nenhuma novidade. A comunicação é, sem dúvida, uma das habilidades mais necessárias para os seres humanos, e incentivá-la desde a infância tem sido prática constante entre pais e cuidadores. Contudo, segundo um grupo de pesquisadores da Universidade Harvard e do MIT, dois centros de pesquisa de ponta nos Estados Unidos, não é qualquer tipo de comunicação que faz a diferença.


7 dicas para motivar os estudos dos filhos adolescentes

7 dicas para motivar os estudos dos filhos adolescentes

 31/05/2019

Como motivar os estudos dos adolescentes? Na prática (e na maioria das vezes), essa motivação não surge sozinha. Os pais são responsáveis por girar as engrenagens, despertando os filhos para a importância e o prazer dos estudos. Neste texto, vamos apresentar 7 ótimas dicas para que você consiga motivar os estudos do seu filho, ajudando-o a pavimentar o caminho para um futuro brilhante. Confira!


Novos olhares para o mau comportamento

Novos olhares para o mau comportamento

 17/05/2019

Estudar é uma prática constante entre os educadores na nossa escola. A cada demanda, contexto, anseios e problematizações buscamos nos estudos, na literatura e nos especialistas de cada área do conhecimento, o respaldo teórico para nortear e refletir sobre nossas práticas.


Saber lidar com os próprios sentimentos é uma lição que deve ser ensinada às crianças

Saber lidar com os próprios sentimentos é uma lição que deve ser ensinada às crianças

 17/05/2019

O grande problema na sociedade em que vivemos é que tanto crianças quanto adultos nem sempre encontram acolhimento para suas emoções. Sentimentos considerados negativos, como raiva, medo, ciúme e a própria tristeza, parecem não ter espaço em um mundo onde as pessoas não podem desperdiçar o tempo e há um imperativo para ser feliz e bem-resolvido o tempo todo. Além disso, a questão de gênero naturalmente impõe alguns padrões sobre como meninos e meninas devem lidar com seus sentimentos. Enquanto eles são encorajados a reagir com a agressividade, elas são incentivadas ao choro e à melancolia, mas sem reação. E isso começa cedo. Uma pesquisa publicada no periódico Behavioral Neuroscience, da Associação Americana de Psicologia, constatou que pais de meninas respondem mais às demandas emocionais das filhas, quando elas choram ou chamam por eles, do que os pais de meninos fazem com seus filhos. Possivelmente, porque há uma tolerância maior aos sentimentos delas.


A importância da construção dos valores para gerar transformação

A importância da construção dos valores para gerar transformação

 10/05/2019

O desenvolvimento socioemocional tem sido cada vez mais relevante nos debates internacionais sobre Educação. Parece que, finalmente, o mundo percebeu que o foco da escolarização em habilidades instrumentais e conhecimentos acadêmicos não o livrou das escolhas egoístas que levam à degradação social e ambiental.


A família e a educação emocional - Três dicas fundamentais para a preparação emocional dos filhos

A família e a educação emocional - Três dicas fundamentais para a preparação emocional dos filhos

 10/05/2019

Quando os pais deixam de criticar e/ou menosprezar e/ou desviar os filhos do que sentem, eles são capazes de se abrir e a emoção por trás do comportamento fica clara, esse movimento ajuda os pais a compreenderem o que de fato está acontecendo, ao mesmo tempo em que ajuda os filhos a confiarem mais nos pais e a vê-los como aliados - alguém com quem possam contar e pedir ajuda quando necessário.