Comunicação

Mãe, larga esse celular!

Publicado em : 14/06/2019

 

 

Mãe, larga esse celular!

 

 

por Jordana de Castro Balduino Paranahyba*

 

Quantas horas os dispositivos móveis (Whatsapp, redes sociais, Instagram, Snapchat, etc) têm roubado do nosso tempo por dia? Será que parte desse tempo não é aquele de que tanto reclamamos do “não tenho tempo de ficar com meu filho?" Será que precisamos mesmo estar tão conectados?

Não tem como negar que, muitos de nós, estamos mesmo viciados em estar “online”, por mais que prometemos não pegar no celular, em um minuto lá estamos nós de novo, somente checando se tem alguma novidade. Mil coisas para fazer, trabalho atrasado, pessoas para conversar, livros para ler, crianças para cuidar, mas o olho está lá: grudado na tela. Tenho ouvido muita queixa, inclusive das crianças, que todos nós estamos conectados demais, em qualquer lugar e isso parece ser a melhor coisa do mundo, pois temos a sensação de não perder nada, de estar aqui e ali ao mesmo tempo. Porém, para muitos isso já saiu do controle e mesmo sabendo dos prejuízos, a dependência já tomou conta do nosso comportamento impulsivo. E a conexão com nossos filhos, como fica?

Passam a ser recorrentes falas de crianças como essa filha de uma amiga, de 7 anos, que dizia que o “Instagram”, na verdade, deveria se chamar “estragamãe”. Ou crianças que pedem à mãe: “Deixa esse celular. Olha aqui!! Brinca comigo!!”, “Para te falar hahan mãe, você não escutou nada do que eu acabei de dizer, só estava no zapzap”. Ou ainda “O que minha mãe mais gosta de fazer é ficar no celular, vendo snapchat, instagram e whatsapp. Não posso nem chamar ela nessa hora, que levo uma bronca. Ela não gosta que a gente atrapalha”.

Atualmente acho que isso é um tema que preocupa a uma grande parte das famílias e, como qualquer vício, precisa-se reconhecer essa dependência para que ocorra qualquer mudança. Entre algumas leituras que busquei sobre o tema, encontrei um artigo, postado no Huffington Post, da Jennifer Hicks, como título “Querida mamãe com iPhone: você está fazendo tudo certo”. Todo o texto trazia argumentos em defesa de mães para aliviar essa culpa. Dizia: “Não vou julgar você. Não a conheço. Não conheço sua história. Mas sei que, para ser boa mãe, não é necessário você supervisionar cada salto, cada brincadeira, cada pirueta, cada balanço, cada coisinha comida, cada canção, cada dança, cada piscada ou respiração de seu filho. (...) Há muitas coisas que acontecem em nossa vida fora da criação dos filhos que não podemos descuidar.” E termina dizendo: “Faça o que você tem que fazer, o que às vezes implicará em tirar algum tempo para você mesma, nem que seja apenas para olhar o Facebook enquanto seu filho corre e brinca no parque”.

Claro que precisamos de nossos hobbies, nosso espaço e tempo para respirar sem as crianças, mas não fui convencida pelo texto de que não precisamos ficar alertas. Afinal, a atenção dos filhos tem sido compartilhada com o celular ao mesmo tempo e o tempo todo. Não sabemos mais controlar essa vontade desenfreada. E que referência temos sido para eles? Com que autoridade vou lhes dizer para deixarem o celular de lado para conversarmos se não consigo fazer isso?

Por fim, encontrei textos de pessoas que reconheceram seu vício e compartilharam de suas angústias e estratégias para se livrar dele. Como esse depoimento que dizia “Assim, estou me propondo a me livrar do vício do celular, pelo menos durante o tempo que passe com minha família. Deixá-lo em cima do armário quando eu entrar em casa e não atendê-lo a não ser que seja uma ligação telefônica ou para verificar se há alguma mensagem de Whatsapp ou outra de certa urgência quando eu estiver de passagem, e nunca enquanto estiver com as crianças. Não tirar o celular da bolsa no parque. E, é claro, não olhar o celular durante as refeições. Pus isso em prática neste verão e comprovei que não foi tão terrível assim. Fui capaz de deixar o celular em casa para ir à praia (o medo de que me roubassem o aparelho ou que meus gigas terminassem contribuiu bastante). E nos últimos três dias fui levar as crianças aos balanços do parquinho sem levar o smartphone. Não fiquei com tremedeira nem nada!” Achei no mínimo curioso também, como essa pessoa tem tentado lidar com o seu vício: “ Antes na quaresma ficava sem comer carne, mas agora fico 40 dias sem whatsapp, descobri que esse seria o maior sacrifício que eu podia fazer.”

Encontrei dados quantitativos que apontassem quanto estamos conectados e as implicações disso na educação de nossos filhos e me deparei com um recente estudo global realizado pela AVG[1], empresa de segurança online, que mostra que 42% dos filhos entrevistados se sentem trocados pelos pais por esses aparelhos. Um estudo da Digital Diaries, que entrevistou pais e seus filhos com idades entre 8 e 13 anos, em diferentes países, aponta que  mais da metade (54%) das crianças acha que os seus pais checam demais os smartphones e que o maior problema em relação a isso é que eles se distraem durante conversas com os filhos, fazendo com que 32% deles se sintam desprezados. Quando os pais foram questionados sobre a frequência de uso dos dispositivos móveis, 52% admitiram o exagero e que se preocupam com o que isso pode causar na próxima geração. Já 28% dos entrevistados assumem não serem bons exemplos.

Tony Anscombe, executivo da AVG Technologies, fala sobre a conclusão do estudo: "Percebemos a importância dos pais prestarem mais atenção no exemplo que estão dando aos seus filhos. Desde cedo é fundamental criar bons hábitos no uso da tecnologia, jamais substituindo o diálogo e as atividades off-line pelas on-line. Estamos vivendo uma nova realidade dentro dos lares e nas famílias em todo o mundo e precisamos prestar atenção a esses novos hábitos para que não comprometam a educação e formação das novas gerações", relata.

E o pior de tudo foi encontrar nos estudos que os brasileiros são os que mais utilizam smartphones e tablets em excesso, pois 87% dos filhos relatam o descontentamento com a distração. Em relação aos pais, 59% deles admitem usar os aparelhos quando estão dirigindo. Cerca de 56% das crianças disseram que, se pudessem, confiscariam todos os dispositivos dos pais.

Diante desses dados, e da triste convicção de que estamos mesmo viciados, cabe a cada um de nós reconhecer o quanto do nosso tempo tem sido roubado por essa dependência e então, buscarmos estratégias para saber o momento de estar “on e off line”.

 

*Professora associada da área de Psicologia da Educação da Faculdade de Educação na Universidade Federal de Goiás (UFG). Atual coordenadora do curso de Psicologia - Goiânia/UFG.

[1] Matéria completa - Disponível em: <https://canaltech.com.br/comportamento/pesquisa-da-avg-mostra-que-filhos-se-sentem-trocados-pelos-pais-por-smartphones-46113/#ixzz3lpbAsZ4Y>. Acesso em: 12 jun. 2019.


Não é fácil andar à frente

Não é fácil andar à frente

 13/09/2019

O que me move na escrita deste texto hoje é a necessidade de tratar um pouco do desafio que é fazer algo de relevante em um contexto que não quer que isso aconteça. Quando os astros estão a nosso favor não é necessariamente fácil, imagine então se você incomoda por não ficar dentro da caixinha, sendo perfeitamente conivente com o modelo? Tenho reiteradamente tratado deste tema, e percebo que ele ainda me incomoda, e incomoda a muitos outros, ainda bem.


Respeito à diferença e incentivo à argumentação contribuem para o desenvolvimento dos filhos

Respeito à diferença e incentivo à argumentação contribuem para o desenvolvimento dos filhos

 06/09/2019

Discordar abre a possibilidade de se colocar no lugar do outro, de se abrir para uma ideia distinta, para algo que até então a pessoa não tinha pensado, de acordo com especialista.


Brincar e aprender a vida

Brincar e aprender a vida

 06/09/2019

Vivemos atualmente um contexto social em que há excesso de informação circulando e, para toda e qualquer questão, existe receita, padrão, promessas de solução rápida e instantânea. Na criação de filhos(as) isso não é diferente!


Educar exige liberdade e autoridade, mas qual o limite e a diferença entre eles?

Educar exige liberdade e autoridade, mas qual o limite e a diferença entre eles?

 30/08/2019

Na construção da relação familiar, a autoridade nunca pode ser confundida com autoritarismo, assim como a liberdade em excesso também é nociva.


Você conhece a Escola Interamérica?

Você conhece a Escola Interamérica?

 23/08/2019

Que memórias você tem de sua infância na escola? De quais atividades você se recorda?


A aprendizagem como projeto

A aprendizagem como projeto

 23/08/2019

O desenvolvimento do ser humano no planeta Terra é algo que assusta, e é tema recorrente nos mais diversos setores da sociedade. Ainda vivemos uma era de crescimento linear para certos aspectos da vida humana, mas certamente vários destes aspectos crescem de maneira exponencial, em velocidade difícil de se imaginar. As possibilidades de nosso cérebro, que saiu das cavernas e chegou à Lua, ainda estão envoltas em muitos mistérios.


A difícil “arte” de escolher

A difícil “arte” de escolher

 16/08/2019

A vida adulta é carregada de tarefas e obrigações. Temos deveres intermináveis (de nos sustentar, em primeiro lugar, de pagar os impostos, contas do mês, organizar as refeições para nós e nossos familiares, trabalhar, cuidar da casa, dos filhos etc) e, a cada dia, vamos colocando mais metas e obrigações em nossas listas de coisas a fazer, ora escolhidas por nós, conscientemente, ora determinadas pela vida e o contexto que vivemos (devemos fazer atividade física, estarmos conectados às mais diversas informações, estudarmos constantemente e tantas outras coisas que “devemos”).


O futuro é hoje: os 16 hábitos da mente na educação

O futuro é hoje: os 16 hábitos da mente na educação

 16/08/2019

Para acompanhar mudanças e ensinar os futuros profissionais prosperar em um mundo volátil, incerto, complexo e ambíguo (do acrônimo em inglês VUCA) — além de cada dia mais conectado e, ao mesmo tempo, fragmentado —, a educação precisa mudar. E ela já mudou. O conhecimento de conteúdos acadêmicos ainda é e sempre será importante, mas as habilidades socioemocionais estão hoje no centro da revolução que ocorre na educação.


Volta às aulas

Volta às aulas

 09/08/2019

Iniciamos o segundo semestre de 2019 trazendo em nossas bagagens muitos estudos, leituras e reflexões sobre como fazer da escola um espaço cada vez mais amplo de convivência e de troca de experiências que, certamente, favorecerão o desenvolvimento de hábitos mentais. Esses hábitos contribuem para a potencialização do pensamento complexo, que analisa os conhecimentos de forma contextualizada, integrada, abrangente  e completa, deixando de lado a visão fragmentada que ora nos foi apresentada.


Muitas conquistas, trabalho e estudo: assim chegamos ao final do primeiro semestre

Muitas conquistas, trabalho e estudo: assim chegamos ao final do primeiro semestre

 28/06/2019

Olhando para os meses que já se passaram este ano, podemos afirmar que a escola Interamérica trabalhou intensamente, desenvolvendo em nossos alunos inúmeras habilidades que darão estrutura para que possam atuar de forma competente no mundo que está posto.