Comunicação

Lidando com um adolescente através da Comunicação Não Violenta (CNV)

Publicado em : 26/10/2018

 

"Lidando com um adolescente através da Comunicação Não Violenta (CNV)"               

           

 

por Conexão Teen 

 

No centro de toda a raiva está uma necessidade que não está sendo satisfeita.

Marshall B Rosenberg.

 

 

O adolescente, diferente da criança, pode não demonstrar facilmente aquilo que sente, nem falar de seus conflitos, tristezas e frustrações. E esse comportamento torna desafiador para a família compreender as emoções do jovem e lidar com elas, em especial quando não existe ou há pouco diálogo familiar.

Dentre inúmeras ferramentas ou meios de lidar com as emoções dos adolescentes, trouxemos aqui, para contribuir com a harmonia familiar, a COMUNICAÇÃO NÃO VIOLENTA (CNV), uma abordagem proposta pelo psicólogo americano Marshall B. Rosenberg.

A Comunicação Não Violenta essencialmente busca a pacificação de uma guerra cotidiana, já que nos habituamos a expressar o que queremos de forma impositiva e desatenta. É muito comum as pessoas expressarem certo tédio, tristeza, raiva ou frieza no dia-a-dia, sem notar que cultivam uma nociva desconexão e lentamente passam a não ver sentido em suas conversas, encontros e eventos sociais.

A CNV busca, de uma forma geral, resgatar valores e a capacidade que todo ser humano tem de se expressar com honestidade e empatia; passamos a ser capazes de dar respostas conscientes que traduzem realmente o que almejamos, sentimos e desejamos mesmo em condições adversas.

Segue os componentes principais necessários à comunicação não violenta:

OBSERVAÇÃO: observar sem avaliar ou julgar. Quando observamos desta forma, damos espaço para compreender de fato a necessidade do outro, o que ele tem a nos dizer, sem interferência. Quando a nossa comunicação é acompanhada por uma avaliação, um julgamento, aumentamos a distância entre nós e outro; com isso, em vez de compressão, percebe-se como crítica, julgamento ou imposição, e normalmente o adolescente apenas reage ou resiste a esta avaliação.

IDENTIFICAÇÃO: identificar como nos sentimos quando observamos uma ação. Afirme o sentimento que a observação lhe desperta e escute o que o outro está sentindo. Nomear a emoção, sem julgamento moral, permite que os interlocutores se conectem e tenham respeito mútuo.

NECESSIDADES: perceber e atender as nossas necessidades, compreendendo que temos também responsabilidade pelo que fazemos, bem como pelos sentimentos gerados por nossas ações.

PEDIDO: está relacionado com as nossas necessidades e com o “como” elas podem ser atendidas quando aprendemos a comunicá-las adequadamente. Quantas vezes em casa, pedimos ou expressamos algo que estamos observando, sentindo e precisando, e no final não obtemos o resultado esperado?

Na CNV o foco é dizer ou expressar o que se deseja e não o que não se deseja, e assim deixar mais claro aquilo que queremos. Exemplo do cotidiano:

Mãe: _ “Não chegue tarde em casa hoje”,

Pai: _ “Saia deste celular”

Segundo a CNV, uma maneira efetiva e assertiva é dizer o que realmente queremos, exemplo:

Mãe: _ “Gostaria que você ficasse mais tempo em casa, porque, eu sinto sua falta”.

Pai: _ “Gostaria que você deixasse um pouco seu celular e passasse mais tempo conversando com a nossa família”.

Para existir a Comunicação Não Violenta (CNV) não é preciso que a pessoa com que estamos comunicando também queira praticar a CNV, apenas que você esteja motivado a se comunicar compassivamente. É preciso apenas uma pessoa alinhada a esses princípios, motivada a dar e a receber a linguagem da compaixão para que o outro interlocutor, percebendo a intenção de quem dirige a fala, acabe também se unindo a esse processo.

Por isto, seja você a mudança que você quer no mundo!! Plante no coração das pessoas ao seu redor, a semente da Comunicação Não Violenta e vamos todos colher seus frutos.

 

 

 

 


Muitas conquistas, trabalho e estudo: assim chegamos ao final do primeiro semestre

Muitas conquistas, trabalho e estudo: assim chegamos ao final do primeiro semestre

 28/06/2019

Olhando para os meses que já se passaram este ano, podemos afirmar que a escola Interamérica trabalhou intensamente, desenvolvendo em nossos alunos inúmeras habilidades que darão estrutura para que possam atuar de forma competente no mundo que está posto.


As férias e um mito: tempo de reflexão

As férias e um mito: tempo de reflexão

 28/06/2019

Gosto muito de épicos, e gosto em particular de Mitologia Grega. Uma das histórias que mais gosto é a de Cronos, deus do tempo. Quando eu era criança fiquei muito impressionado quando li pela primeira vez “Os doze trabalhos de Hércules”, produção de Monteiro Lobato. A partir daí expandi minhas leituras, até conhecer os Titãs (não a banda...). Cronos, Hades, Poseidon... cada um deles com personalidade forte, como é característico de todos, e me encantei, em particular, ao começar a entender como uma história era conectada à outra, como um personagem era ligado a outro.


Mãe, larga esse celular!

Mãe, larga esse celular!

 14/06/2019

Quantas horas os dispositivos móveis (Whatsapp, redes sociais, Instagram, Snapchat, etc) têm roubado do nosso tempo por dia? Será que parte desse tempo não é aquele de que tanto reclamamos do “não tenho tempo de ficar com meu filho?" Será que precisamos mesmo estar tão conectados?


Como falar sobre saúde mental com seus filhos

Como falar sobre saúde mental com seus filhos

 07/06/2019

Depressão, ansiedade e outras doenças mentais podem ser assuntos difíceis de tratar com as crianças, mas iniciar cedo essa conversa pode ajudá-los a garantir uma boa saúde mental.


Comunicação: a melhor coisa que você pode fazer por seus filhos

Comunicação: a melhor coisa que você pode fazer por seus filhos

 31/05/2019

Dizer que é importante conversar com uma criança em fase de desenvolvimento não é contar nenhuma novidade. A comunicação é, sem dúvida, uma das habilidades mais necessárias para os seres humanos, e incentivá-la desde a infância tem sido prática constante entre pais e cuidadores. Contudo, segundo um grupo de pesquisadores da Universidade Harvard e do MIT, dois centros de pesquisa de ponta nos Estados Unidos, não é qualquer tipo de comunicação que faz a diferença.


7 dicas para motivar os estudos dos filhos adolescentes

7 dicas para motivar os estudos dos filhos adolescentes

 31/05/2019

Como motivar os estudos dos adolescentes? Na prática (e na maioria das vezes), essa motivação não surge sozinha. Os pais são responsáveis por girar as engrenagens, despertando os filhos para a importância e o prazer dos estudos. Neste texto, vamos apresentar 7 ótimas dicas para que você consiga motivar os estudos do seu filho, ajudando-o a pavimentar o caminho para um futuro brilhante. Confira!


Novos olhares para o mau comportamento

Novos olhares para o mau comportamento

 17/05/2019

Estudar é uma prática constante entre os educadores na nossa escola. A cada demanda, contexto, anseios e problematizações buscamos nos estudos, na literatura e nos especialistas de cada área do conhecimento, o respaldo teórico para nortear e refletir sobre nossas práticas.


Saber lidar com os próprios sentimentos é uma lição que deve ser ensinada às crianças

Saber lidar com os próprios sentimentos é uma lição que deve ser ensinada às crianças

 17/05/2019

O grande problema na sociedade em que vivemos é que tanto crianças quanto adultos nem sempre encontram acolhimento para suas emoções. Sentimentos considerados negativos, como raiva, medo, ciúme e a própria tristeza, parecem não ter espaço em um mundo onde as pessoas não podem desperdiçar o tempo e há um imperativo para ser feliz e bem-resolvido o tempo todo. Além disso, a questão de gênero naturalmente impõe alguns padrões sobre como meninos e meninas devem lidar com seus sentimentos. Enquanto eles são encorajados a reagir com a agressividade, elas são incentivadas ao choro e à melancolia, mas sem reação. E isso começa cedo. Uma pesquisa publicada no periódico Behavioral Neuroscience, da Associação Americana de Psicologia, constatou que pais de meninas respondem mais às demandas emocionais das filhas, quando elas choram ou chamam por eles, do que os pais de meninos fazem com seus filhos. Possivelmente, porque há uma tolerância maior aos sentimentos delas.


A importância da construção dos valores para gerar transformação

A importância da construção dos valores para gerar transformação

 10/05/2019

O desenvolvimento socioemocional tem sido cada vez mais relevante nos debates internacionais sobre Educação. Parece que, finalmente, o mundo percebeu que o foco da escolarização em habilidades instrumentais e conhecimentos acadêmicos não o livrou das escolhas egoístas que levam à degradação social e ambiental.


A família e a educação emocional - Três dicas fundamentais para a preparação emocional dos filhos

A família e a educação emocional - Três dicas fundamentais para a preparação emocional dos filhos

 10/05/2019

Quando os pais deixam de criticar e/ou menosprezar e/ou desviar os filhos do que sentem, eles são capazes de se abrir e a emoção por trás do comportamento fica clara, esse movimento ajuda os pais a compreenderem o que de fato está acontecendo, ao mesmo tempo em que ajuda os filhos a confiarem mais nos pais e a vê-los como aliados - alguém com quem possam contar e pedir ajuda quando necessário.