Comunicação

“Eu tenho a força!”

Publicado em : 28/02/2020

 

“Eu tenho a força!”

 

por Flaviane Montes *

 

Há muito tempo não tinha a oportunidade de fazer uma criança dormir em minha casa. Meu único filho é um jovem adulto e não mora mais conosco... Assim, contento-me em aguardar o dia em que será possível ter meu netinho ocupando seu quarto em minha casa para então poder viver a experiência de cuidar mais de perto de uma criança, e fazê-la dormir, como acontecia com meu filhote.

 

Em uma das noites do feriado de carnaval tive a chance de brincar de acampamento montando uma grande cabana de lençol na sala, de dançar e cantar como a princesa Elsa, de experimentar sopas mágicas que sempre tinham algo a melhorar (enquanto os cozinheiros, eu e o tio “Fael”, terminávamos o jantar), de ajudar no banho e na troca de roupas a uma criança. Ao vir para minha casa, pela primeira vez, para dormir, minha sobrinha de 4 anos, me trouxe sua alegria contagiante, sua perspicácia nas perguntas e na argumentação para suas escolhas, além de me encantar com o nosso momento de leitura antes de dormir. É esse breve momento que quero compartilhar com vocês.

Nonora, como carinhosamente eu a chamo, é uma criança semelhante à maioria das que nós conhecemos. Além de todas as fantasias que as brincadeiras e os brinquedos podem lhe proporcionar, também gosta do que a TV e os desenhos animados trazem em suas cores e sons. Ama ser ofertada a um celular para acessar (sozinha!) os vídeos que muitos de nós, adultos sem filhos pequenos, nem imaginamos que existem. Memoriza facilmente os bordões, as canções e as falas dos personagens, sejam eles adequados ou não.

Na noite em questão, Nonora estava bastante cansada de um dia de muita diversão. Após o jantar, o banho quentinho, de ser besuntada de creme perfumado e de vestir sua camisola de Moana, essa mocinha deitou-se na cama preparada para uma noite agradável e revelou com seus olhos arregalados e um sussurro, sentir medo da noite. Dizia que vampiros e bruxas poderiam aparecer, mas... que ela os enfrentaria, mataria a todos e mostraria o quanto é forte (daí fazia o gesto com os braços para mostrar que tem músculos e, por isso, tem muita força!).

Fiquei feliz por ver que, mesmo tão pequena, Nonora se sentia empoderada para lutar contra o que lhe pudesse fazer mal. “Ou então...” pensei por um instante: “Ela não quer que eu me preocupe com ela... Não quer que eu perca o encantamento que sinto por ela ao vê-la tão frágil...”. Entretanto, ela pediu ajuda. Ela compartilhou sua angústia. “Poxa vida”, retomei: “está longe dos pais e do irmão, dormindo, pela primeira vez em minha casa e sente medos. Então, a força tem que estar comigo!” Imediatamente, como que de um salto, peguei um livro que não tinha tido a oportunidade de mostrar-lhe ainda: How do I love you? de Marion Dane Bauer. A personagem, uma menina pequena de cabelos loiros encaracolados, assim como Nonora, é apresentada ao amor por várias metáforas. “Como o sol ama os dias azuis brilhantes, como uma abelha ama a fragrância de uma flor, como um pássaro ama cantar uma canção, como a lua ama cada estrela que brilha no céu...” são algumas das formas de amor apresentadas pelas páginas coloridas do livro.

Ao ler o livro, traduzindo seu texto para português e apresentando as ilustrações, senti que minha pequena se aninhava ainda mais próxima a mim, sorria de canto de boca e me fazia perguntas:

__ Essa aí sou eu?! - Foi a melhor delas, quando viu a imagem da personagem pela primeira vez.

Mas ela também disse:

__ Olha, titia, a lua aparece de noite! Então, aí tá de noite, tá escuuuuuro... e ela tá sozinha... .

Eu lhe respondi:

__ Sim, está à noite, tem a lua e muitas estrelas e, veja só, Nonora: ela não está sozinha... Ela tem um coelhinho nos braços. E... veja, ela está sorrindo!

Fechei o livro, pois era a sua última página. Nonora sorriu. Me pediu para cantar para ela e, em menos de um minuto (juro!), ela dormiu.

Olhei para ela, tão pequena e indefesa, cheia de sonhos, de fantasias, de forças, de vida e me alegrei. Por ela e por mim. O curso daquela noite foi alterado. Ela dormiu bem e eu também.

E você, tem tido a chance de ser a força que seu(sua) filho(a), sobrinho(a), neto(a), afilhado(a) precisa? O poder não está em apenas ler um livro para cumprir um ritual, o que não deixa de ter o seu valor, mas sim, no escutar, no olhar, no perceber, no notar e no agir diante de uma situação em que você, caro adulto, pode ser o(a) herói(heroína) de uma criança. A força está em declarar o amor por meio de uma atitude de parar e dar ao outro o que ele(ela) está precisando receber. A força, aliás, está no amor.

Você tem a força!

 

*Flaviane Montes é Educadora, Coordenadora Pedagógica da Equipe de Inglês, Gestora de Desenvolvimento e Currículo da Interamérica Ampliada, Unidade 1, mãe de Felipe Alef, “bobó” (vovó) de Noah (Nonô) e titia de Eleonora (Nonora).


O processo educacional em tempos de pandemia

O processo educacional em tempos de pandemia

 19/03/2021

Diferentes olhares aos diferentes atores que compõem o processo educacional, em tempos de pandemia, se fazem necessários, para que o ensino e a aprendizagem se efetivem ao longo deste contexto.


A falta que a escola presencial faz…

A falta que a escola presencial faz…

 20/11/2020

Os estudos afirmam que o ser humano se torna humano na relação com outros humanos. Isto ocorre por meio do contato dos familiares com o bebê, que vai se constituindo como um sujeito de desejo, aprendendo mais sobre si e sobre o outro num processo contínuo de estruturação e reestruturação. Sem o olhar, o toque e a fala que a princípio embalam e marcam o corpo frágil do bebê, o desenvolvimento ficaria seriamente comprometido.


Escola Interamérica, Uma Escola Viva

Escola Interamérica, Uma Escola Viva

 26/06/2020

Saímos todos da nossa zona de conforto e tivemos que nos readaptar à nova realidade imposta. Cada um sentiu e viveu esse período de diferentes maneiras, não é mesmo? E, gradativamente, os medos foram se transformando. Das dúvidas e angústias, nasceram  possibilidades e certezas.


Avaliação da aprendizagem em aulas não presenciais

Avaliação da aprendizagem em aulas não presenciais

 29/05/2020

Todos nós já ouvimos falar bastante sobre este assunto, e certamente temos algum tipo de “opinião” sobre ele, ainda que muitos não tenham estudado formalmente algo voltado para o tema.


A “romantização” do isolamento social em casa

A “romantização” do isolamento social em casa

 11/05/2020

Estamos todos no mesmo barco? Não. Na verdade nunca estivemos, e agora, mais do que nunca, não estamos. Se há algo em comum que nos interliga nesse tempo de pandemia é o fato de estarmos imersos no cenário que é a nossa casa, na realidade das nossas relações interpessoais, nas diferentes rotinas de cada um, nos diferentes modos de se viver esse tempo, nas diferentes estratégias de lidar com o isolamento social.


Rosely Sayão: “Educar é apresentar a vida e não dizer como viver”

Rosely Sayão: “Educar é apresentar a vida e não dizer como viver”

 13/03/2020

Educar não é fácil, muito menos nos tempos atuais. A sociedade tem passado por muitas transformações, e os pais se veem, tantas vezes, completamente perdidos. É o que evidencia a psicóloga Rosely Sayão em seu recém-lançado livro Educação sem blá-blá-blá (Ed. Três Estrelas, 2016).


Entrada na adolescência

Entrada na adolescência

 06/03/2020

A entrada na adolescência traz grandes desafios para a família e para os indivíduos. Entendemos, enquanto escola, que é muito importante para as famílias conhecer as principais transformações para que esse período tão importante da vida seja vivido de forma saudável para toda família. O texto a seguir traz contribuições importantes.


Diversidade

Diversidade

 28/02/2020

Pensando na escola como um ambiente onde se reúne a maior diversidade durante um considerável tempo (e não é apenas pelos critérios de afinidades), também como um espaço privilegiado de construção de conhecimento e interação social, chegamos à conclusão de que valores como respeito, empatia, solidariedade, colaboração, ética, dentre outros, não podem ficar fora do que entendemos por “educação integral” dos sujeitos.


Tarefa de casa em família: um momento de aprendizado para todos

Tarefa de casa em família: um momento de aprendizado para todos

 21/02/2020

Após chegar da escola, é normal que seu filho esteja cansado para realizar as tarefas escolares. É exatamente por isso...


Adolescência em questão

Adolescência em questão

 21/02/2020

Falta de sono na hora de dormir, sono demais na hora de levantar, preguiça para realização de tarefas de casa, preguiça para leitura, tempo em excesso nos eletrônicos, conflitos com a família, quarto sempre desarrumado. Se você é mãe, pai ou responsável de um pré-adolescente/adolescente, você provavelmente já presenciou pelo menos uma das situações acima. Não se assuste porque a grande maioria desses “sintomas” é natural, porém passageira.