Comunicação

Como falar sobre saúde mental com seus filhos

Publicado em : 07/06/2019

 

 

Como falar sobre saúde mental com seus filhos

 

 

por Sempre Família*

 

Assim como com qualquer outra doença do corpo, conversar com os filhos sobre as doenças mentais é necessário, mas, nada fácil, porque ninguém quer expor as crianças a assuntos complicados como depressão e ansiedade. Acontece que, quanto mais cedo você começar a conversar com seu filho sobre saúde mental, mais ele se sentirá à vontade para falar sobre suas próprias preocupações, e o mal poderá ser cortado pela raiz.

Em entrevista ao site Today’s Parent, a promotora de saúde mental na Associação de Saúde Mental do Canadá, Jill Dennison, explica que as crianças devem entender que cuidar bem dessa área da saúde significa ter um equilíbrio na vida, e que esse equilíbrio é diferente para cada um. Ter contato com essas informações enquanto ainda são bem novos pode ajudá-los a reconhecer aquilo que está desequilibrado em suas vidas e, assim, encontrarem seu próprio ritmo.

“A saúde mental afeta a todos nós, não importa a idade. Se temos um cérebro, temos saúde mental e essa é uma boa forma de falar sobre isso com as crianças”, explica Jill sem deixar de orientar que é importante abordar o assunto tratando-o como saúde mental e não doença mental.

Aqui estão algumas dicas de especialistas que podem ajudá-lo a continuar essa conversa.

 

Traga o assunto à tona

Se você não sabe como começar essa conversa com seu filho e está se sentindo inseguro, encontrar situações relacionadas a isso na vida cotidiana pode ajudá-lo. Um filme que mostra a história de um personagem com desafios de saúde mental pode ser um bom ponto de partida. Na escola, as crianças ouvem brincadeiras com todos os tipos de estereótipos, portanto, se você ouvir seu filho ou seus amigos usando um termo depreciativo como “louco”, use esse momento como uma maneira de começar a conversa. Uma obra de arte que retrata as emoções e cause o interesse de seu filho também é uma ótima oportunidade. Até mesmo um incidente com algum membro da família que tenha algum problema nessa área pode ser usado como uma oportunidade de aprofundar o assunto: comece perguntando como seu filho se sente quanto a isso e, depois, deixe a conversar fluir.

 

Encontre as palavras certas

Para falar sobre qualquer assunto, você precisa encontrar a linguagem apropriada para a idade de seu filho. Criar a narrativa sobre saúde mental em cima de uma situação próxima é sempre a melhor forma. É importante, também, que as crianças saibam que não existe pergunta estúpida, assim eles não ficarão receosos de falar sobre o assunto. Ouça-os sempre sem nenhum tipo de julgamento e dê a eles a oportunidade de expressar o que estão sentindo.

Encontre maneiras de explicar ao seu filho que uma doença no cérebro não é diferente de uma doença no corpo, como o câncer, por exemplo. Ao fazer essa comparação, as crianças podem entender melhor como um membro da família está passando por uma doença específica e como elas podem ser tratadas e ajudadas para ficarem bem.

 

Adapte as explicações à sua idade

Nunca é cedo para começar essa conversa, mas é claro que a forma como você irá conversar com seu filho de 13 anos será diferente de como abordará o assunto com seu filho de apenas três. “Não sobrecarregue crianças pequenas com estatísticas e definições”, afirma Jill. Ao falar sobre depressão, por exemplo, você pode explicar a seu filho que todos nós nos sentimos tristes algumas vezes na vida, mas que a depressão é quando essa tristeza começa a interferir na nossa vida diariamente e se torna esmagadora, durando um longo período de tempo. Use palavras que ele compreenda bem, mas não sinta que precisa minimizar nada.

 

Seja honesto sobre a realidade do suicídio

Quando o pior acontece e um ente querido morre por suicídio, muitos pais sentem o impulso de proteger as crianças dessa notícia. Mas para os especialistas, conversar com calma sobre o ocorrido com as crianças que têm idade suficiente para entender a morte, pode ajudar a minimizar o medo. “Seja honesto sobre o fato de que foi um suicídio, mas deixe claro que a criança não foi responsável e nem poderia ter impedido isso”, alerta Jill. Falar sobre isso abrirá a porta para uma relação positiva de confiança e entendimento entre você e seu filho. Através dessa abertura, ele saberá que você é acessível para falar também sobre as coisas ruins que acontecem e que, principalmente, você estará lá para ajudá-lo.

 

Disponível em: <https://www.semprefamilia.com.br/como-falar-sobre-saude-mental-com-seus-filhos/>. Acesso em: 7 jun. 2019.

 


Não é fácil andar à frente

Não é fácil andar à frente

 13/09/2019

O que me move na escrita deste texto hoje é a necessidade de tratar um pouco do desafio que é fazer algo de relevante em um contexto que não quer que isso aconteça. Quando os astros estão a nosso favor não é necessariamente fácil, imagine então se você incomoda por não ficar dentro da caixinha, sendo perfeitamente conivente com o modelo? Tenho reiteradamente tratado deste tema, e percebo que ele ainda me incomoda, e incomoda a muitos outros, ainda bem.


Respeito à diferença e incentivo à argumentação contribuem para o desenvolvimento dos filhos

Respeito à diferença e incentivo à argumentação contribuem para o desenvolvimento dos filhos

 06/09/2019

Discordar abre a possibilidade de se colocar no lugar do outro, de se abrir para uma ideia distinta, para algo que até então a pessoa não tinha pensado, de acordo com especialista.


Brincar e aprender a vida

Brincar e aprender a vida

 06/09/2019

Vivemos atualmente um contexto social em que há excesso de informação circulando e, para toda e qualquer questão, existe receita, padrão, promessas de solução rápida e instantânea. Na criação de filhos(as) isso não é diferente!


Educar exige liberdade e autoridade, mas qual o limite e a diferença entre eles?

Educar exige liberdade e autoridade, mas qual o limite e a diferença entre eles?

 30/08/2019

Na construção da relação familiar, a autoridade nunca pode ser confundida com autoritarismo, assim como a liberdade em excesso também é nociva.


Você conhece a Escola Interamérica?

Você conhece a Escola Interamérica?

 23/08/2019

Que memórias você tem de sua infância na escola? De quais atividades você se recorda?


A aprendizagem como projeto

A aprendizagem como projeto

 23/08/2019

O desenvolvimento do ser humano no planeta Terra é algo que assusta, e é tema recorrente nos mais diversos setores da sociedade. Ainda vivemos uma era de crescimento linear para certos aspectos da vida humana, mas certamente vários destes aspectos crescem de maneira exponencial, em velocidade difícil de se imaginar. As possibilidades de nosso cérebro, que saiu das cavernas e chegou à Lua, ainda estão envoltas em muitos mistérios.


A difícil “arte” de escolher

A difícil “arte” de escolher

 16/08/2019

A vida adulta é carregada de tarefas e obrigações. Temos deveres intermináveis (de nos sustentar, em primeiro lugar, de pagar os impostos, contas do mês, organizar as refeições para nós e nossos familiares, trabalhar, cuidar da casa, dos filhos etc) e, a cada dia, vamos colocando mais metas e obrigações em nossas listas de coisas a fazer, ora escolhidas por nós, conscientemente, ora determinadas pela vida e o contexto que vivemos (devemos fazer atividade física, estarmos conectados às mais diversas informações, estudarmos constantemente e tantas outras coisas que “devemos”).


O futuro é hoje: os 16 hábitos da mente na educação

O futuro é hoje: os 16 hábitos da mente na educação

 16/08/2019

Para acompanhar mudanças e ensinar os futuros profissionais prosperar em um mundo volátil, incerto, complexo e ambíguo (do acrônimo em inglês VUCA) — além de cada dia mais conectado e, ao mesmo tempo, fragmentado —, a educação precisa mudar. E ela já mudou. O conhecimento de conteúdos acadêmicos ainda é e sempre será importante, mas as habilidades socioemocionais estão hoje no centro da revolução que ocorre na educação.


Volta às aulas

Volta às aulas

 09/08/2019

Iniciamos o segundo semestre de 2019 trazendo em nossas bagagens muitos estudos, leituras e reflexões sobre como fazer da escola um espaço cada vez mais amplo de convivência e de troca de experiências que, certamente, favorecerão o desenvolvimento de hábitos mentais. Esses hábitos contribuem para a potencialização do pensamento complexo, que analisa os conhecimentos de forma contextualizada, integrada, abrangente  e completa, deixando de lado a visão fragmentada que ora nos foi apresentada.


Muitas conquistas, trabalho e estudo: assim chegamos ao final do primeiro semestre

Muitas conquistas, trabalho e estudo: assim chegamos ao final do primeiro semestre

 28/06/2019

Olhando para os meses que já se passaram este ano, podemos afirmar que a escola Interamérica trabalhou intensamente, desenvolvendo em nossos alunos inúmeras habilidades que darão estrutura para que possam atuar de forma competente no mundo que está posto.