Comunicação

Como falar sobre saúde mental com seus filhos

Publicado em : 07/06/2019

 

 

Como falar sobre saúde mental com seus filhos

 

 

por Sempre Família*

 

Assim como com qualquer outra doença do corpo, conversar com os filhos sobre as doenças mentais é necessário, mas, nada fácil, porque ninguém quer expor as crianças a assuntos complicados como depressão e ansiedade. Acontece que, quanto mais cedo você começar a conversar com seu filho sobre saúde mental, mais ele se sentirá à vontade para falar sobre suas próprias preocupações, e o mal poderá ser cortado pela raiz.

Em entrevista ao site Today’s Parent, a promotora de saúde mental na Associação de Saúde Mental do Canadá, Jill Dennison, explica que as crianças devem entender que cuidar bem dessa área da saúde significa ter um equilíbrio na vida, e que esse equilíbrio é diferente para cada um. Ter contato com essas informações enquanto ainda são bem novos pode ajudá-los a reconhecer aquilo que está desequilibrado em suas vidas e, assim, encontrarem seu próprio ritmo.

“A saúde mental afeta a todos nós, não importa a idade. Se temos um cérebro, temos saúde mental e essa é uma boa forma de falar sobre isso com as crianças”, explica Jill sem deixar de orientar que é importante abordar o assunto tratando-o como saúde mental e não doença mental.

Aqui estão algumas dicas de especialistas que podem ajudá-lo a continuar essa conversa.

 

Traga o assunto à tona

Se você não sabe como começar essa conversa com seu filho e está se sentindo inseguro, encontrar situações relacionadas a isso na vida cotidiana pode ajudá-lo. Um filme que mostra a história de um personagem com desafios de saúde mental pode ser um bom ponto de partida. Na escola, as crianças ouvem brincadeiras com todos os tipos de estereótipos, portanto, se você ouvir seu filho ou seus amigos usando um termo depreciativo como “louco”, use esse momento como uma maneira de começar a conversa. Uma obra de arte que retrata as emoções e cause o interesse de seu filho também é uma ótima oportunidade. Até mesmo um incidente com algum membro da família que tenha algum problema nessa área pode ser usado como uma oportunidade de aprofundar o assunto: comece perguntando como seu filho se sente quanto a isso e, depois, deixe a conversar fluir.

 

Encontre as palavras certas

Para falar sobre qualquer assunto, você precisa encontrar a linguagem apropriada para a idade de seu filho. Criar a narrativa sobre saúde mental em cima de uma situação próxima é sempre a melhor forma. É importante, também, que as crianças saibam que não existe pergunta estúpida, assim eles não ficarão receosos de falar sobre o assunto. Ouça-os sempre sem nenhum tipo de julgamento e dê a eles a oportunidade de expressar o que estão sentindo.

Encontre maneiras de explicar ao seu filho que uma doença no cérebro não é diferente de uma doença no corpo, como o câncer, por exemplo. Ao fazer essa comparação, as crianças podem entender melhor como um membro da família está passando por uma doença específica e como elas podem ser tratadas e ajudadas para ficarem bem.

 

Adapte as explicações à sua idade

Nunca é cedo para começar essa conversa, mas é claro que a forma como você irá conversar com seu filho de 13 anos será diferente de como abordará o assunto com seu filho de apenas três. “Não sobrecarregue crianças pequenas com estatísticas e definições”, afirma Jill. Ao falar sobre depressão, por exemplo, você pode explicar a seu filho que todos nós nos sentimos tristes algumas vezes na vida, mas que a depressão é quando essa tristeza começa a interferir na nossa vida diariamente e se torna esmagadora, durando um longo período de tempo. Use palavras que ele compreenda bem, mas não sinta que precisa minimizar nada.

 

Seja honesto sobre a realidade do suicídio

Quando o pior acontece e um ente querido morre por suicídio, muitos pais sentem o impulso de proteger as crianças dessa notícia. Mas para os especialistas, conversar com calma sobre o ocorrido com as crianças que têm idade suficiente para entender a morte, pode ajudar a minimizar o medo. “Seja honesto sobre o fato de que foi um suicídio, mas deixe claro que a criança não foi responsável e nem poderia ter impedido isso”, alerta Jill. Falar sobre isso abrirá a porta para uma relação positiva de confiança e entendimento entre você e seu filho. Através dessa abertura, ele saberá que você é acessível para falar também sobre as coisas ruins que acontecem e que, principalmente, você estará lá para ajudá-lo.

 

Disponível em: <https://www.semprefamilia.com.br/como-falar-sobre-saude-mental-com-seus-filhos/>. Acesso em: 7 jun. 2019.

 


Boas-vindas e reflexões

Boas-vindas e reflexões

 24/01/2020

Iniciamos mais um ano letivo, mais um período de nossas vidas entrelaçadas por desejos comuns... Iniciemos, então, também com boas-vindas, alegria e muita reflexão.
A todos os pais que compartilham conosco – educadores da Escola Interamérica – da preocupação em oferecer aos filhos/alunos a MELHOR ESCOLA, algumas palavras...


A escola e o desenvolvimento de todos nós

A escola e o desenvolvimento de todos nós

 29/11/2019

O momento de olhar para o que passou e contemplar o que foi feito no período conhecido como 2019 chegou. Neste momento, cabe a nós a tarefa de limpar nossos olhos para podermos observar com clareza nossas conquistas.


Estamos no mês de novembro…

Estamos no mês de novembro…

 29/11/2019

E o cheirinho de despedida está no ar… O fim de ano representa muito crescimento! Crianças deixando mais evidentes suas vozes, seus desenhos, suas primeiras escritas… Umas já nem precisam mais de auxílio para escrever um bilhete, outras continuam pegando no lápis de um jeito bem particular; tem criança pulando corda de olhos fechados, recontando histórias melhor do que a prô e outras superando a timidez para subir ao palco e ajudar o grupo na apresentação… Quanto esforço, quantas conexões, relações e processos para essas descobertas!


Feira Cultural 2019

Feira Cultural 2019

 22/11/2019

Amanhã, dia 23 de novembro, acontecerá mais uma Feira Cultural da Escola Interamérica na Unidade II. Será uma excelente oportunidade para conhecer projetos desenvolvidos ao longo do ano frutos da parceria de toda a nossa comunidade escolar. Será ainda possível vivenciar e apreender saberes construídos através de muito estudo, pesquisas, apresentações, experiências, muita mão na massa e, enfim, dedicação e colaboração.


Como desenvolver bons hábitos de comunicação entre pais e filhos?

Como desenvolver bons hábitos de comunicação entre pais e filhos?

 08/11/2019

Uma comunicação saudável e positiva entre pais e filhos tem influência, por exemplo, na educação, tornando mais fácil para estes compreender e refletir sobre o que lhes é transmitido, em vez de focar em ordens e obediência.
Além disso, a relação e a convivência da família também se tornam mais tranquilas, agradáveis e enriquecedoras, o que favorece o bem-estar de todos.
Pensando nesses pontos, podemos nos perguntar: como praticar uma comunicação saudável em família e criar hábitos para favorecê-la no dia a dia?


Mãe, brinca comigo?

Mãe, brinca comigo?

 01/11/2019

Muitos pais se queixam de que, com a carga de trabalho que têm, quando chegam a casa à noitinha tudo que querem é descanso…


Pontualidade: como ensiná-la aos filhos?

Pontualidade: como ensiná-la aos filhos?

 01/11/2019

Entenda desta forma: seus filhos jamais aprenderão a importância de ser pontual se não vivenciarem esse comportamento em casa.

A teoria é muito bonita e necessária, mas se as crianças percebem que os familiares são indulgentes consigo mesmos em relação ao horário, é provável que reproduzam essa atitude quando adultos.


Relacionamento abusivo entre crianças

Relacionamento abusivo entre crianças

 18/10/2019

De uma mãe preocupada: “Percebo que minha filha de oito anos está estressada com uma amiga da escola que não a deixa em paz: não quer que ela converse com outras meninas, liga várias vezes por dia, ameaça de acabar com a amizade se ela lhe desobedecer. Minha filha gosta dessa menina, mas não gosto de vê-la se submetendo a essas exigências. Não sei bem o que fazer, dá vontade de interferir, mas não sei como”.


Juventude e maturidade

Juventude e maturidade

 18/10/2019

Ser jovem deixou de ser uma etapa da vida para se transformar em um estilo de viver. Isso significa que, quando a criança entra na adolescência, ela passa a se relacionar com adultos iguais a ela, ou seja, tão jovens quanto ela. Na questão educativa, esse é um fato complicador. A adolescência é o tempo de amadurecer, mas, se os pais não ajudarem o filho a entrar na maturidade, ele continuará a agir de modo infantilizado.


Como são os “novos valores” no mundo atual?

Como são os “novos valores” no mundo atual?

 11/10/2019

Faço uma singela reflexão sobre o quão importante é a educação para os sentimentos nos dias atuais. Na escola, ouvimos com frequência pessoas com dúvidas inerentes aos “novos valores” no mundo atual. Ao que se parece...