Comunicação

Como falar sobre saúde mental com seus filhos

Publicado em : 07/06/2019

 

 

Como falar sobre saúde mental com seus filhos

 

 

por Sempre Família*

 

Assim como com qualquer outra doença do corpo, conversar com os filhos sobre as doenças mentais é necessário, mas, nada fácil, porque ninguém quer expor as crianças a assuntos complicados como depressão e ansiedade. Acontece que, quanto mais cedo você começar a conversar com seu filho sobre saúde mental, mais ele se sentirá à vontade para falar sobre suas próprias preocupações, e o mal poderá ser cortado pela raiz.

Em entrevista ao site Today’s Parent, a promotora de saúde mental na Associação de Saúde Mental do Canadá, Jill Dennison, explica que as crianças devem entender que cuidar bem dessa área da saúde significa ter um equilíbrio na vida, e que esse equilíbrio é diferente para cada um. Ter contato com essas informações enquanto ainda são bem novos pode ajudá-los a reconhecer aquilo que está desequilibrado em suas vidas e, assim, encontrarem seu próprio ritmo.

“A saúde mental afeta a todos nós, não importa a idade. Se temos um cérebro, temos saúde mental e essa é uma boa forma de falar sobre isso com as crianças”, explica Jill sem deixar de orientar que é importante abordar o assunto tratando-o como saúde mental e não doença mental.

Aqui estão algumas dicas de especialistas que podem ajudá-lo a continuar essa conversa.

 

Traga o assunto à tona

Se você não sabe como começar essa conversa com seu filho e está se sentindo inseguro, encontrar situações relacionadas a isso na vida cotidiana pode ajudá-lo. Um filme que mostra a história de um personagem com desafios de saúde mental pode ser um bom ponto de partida. Na escola, as crianças ouvem brincadeiras com todos os tipos de estereótipos, portanto, se você ouvir seu filho ou seus amigos usando um termo depreciativo como “louco”, use esse momento como uma maneira de começar a conversa. Uma obra de arte que retrata as emoções e cause o interesse de seu filho também é uma ótima oportunidade. Até mesmo um incidente com algum membro da família que tenha algum problema nessa área pode ser usado como uma oportunidade de aprofundar o assunto: comece perguntando como seu filho se sente quanto a isso e, depois, deixe a conversar fluir.

 

Encontre as palavras certas

Para falar sobre qualquer assunto, você precisa encontrar a linguagem apropriada para a idade de seu filho. Criar a narrativa sobre saúde mental em cima de uma situação próxima é sempre a melhor forma. É importante, também, que as crianças saibam que não existe pergunta estúpida, assim eles não ficarão receosos de falar sobre o assunto. Ouça-os sempre sem nenhum tipo de julgamento e dê a eles a oportunidade de expressar o que estão sentindo.

Encontre maneiras de explicar ao seu filho que uma doença no cérebro não é diferente de uma doença no corpo, como o câncer, por exemplo. Ao fazer essa comparação, as crianças podem entender melhor como um membro da família está passando por uma doença específica e como elas podem ser tratadas e ajudadas para ficarem bem.

 

Adapte as explicações à sua idade

Nunca é cedo para começar essa conversa, mas é claro que a forma como você irá conversar com seu filho de 13 anos será diferente de como abordará o assunto com seu filho de apenas três. “Não sobrecarregue crianças pequenas com estatísticas e definições”, afirma Jill. Ao falar sobre depressão, por exemplo, você pode explicar a seu filho que todos nós nos sentimos tristes algumas vezes na vida, mas que a depressão é quando essa tristeza começa a interferir na nossa vida diariamente e se torna esmagadora, durando um longo período de tempo. Use palavras que ele compreenda bem, mas não sinta que precisa minimizar nada.

 

Seja honesto sobre a realidade do suicídio

Quando o pior acontece e um ente querido morre por suicídio, muitos pais sentem o impulso de proteger as crianças dessa notícia. Mas para os especialistas, conversar com calma sobre o ocorrido com as crianças que têm idade suficiente para entender a morte, pode ajudar a minimizar o medo. “Seja honesto sobre o fato de que foi um suicídio, mas deixe claro que a criança não foi responsável e nem poderia ter impedido isso”, alerta Jill. Falar sobre isso abrirá a porta para uma relação positiva de confiança e entendimento entre você e seu filho. Através dessa abertura, ele saberá que você é acessível para falar também sobre as coisas ruins que acontecem e que, principalmente, você estará lá para ajudá-lo.

 

Disponível em: <https://www.semprefamilia.com.br/como-falar-sobre-saude-mental-com-seus-filhos/>. Acesso em: 7 jun. 2019.

 


Mãe, larga esse celular!

Mãe, larga esse celular!

 14/06/2019

Quantas horas os dispositivos móveis (Whatsapp, redes sociais, Instagram, Snapchat, etc) têm roubado do nosso tempo por dia? Será que parte desse tempo não é aquele de que tanto reclamamos do “não tenho tempo de ficar com meu filho?" Será que precisamos mesmo estar tão conectados?


Comunicação: a melhor coisa que você pode fazer por seus filhos

Comunicação: a melhor coisa que você pode fazer por seus filhos

 31/05/2019

Dizer que é importante conversar com uma criança em fase de desenvolvimento não é contar nenhuma novidade. A comunicação é, sem dúvida, uma das habilidades mais necessárias para os seres humanos, e incentivá-la desde a infância tem sido prática constante entre pais e cuidadores. Contudo, segundo um grupo de pesquisadores da Universidade Harvard e do MIT, dois centros de pesquisa de ponta nos Estados Unidos, não é qualquer tipo de comunicação que faz a diferença.


7 dicas para motivar os estudos dos filhos adolescentes

7 dicas para motivar os estudos dos filhos adolescentes

 31/05/2019

Como motivar os estudos dos adolescentes? Na prática (e na maioria das vezes), essa motivação não surge sozinha. Os pais são responsáveis por girar as engrenagens, despertando os filhos para a importância e o prazer dos estudos. Neste texto, vamos apresentar 7 ótimas dicas para que você consiga motivar os estudos do seu filho, ajudando-o a pavimentar o caminho para um futuro brilhante. Confira!


Novos olhares para o mau comportamento

Novos olhares para o mau comportamento

 17/05/2019

Estudar é uma prática constante entre os educadores na nossa escola. A cada demanda, contexto, anseios e problematizações buscamos nos estudos, na literatura e nos especialistas de cada área do conhecimento, o respaldo teórico para nortear e refletir sobre nossas práticas.


Saber lidar com os próprios sentimentos é uma lição que deve ser ensinada às crianças

Saber lidar com os próprios sentimentos é uma lição que deve ser ensinada às crianças

 17/05/2019

O grande problema na sociedade em que vivemos é que tanto crianças quanto adultos nem sempre encontram acolhimento para suas emoções. Sentimentos considerados negativos, como raiva, medo, ciúme e a própria tristeza, parecem não ter espaço em um mundo onde as pessoas não podem desperdiçar o tempo e há um imperativo para ser feliz e bem-resolvido o tempo todo. Além disso, a questão de gênero naturalmente impõe alguns padrões sobre como meninos e meninas devem lidar com seus sentimentos. Enquanto eles são encorajados a reagir com a agressividade, elas são incentivadas ao choro e à melancolia, mas sem reação. E isso começa cedo. Uma pesquisa publicada no periódico Behavioral Neuroscience, da Associação Americana de Psicologia, constatou que pais de meninas respondem mais às demandas emocionais das filhas, quando elas choram ou chamam por eles, do que os pais de meninos fazem com seus filhos. Possivelmente, porque há uma tolerância maior aos sentimentos delas.


A importância da construção dos valores para gerar transformação

A importância da construção dos valores para gerar transformação

 10/05/2019

O desenvolvimento socioemocional tem sido cada vez mais relevante nos debates internacionais sobre Educação. Parece que, finalmente, o mundo percebeu que o foco da escolarização em habilidades instrumentais e conhecimentos acadêmicos não o livrou das escolhas egoístas que levam à degradação social e ambiental.


A família e a educação emocional - Três dicas fundamentais para a preparação emocional dos filhos

A família e a educação emocional - Três dicas fundamentais para a preparação emocional dos filhos

 10/05/2019

Quando os pais deixam de criticar e/ou menosprezar e/ou desviar os filhos do que sentem, eles são capazes de se abrir e a emoção por trás do comportamento fica clara, esse movimento ajuda os pais a compreenderem o que de fato está acontecendo, ao mesmo tempo em que ajuda os filhos a confiarem mais nos pais e a vê-los como aliados - alguém com quem possam contar e pedir ajuda quando necessário.


Famílias: Urgências e Turbulências

Famílias: Urgências e Turbulências

 03/05/2019

No mês em que comemoramos o Dia Internacional da Família, busquei um texto que pudesse colaborar com as mais variadas famílias com as quais convivemos, a partir dos anseios, medos e inseguranças que compartilham conosco.


Escola como espaço de formar, dialogar e TRANS... FOR... MAR(SE)

Escola como espaço de formar, dialogar e TRANS... FOR... MAR(SE)

 26/04/2019

O ser humano se constitui na relação com outros seres humanos. Vivemos em sociedade, na sociedade somos formados e nela, também, podemos atuar e transformar.


O poder transformador da empatia nas relações humanas

O poder transformador da empatia nas relações humanas

 12/04/2019

A habilidade de aceitar e conviver bem com a diversidade nos torna mais empáticos e tolerantes. É o que vai nos permitir entrar numa sala de reuniões de uma organização transnacional para uma apresentação a ser feita e transmitir a mensagem que queremos de forma adequada para cada membro da plateia. Ser empático não se restringe às pessoas que conhecemos, mas principalmente com os desconhecidos ou mesmo com personalidades antagônicas. Este é um grande esforço que demanda sensibilidade, inteligência emocional e vontade, para se colocar no lugar do outro e experimentar uma nova perspectiva. Esta é uma habilidade que pode ser aprendida, mas que precisa ser diariamente cultivada.