Comunicação

As férias e um mito: tempo de reflexão

Publicado em : 28/06/2019

 

 

As férias e um mito: tempo de reflexão

 

 

por André Mols*

 

Gosto muito de épicos, e gosto em particular de Mitologia Grega. Uma das histórias que mais gosto é a de Cronos, deus do tempo. Quando eu era criança fiquei muito impressionado quando li pela primeira vez “Os doze trabalhos de Hércules”, produção de Monteiro Lobato. A partir daí expandi minhas leituras, até conhecer os Titãs (não a banda...). Cronos, Hades, Poseidon... cada um deles com personalidade forte, como é característico de todos, e me encantei, em particular, ao começar a entender como uma história era conectada à outra, como um personagem era ligado a outro.

Conceitualmente, e de maneira simplista, um mito tem o objetivo de explicar algo para o qual ainda não há explicação conhecida. Pode ser um fenômeno natural (uma de suas principais funções, diga-se de passagem) ou uma situação absolutamente inusitada. Resta, portanto, a necessidade de explicar algo que não entendemos ou não conhecemos. A imaginação fértil do ser humano fica com a responsabilidade de criar uma narrativa que se faça satisfatória para os anseios daqueles que buscam entendimento.

O tempo, dentro de múltiplos assuntos tratados na mitologia, é o protagonista de uma história complexa, e absolutamente atemporal. Segundo consta, Cronos (deus ctônico, de linhagem diferente dos deuses telúricos, como Zeus, por exemplo), devorava todos seus filhos no nascimento, desta maneira garantindo que nenhum deles viria a substituí-lo. No entanto, eventualmente foi substituído por Zeus. Diga-se de passagem que vale muito a leitura. A reflexão que faço, portanto, gira em torno da analogia entre o tempo e sua capacidade simbólica de nos “devorar”.

Ora, entendemos claramente o que isso significa, implicando o passar dos dias, meses e anos, ao longo de nossas vidas. Vale observar que dias, meses e anos, e ainda horas, minutos e segundos, por sua vez, são meros marcadores de fenômenos naturais, vinculados diretamente à Terra enquanto planeta. Basta mencionar o trabalho desenvolvido por Stephen Hawking em torno do buraco negro ou ainda Albert Einstein para entender, mesmo que forçosamente, que o conceito de tempo, assim como o compreendemos, está circunscrito ao nosso planeta.

Voltando aos marcadores temporais, estes servem, muito bem, outro propósito – servem para indicar exatamente quanto tempo passou por entre nossos dedos, e, quem dera, servem ainda como marco importante para reflexões que são sempre necessárias. Estamos, agora, encerrando mais um semestre letivo. Neste grupo de seis meses, vivemos, convivemos, rimos e choramos. Entramos em contato com emoções diversas e, possivelmente, entendemos um pouco mais nossa humanidade.

A escola não pode, de maneira nenhuma, furtar-se diante desta tarefa também. Instituição humana que é, busca, dia após dia, contribuir com o desenvolvimento de inúmeros outros indivíduos que estão vivendo um momento tão especial em suas vidas – a infância e a adolescência. Nestes períodos mágicos, as paradas para reflexão são de enorme valia, na medida em que ajudam o indivíduo a perceber sua trajetória e seu grau de protagonismo e responsabilidade. No limiar das férias de julho, portanto, estamos nós a discutir filosoficamente o que o término do semestre letivo representa para nossa escola, coletivamente.

Penso que significa, em primeiro lugar, a satisfação de acreditar na qualidade do trabalho desenvolvido. Não que este seja perfeito. Não é, e seria outro enorme equívoco acreditar no contrário. É exatamente por entender a impossibilidade da perfeição que caminhamos, todas as manhãs, para este encontro. É por este motivo que vale muito a reflexão sobre o tempo que passou – não por ele ter simplesmente passado, mas para vislumbrarmos como este foi utilizado.

Se acreditamos nos mitos ou não, definitivamente não vem ao caso. A questão realmente não é essa. Fato é que o tempo não nos “devora”, assim como colocado pelo mito. Olhando para os meses que se passaram no ano de 2019, a pergunta que fica é – como quero usar o tempo que tenho nos próximos seis meses, antes do término deste ano? O que aprendi? O que almejo aprender?

Segundo Eduardo Galeano, a utopia serve para nos manter caminhando. Acredito que o passar do tempo também. Podemos dar pequenos passos, ou passos de gigante. A decisão é de cada um. Quanto a mim, recordo-me com frequência de quando conheci Cronos, como agora mesmo, e busco fazer cada segundo valer à pena. Poderia ainda retomar a frase famosa de Fernando Pessoa, mas prefiro, por ora, um poema de Rainer Maria Rilke que me cativou a muito tempo atrás (tradução de José Paulo Paes)

 

A minha vida eu a vivo em círculos crescentes

 

A minha vida eu a vivo em círculos crescentes

sobre as coisas, alto no ar.

Não completarei o último, provavelmente,

mesmo assim irei tentar.

 

Giro à volta de Deus, a torre das idades,

e giro há milênios, tantos...

Não sei ainda o que sou: falcão, tempestade

ou um grande, um grande canto.

 

Boas Férias!

 

*André Mols é Gestor de Desenvolvimento e Currículo da Escola Interamérica - Unidades I e II e músico.


Não é fácil andar à frente

Não é fácil andar à frente

 13/09/2019

O que me move na escrita deste texto hoje é a necessidade de tratar um pouco do desafio que é fazer algo de relevante em um contexto que não quer que isso aconteça. Quando os astros estão a nosso favor não é necessariamente fácil, imagine então se você incomoda por não ficar dentro da caixinha, sendo perfeitamente conivente com o modelo? Tenho reiteradamente tratado deste tema, e percebo que ele ainda me incomoda, e incomoda a muitos outros, ainda bem.


Respeito à diferença e incentivo à argumentação contribuem para o desenvolvimento dos filhos

Respeito à diferença e incentivo à argumentação contribuem para o desenvolvimento dos filhos

 06/09/2019

Discordar abre a possibilidade de se colocar no lugar do outro, de se abrir para uma ideia distinta, para algo que até então a pessoa não tinha pensado, de acordo com especialista.


Brincar e aprender a vida

Brincar e aprender a vida

 06/09/2019

Vivemos atualmente um contexto social em que há excesso de informação circulando e, para toda e qualquer questão, existe receita, padrão, promessas de solução rápida e instantânea. Na criação de filhos(as) isso não é diferente!


Educar exige liberdade e autoridade, mas qual o limite e a diferença entre eles?

Educar exige liberdade e autoridade, mas qual o limite e a diferença entre eles?

 30/08/2019

Na construção da relação familiar, a autoridade nunca pode ser confundida com autoritarismo, assim como a liberdade em excesso também é nociva.


Você conhece a Escola Interamérica?

Você conhece a Escola Interamérica?

 23/08/2019

Que memórias você tem de sua infância na escola? De quais atividades você se recorda?


A aprendizagem como projeto

A aprendizagem como projeto

 23/08/2019

O desenvolvimento do ser humano no planeta Terra é algo que assusta, e é tema recorrente nos mais diversos setores da sociedade. Ainda vivemos uma era de crescimento linear para certos aspectos da vida humana, mas certamente vários destes aspectos crescem de maneira exponencial, em velocidade difícil de se imaginar. As possibilidades de nosso cérebro, que saiu das cavernas e chegou à Lua, ainda estão envoltas em muitos mistérios.


A difícil “arte” de escolher

A difícil “arte” de escolher

 16/08/2019

A vida adulta é carregada de tarefas e obrigações. Temos deveres intermináveis (de nos sustentar, em primeiro lugar, de pagar os impostos, contas do mês, organizar as refeições para nós e nossos familiares, trabalhar, cuidar da casa, dos filhos etc) e, a cada dia, vamos colocando mais metas e obrigações em nossas listas de coisas a fazer, ora escolhidas por nós, conscientemente, ora determinadas pela vida e o contexto que vivemos (devemos fazer atividade física, estarmos conectados às mais diversas informações, estudarmos constantemente e tantas outras coisas que “devemos”).


O futuro é hoje: os 16 hábitos da mente na educação

O futuro é hoje: os 16 hábitos da mente na educação

 16/08/2019

Para acompanhar mudanças e ensinar os futuros profissionais prosperar em um mundo volátil, incerto, complexo e ambíguo (do acrônimo em inglês VUCA) — além de cada dia mais conectado e, ao mesmo tempo, fragmentado —, a educação precisa mudar. E ela já mudou. O conhecimento de conteúdos acadêmicos ainda é e sempre será importante, mas as habilidades socioemocionais estão hoje no centro da revolução que ocorre na educação.


Volta às aulas

Volta às aulas

 09/08/2019

Iniciamos o segundo semestre de 2019 trazendo em nossas bagagens muitos estudos, leituras e reflexões sobre como fazer da escola um espaço cada vez mais amplo de convivência e de troca de experiências que, certamente, favorecerão o desenvolvimento de hábitos mentais. Esses hábitos contribuem para a potencialização do pensamento complexo, que analisa os conhecimentos de forma contextualizada, integrada, abrangente  e completa, deixando de lado a visão fragmentada que ora nos foi apresentada.


Muitas conquistas, trabalho e estudo: assim chegamos ao final do primeiro semestre

Muitas conquistas, trabalho e estudo: assim chegamos ao final do primeiro semestre

 28/06/2019

Olhando para os meses que já se passaram este ano, podemos afirmar que a escola Interamérica trabalhou intensamente, desenvolvendo em nossos alunos inúmeras habilidades que darão estrutura para que possam atuar de forma competente no mundo que está posto.