Comunicação

As férias e um mito: tempo de reflexão

Publicado em : 28/06/2019

 

 

As férias e um mito: tempo de reflexão

 

 

por André Mols*

 

Gosto muito de épicos, e gosto em particular de Mitologia Grega. Uma das histórias que mais gosto é a de Cronos, deus do tempo. Quando eu era criança fiquei muito impressionado quando li pela primeira vez “Os doze trabalhos de Hércules”, produção de Monteiro Lobato. A partir daí expandi minhas leituras, até conhecer os Titãs (não a banda...). Cronos, Hades, Poseidon... cada um deles com personalidade forte, como é característico de todos, e me encantei, em particular, ao começar a entender como uma história era conectada à outra, como um personagem era ligado a outro.

Conceitualmente, e de maneira simplista, um mito tem o objetivo de explicar algo para o qual ainda não há explicação conhecida. Pode ser um fenômeno natural (uma de suas principais funções, diga-se de passagem) ou uma situação absolutamente inusitada. Resta, portanto, a necessidade de explicar algo que não entendemos ou não conhecemos. A imaginação fértil do ser humano fica com a responsabilidade de criar uma narrativa que se faça satisfatória para os anseios daqueles que buscam entendimento.

O tempo, dentro de múltiplos assuntos tratados na mitologia, é o protagonista de uma história complexa, e absolutamente atemporal. Segundo consta, Cronos (deus ctônico, de linhagem diferente dos deuses telúricos, como Zeus, por exemplo), devorava todos seus filhos no nascimento, desta maneira garantindo que nenhum deles viria a substituí-lo. No entanto, eventualmente foi substituído por Zeus. Diga-se de passagem que vale muito a leitura. A reflexão que faço, portanto, gira em torno da analogia entre o tempo e sua capacidade simbólica de nos “devorar”.

Ora, entendemos claramente o que isso significa, implicando o passar dos dias, meses e anos, ao longo de nossas vidas. Vale observar que dias, meses e anos, e ainda horas, minutos e segundos, por sua vez, são meros marcadores de fenômenos naturais, vinculados diretamente à Terra enquanto planeta. Basta mencionar o trabalho desenvolvido por Stephen Hawking em torno do buraco negro ou ainda Albert Einstein para entender, mesmo que forçosamente, que o conceito de tempo, assim como o compreendemos, está circunscrito ao nosso planeta.

Voltando aos marcadores temporais, estes servem, muito bem, outro propósito – servem para indicar exatamente quanto tempo passou por entre nossos dedos, e, quem dera, servem ainda como marco importante para reflexões que são sempre necessárias. Estamos, agora, encerrando mais um semestre letivo. Neste grupo de seis meses, vivemos, convivemos, rimos e choramos. Entramos em contato com emoções diversas e, possivelmente, entendemos um pouco mais nossa humanidade.

A escola não pode, de maneira nenhuma, furtar-se diante desta tarefa também. Instituição humana que é, busca, dia após dia, contribuir com o desenvolvimento de inúmeros outros indivíduos que estão vivendo um momento tão especial em suas vidas – a infância e a adolescência. Nestes períodos mágicos, as paradas para reflexão são de enorme valia, na medida em que ajudam o indivíduo a perceber sua trajetória e seu grau de protagonismo e responsabilidade. No limiar das férias de julho, portanto, estamos nós a discutir filosoficamente o que o término do semestre letivo representa para nossa escola, coletivamente.

Penso que significa, em primeiro lugar, a satisfação de acreditar na qualidade do trabalho desenvolvido. Não que este seja perfeito. Não é, e seria outro enorme equívoco acreditar no contrário. É exatamente por entender a impossibilidade da perfeição que caminhamos, todas as manhãs, para este encontro. É por este motivo que vale muito a reflexão sobre o tempo que passou – não por ele ter simplesmente passado, mas para vislumbrarmos como este foi utilizado.

Se acreditamos nos mitos ou não, definitivamente não vem ao caso. A questão realmente não é essa. Fato é que o tempo não nos “devora”, assim como colocado pelo mito. Olhando para os meses que se passaram no ano de 2019, a pergunta que fica é – como quero usar o tempo que tenho nos próximos seis meses, antes do término deste ano? O que aprendi? O que almejo aprender?

Segundo Eduardo Galeano, a utopia serve para nos manter caminhando. Acredito que o passar do tempo também. Podemos dar pequenos passos, ou passos de gigante. A decisão é de cada um. Quanto a mim, recordo-me com frequência de quando conheci Cronos, como agora mesmo, e busco fazer cada segundo valer à pena. Poderia ainda retomar a frase famosa de Fernando Pessoa, mas prefiro, por ora, um poema de Rainer Maria Rilke que me cativou a muito tempo atrás (tradução de José Paulo Paes)

 

A minha vida eu a vivo em círculos crescentes

 

A minha vida eu a vivo em círculos crescentes

sobre as coisas, alto no ar.

Não completarei o último, provavelmente,

mesmo assim irei tentar.

 

Giro à volta de Deus, a torre das idades,

e giro há milênios, tantos...

Não sei ainda o que sou: falcão, tempestade

ou um grande, um grande canto.

 

Boas Férias!

 

*André Mols é Gestor de Desenvolvimento e Currículo da Escola Interamérica - Unidades I e II e músico.


Muitas conquistas, trabalho e estudo: assim chegamos ao final do primeiro semestre

Muitas conquistas, trabalho e estudo: assim chegamos ao final do primeiro semestre

 28/06/2019

Olhando para os meses que já se passaram este ano, podemos afirmar que a escola Interamérica trabalhou intensamente, desenvolvendo em nossos alunos inúmeras habilidades que darão estrutura para que possam atuar de forma competente no mundo que está posto.


Mãe, larga esse celular!

Mãe, larga esse celular!

 14/06/2019

Quantas horas os dispositivos móveis (Whatsapp, redes sociais, Instagram, Snapchat, etc) têm roubado do nosso tempo por dia? Será que parte desse tempo não é aquele de que tanto reclamamos do “não tenho tempo de ficar com meu filho?" Será que precisamos mesmo estar tão conectados?


Como falar sobre saúde mental com seus filhos

Como falar sobre saúde mental com seus filhos

 07/06/2019

Depressão, ansiedade e outras doenças mentais podem ser assuntos difíceis de tratar com as crianças, mas iniciar cedo essa conversa pode ajudá-los a garantir uma boa saúde mental.


Comunicação: a melhor coisa que você pode fazer por seus filhos

Comunicação: a melhor coisa que você pode fazer por seus filhos

 31/05/2019

Dizer que é importante conversar com uma criança em fase de desenvolvimento não é contar nenhuma novidade. A comunicação é, sem dúvida, uma das habilidades mais necessárias para os seres humanos, e incentivá-la desde a infância tem sido prática constante entre pais e cuidadores. Contudo, segundo um grupo de pesquisadores da Universidade Harvard e do MIT, dois centros de pesquisa de ponta nos Estados Unidos, não é qualquer tipo de comunicação que faz a diferença.


7 dicas para motivar os estudos dos filhos adolescentes

7 dicas para motivar os estudos dos filhos adolescentes

 31/05/2019

Como motivar os estudos dos adolescentes? Na prática (e na maioria das vezes), essa motivação não surge sozinha. Os pais são responsáveis por girar as engrenagens, despertando os filhos para a importância e o prazer dos estudos. Neste texto, vamos apresentar 7 ótimas dicas para que você consiga motivar os estudos do seu filho, ajudando-o a pavimentar o caminho para um futuro brilhante. Confira!


Novos olhares para o mau comportamento

Novos olhares para o mau comportamento

 17/05/2019

Estudar é uma prática constante entre os educadores na nossa escola. A cada demanda, contexto, anseios e problematizações buscamos nos estudos, na literatura e nos especialistas de cada área do conhecimento, o respaldo teórico para nortear e refletir sobre nossas práticas.


Saber lidar com os próprios sentimentos é uma lição que deve ser ensinada às crianças

Saber lidar com os próprios sentimentos é uma lição que deve ser ensinada às crianças

 17/05/2019

O grande problema na sociedade em que vivemos é que tanto crianças quanto adultos nem sempre encontram acolhimento para suas emoções. Sentimentos considerados negativos, como raiva, medo, ciúme e a própria tristeza, parecem não ter espaço em um mundo onde as pessoas não podem desperdiçar o tempo e há um imperativo para ser feliz e bem-resolvido o tempo todo. Além disso, a questão de gênero naturalmente impõe alguns padrões sobre como meninos e meninas devem lidar com seus sentimentos. Enquanto eles são encorajados a reagir com a agressividade, elas são incentivadas ao choro e à melancolia, mas sem reação. E isso começa cedo. Uma pesquisa publicada no periódico Behavioral Neuroscience, da Associação Americana de Psicologia, constatou que pais de meninas respondem mais às demandas emocionais das filhas, quando elas choram ou chamam por eles, do que os pais de meninos fazem com seus filhos. Possivelmente, porque há uma tolerância maior aos sentimentos delas.


A importância da construção dos valores para gerar transformação

A importância da construção dos valores para gerar transformação

 10/05/2019

O desenvolvimento socioemocional tem sido cada vez mais relevante nos debates internacionais sobre Educação. Parece que, finalmente, o mundo percebeu que o foco da escolarização em habilidades instrumentais e conhecimentos acadêmicos não o livrou das escolhas egoístas que levam à degradação social e ambiental.


A família e a educação emocional - Três dicas fundamentais para a preparação emocional dos filhos

A família e a educação emocional - Três dicas fundamentais para a preparação emocional dos filhos

 10/05/2019

Quando os pais deixam de criticar e/ou menosprezar e/ou desviar os filhos do que sentem, eles são capazes de se abrir e a emoção por trás do comportamento fica clara, esse movimento ajuda os pais a compreenderem o que de fato está acontecendo, ao mesmo tempo em que ajuda os filhos a confiarem mais nos pais e a vê-los como aliados - alguém com quem possam contar e pedir ajuda quando necessário.


Famílias: Urgências e Turbulências

Famílias: Urgências e Turbulências

 03/05/2019

No mês em que comemoramos o Dia Internacional da Família, busquei um texto que pudesse colaborar com as mais variadas famílias com as quais convivemos, a partir dos anseios, medos e inseguranças que compartilham conosco.