Comunicação

A difícil “arte” de escolher

Publicado em : 16/08/2019

 

 

A difícil “arte” de escolher

 

por Eloá Azzena Parada*

 

A vida adulta é carregada de tarefas e obrigações. Temos deveres intermináveis (de nos sustentar, em primeiro lugar, de pagar os impostos, contas do mês, organizar as refeições para nós e nossos familiares, trabalhar, cuidar da casa, dos filhos etc) e, a cada dia, vamos colocando mais metas e obrigações em nossas listas de coisas a fazer, ora escolhidas por nós, conscientemente, ora determinadas pela vida e o contexto que vivemos (devemos fazer atividade física, estarmos conectados às mais diversas informações, estudarmos constantemente e tantas outras coisas que “devemos”).

Junto com as obrigações, a fase adulta nos presenteia com a liberdade de fazermos nossas escolhas, com a autonomia diante da busca por nossos sonhos, desejos e idealizações. Temos inúmeras possibilidades de escolher, quando adultos, sobre os rumos e caminhos que trilharemos, sobre nossas carreiras, configurações familiares, formas de nos alimentarmos, estilos de vestimentas e tantas outras escolhas que fazemos, que constituem a nossa forma de ser e estar no mundo.

Estamos imersos em um contexto carregado de possibilidades e saturado de milhares de alternativas que nos confundem e nos deixam indecisos. Com esse exagero de opções para tudo o que vamos escolher, nos tornamos inseguros com relação às nossas opções, exigentes ao extremo, intolerantes com aquilo que escolhemos e sujeitos a reclamar de tudo o que nos foi oferecido. 

Enquanto mães, pais, educadores e responsáveis por “seres humaninhos” ainda nas fases da infância e da adolescência, trazemos também, enquanto adultos, o dever do cuidar, de escolher os valores, princípios e as formas de educar aqueles que estão sob nossa responsabilidade; o que aumenta ainda mais nossa angústia. Além de escolher por nós, também escolhemos por outros (ainda impossibilitados de fazerem todas as suas escolhas autonomamente).

A cada fase da vida, nossas e de nossas filhas e filhos fazemos novas escolhas. Algumas conjuntamente, outras por nós mesmos; uma grande parte delas simples e muitas carregadas de significados e marcas profundas. 

Ter consciência de nossas escolhas, clareza dos critérios que adotamos e sabedoria para compreender que toda escolha envolve uma perda nos tranquiliza e nos traz segurança.

O sentimento de estarmos perdendo muita coisa ao fazermos nossa escolha é natural ao processo de ESCOLHER, aprender a lidar com nossas escolhas, assertivas, ou não, faz parte da vida. Autorrefletir sobre elas, aproximando-as, o máximo possível, de nossos princípios nos torna resilientes diante das adversidades que perpassam nossos caminhos.

 

*Eloá Azzena Parada – Educadora e Orientadora Educacional -Unidade I

 

 


Escola Interamérica, Uma Escola Viva

Escola Interamérica, Uma Escola Viva

 26/06/2020

Saímos todos da nossa zona de conforto e tivemos que nos readaptar à nova realidade imposta. Cada um sentiu e viveu esse período de diferentes maneiras, não é mesmo? E, gradativamente, os medos foram se transformando. Das dúvidas e angústias, nasceram  possibilidades e certezas.


Avaliação da aprendizagem em aulas não presenciais

Avaliação da aprendizagem em aulas não presenciais

 29/05/2020

Todos nós já ouvimos falar bastante sobre este assunto, e certamente temos algum tipo de “opinião” sobre ele, ainda que muitos não tenham estudado formalmente algo voltado para o tema.


A “romantização” do isolamento social em casa

A “romantização” do isolamento social em casa

 11/05/2020

Estamos todos no mesmo barco? Não. Na verdade nunca estivemos, e agora, mais do que nunca, não estamos. Se há algo em comum que nos interliga nesse tempo de pandemia é o fato de estarmos imersos no cenário que é a nossa casa, na realidade das nossas relações interpessoais, nas diferentes rotinas de cada um, nos diferentes modos de se viver esse tempo, nas diferentes estratégias de lidar com o isolamento social.


Rosely Sayão: “Educar é apresentar a vida e não dizer como viver”

Rosely Sayão: “Educar é apresentar a vida e não dizer como viver”

 13/03/2020

Educar não é fácil, muito menos nos tempos atuais. A sociedade tem passado por muitas transformações, e os pais se veem, tantas vezes, completamente perdidos. É o que evidencia a psicóloga Rosely Sayão em seu recém-lançado livro Educação sem blá-blá-blá (Ed. Três Estrelas, 2016).


Entrada na adolescência

Entrada na adolescência

 06/03/2020

A entrada na adolescência traz grandes desafios para a família e para os indivíduos. Entendemos, enquanto escola, que é muito importante para as famílias conhecer as principais transformações para que esse período tão importante da vida seja vivido de forma saudável para toda família. O texto a seguir traz contribuições importantes.


“Eu tenho a força!”

“Eu tenho a força!”

 28/02/2020

Há muito tempo não tinha a oportunidade de fazer uma criança dormir em minha casa. Meu único filho é um jovem adulto e não mora mais conosco... Assim, contento-me em aguardar o dia em que será possível ter meu netinho ocupando seu quarto em minha casa para então poder viver a experiência de cuidar mais de perto de uma criança, e fazê-la dormir, como acontecia com meu filhote.


Diversidade

Diversidade

 28/02/2020

Pensando na escola como um ambiente onde se reúne a maior diversidade durante um considerável tempo (e não é apenas pelos critérios de afinidades), também como um espaço privilegiado de construção de conhecimento e interação social, chegamos à conclusão de que valores como respeito, empatia, solidariedade, colaboração, ética, dentre outros, não podem ficar fora do que entendemos por “educação integral” dos sujeitos.


Tarefa de casa em família: um momento de aprendizado para todos

Tarefa de casa em família: um momento de aprendizado para todos

 21/02/2020

Após chegar da escola, é normal que seu filho esteja cansado para realizar as tarefas escolares. É exatamente por isso...


Adolescência em questão

Adolescência em questão

 21/02/2020

Falta de sono na hora de dormir, sono demais na hora de levantar, preguiça para realização de tarefas de casa, preguiça para leitura, tempo em excesso nos eletrônicos, conflitos com a família, quarto sempre desarrumado. Se você é mãe, pai ou responsável de um pré-adolescente/adolescente, você provavelmente já presenciou pelo menos uma das situações acima. Não se assuste porque a grande maioria desses “sintomas” é natural, porém passageira.


Educar - Desafios e Possibilidades

Educar - Desafios e Possibilidades

 14/02/2020

Me deparei há algum tempo com um texto de Rubem Alves falando sobre a Arte de Educar. E se existe algo que normalmente as pessoas concordam é sobre o grande desafio que envolve esse processo. A Escola Interamérica, ciente de sua responsabilidade enquanto parceira da família e da sociedade, se sente também diariamente desafiada a estudar, aprimorar e qualificar cada vez mais o seu trabalho pedagógico.