Comunicação

A aprendizagem como projeto

Publicado em : 23/08/2019

 

 

A aprendizagem como projeto

 

 

por André Mols*

 

O desenvolvimento do ser humano no planeta Terra é algo que assusta, e é tema recorrente nos mais diversos setores da sociedade. Ainda vivemos uma era de crescimento linear para certos aspectos da vida humana, mas certamente vários destes aspectos crescem de maneira exponencial, em velocidade difícil de se imaginar. As possibilidades de nosso cérebro, que saiu das cavernas e chegou à Lua, ainda estão envoltas em muitos mistérios. Um de nossos desafios é entendê-lo. O outro, utilizá-lo de maneira mais eficaz. 

Recentemente tive a oportunidade de conversar com um grupo de pais em reunião em nossa escola, e ao tratar do tema aprendizagem usei algumas imagens das quais gosto muito – retomando momentos nos quais o indivíduo humano desenvolveu invenções e ações disruptivas – aquelas que rompem paradigmas e alteram percursos até então considerados estáveis e consolidados. Por sua vez, o conceito de aprendizagem busca, ainda que de maneira limitada, entender um pouco de seu processo, em primeiro lugar. Ora, o trajeto que parte da pergunta, dúvida ou proposição passa por inúmeros lugares, múltiplas fontes, variadas discussões, verificações, refutações e confirmações, antes de se estabelecer como resultado palpável. Era assim na Grécia, e o silogismo lógico, desenvolvido por Aristóteles, está alinhado com esta percepção.

O ser humano, desta maneira, busca o desenvolvimento a partir de suas necessidades, desde as mais básicas até as mais complexas; das mais objetivas às subjetivas. Este desenvolvimento se dá tendo um desafio, uma questão norteadora como ponto de partida. É a partir daí que o processo produzirá, em última análise, um produto, que vai desde um objeto a um conceito filosófico, de uma viagem a um satélite natural até o desenvolvimento de uma inteligência artificial, que por meio de algoritmos consegue “pensar” em mais variáveis do que uma mente humana ao longo de uma vida inteira.

Essa é a história da humanidade – do antes, do hoje, e do amanhã. Essa também é a definição para um projeto conduzido pela Aprendizagem Baseada em Projetos enquanto metodologia. As perguntas que ficam são: como fica o nosso projeto de aprendizagem? Como fica o processo de aprendizagem de nossas crianças? Estes projetos estão diretamente vinculados às nossas expectativas, nossa percepção de mundo, e consequentemente, nosso próprio desenvolvimento. Isto afeta todos os âmbitos de nossa vida – passando por nossas relações, quer seja no âmbito pessoal ou profissional. O risco de nossos conceitos e preconceitos travarem o processo de nossas crianças é enorme, já que somos diferentes uns dos outros. É nossa tarefa proporcionar oportunidades para que as nossas “travas” não sejam também de nossas crianças. É nossa tarefa contribuir, de maneira eficaz, com a aprendizagem potencial, aquela que está a desabrochar.

Não estamos, portanto, “inventando a roda”, quando afirmamos que a Aprendizagem Baseada em Projetos nada mais é do que o resgate da curiosidade genuína, do desenvolvimento puro, do imaginar, do descobrir. Esta metodologia, difundida em nossas ações pedagógicas, prepara para além de momentos isolados.

Ela contribui para o resgate da aprendizagem como projeto de vida.

Qual é o seu projeto?

 

*André Mols é Gestor de Desenvolvimento e Currículo da Escola Interamérica - Unidades I e II e músico.


Não é fácil andar à frente

Não é fácil andar à frente

 13/09/2019

O que me move na escrita deste texto hoje é a necessidade de tratar um pouco do desafio que é fazer algo de relevante em um contexto que não quer que isso aconteça. Quando os astros estão a nosso favor não é necessariamente fácil, imagine então se você incomoda por não ficar dentro da caixinha, sendo perfeitamente conivente com o modelo? Tenho reiteradamente tratado deste tema, e percebo que ele ainda me incomoda, e incomoda a muitos outros, ainda bem.


Respeito à diferença e incentivo à argumentação contribuem para o desenvolvimento dos filhos

Respeito à diferença e incentivo à argumentação contribuem para o desenvolvimento dos filhos

 06/09/2019

Discordar abre a possibilidade de se colocar no lugar do outro, de se abrir para uma ideia distinta, para algo que até então a pessoa não tinha pensado, de acordo com especialista.


Brincar e aprender a vida

Brincar e aprender a vida

 06/09/2019

Vivemos atualmente um contexto social em que há excesso de informação circulando e, para toda e qualquer questão, existe receita, padrão, promessas de solução rápida e instantânea. Na criação de filhos(as) isso não é diferente!


Educar exige liberdade e autoridade, mas qual o limite e a diferença entre eles?

Educar exige liberdade e autoridade, mas qual o limite e a diferença entre eles?

 30/08/2019

Na construção da relação familiar, a autoridade nunca pode ser confundida com autoritarismo, assim como a liberdade em excesso também é nociva.


Você conhece a Escola Interamérica?

Você conhece a Escola Interamérica?

 23/08/2019

Que memórias você tem de sua infância na escola? De quais atividades você se recorda?


A difícil “arte” de escolher

A difícil “arte” de escolher

 16/08/2019

A vida adulta é carregada de tarefas e obrigações. Temos deveres intermináveis (de nos sustentar, em primeiro lugar, de pagar os impostos, contas do mês, organizar as refeições para nós e nossos familiares, trabalhar, cuidar da casa, dos filhos etc) e, a cada dia, vamos colocando mais metas e obrigações em nossas listas de coisas a fazer, ora escolhidas por nós, conscientemente, ora determinadas pela vida e o contexto que vivemos (devemos fazer atividade física, estarmos conectados às mais diversas informações, estudarmos constantemente e tantas outras coisas que “devemos”).


O futuro é hoje: os 16 hábitos da mente na educação

O futuro é hoje: os 16 hábitos da mente na educação

 16/08/2019

Para acompanhar mudanças e ensinar os futuros profissionais prosperar em um mundo volátil, incerto, complexo e ambíguo (do acrônimo em inglês VUCA) — além de cada dia mais conectado e, ao mesmo tempo, fragmentado —, a educação precisa mudar. E ela já mudou. O conhecimento de conteúdos acadêmicos ainda é e sempre será importante, mas as habilidades socioemocionais estão hoje no centro da revolução que ocorre na educação.


Volta às aulas

Volta às aulas

 09/08/2019

Iniciamos o segundo semestre de 2019 trazendo em nossas bagagens muitos estudos, leituras e reflexões sobre como fazer da escola um espaço cada vez mais amplo de convivência e de troca de experiências que, certamente, favorecerão o desenvolvimento de hábitos mentais. Esses hábitos contribuem para a potencialização do pensamento complexo, que analisa os conhecimentos de forma contextualizada, integrada, abrangente  e completa, deixando de lado a visão fragmentada que ora nos foi apresentada.


Muitas conquistas, trabalho e estudo: assim chegamos ao final do primeiro semestre

Muitas conquistas, trabalho e estudo: assim chegamos ao final do primeiro semestre

 28/06/2019

Olhando para os meses que já se passaram este ano, podemos afirmar que a escola Interamérica trabalhou intensamente, desenvolvendo em nossos alunos inúmeras habilidades que darão estrutura para que possam atuar de forma competente no mundo que está posto.


As férias e um mito: tempo de reflexão

As férias e um mito: tempo de reflexão

 28/06/2019

Gosto muito de épicos, e gosto em particular de Mitologia Grega. Uma das histórias que mais gosto é a de Cronos, deus do tempo. Quando eu era criança fiquei muito impressionado quando li pela primeira vez “Os doze trabalhos de Hércules”, produção de Monteiro Lobato. A partir daí expandi minhas leituras, até conhecer os Titãs (não a banda...). Cronos, Hades, Poseidon... cada um deles com personalidade forte, como é característico de todos, e me encantei, em particular, ao começar a entender como uma história era conectada à outra, como um personagem era ligado a outro.