Comunicação

Vídeo: A tragédia silenciosa que afeta os filhos de hoje (e o que fazer com isso)

Publicado em : 30/03/2019

 

 

"A tragédia silenciosa que afeta os filhos de hoje (e o que fazer com isso) "              

*

         

Victoria Prooday**, terapeuta ocupacional canadense e autora do texto que deu origem a este vídeo, tocou em algo importante que está acontecendo na nossa sociedade; e acreditamos que não só os nossos filhos estão sofrendo dessa tragédia, mas todos nós.

Em um mundo extremamente conectado, sofremos, ironicamente, da desconexão doentia. Estamos desconectados de nós mesmos, das nossas necessidades, dos nossos corpos, das nossas emoções, da Natureza, uns dos outros. E precisamos fazer algo a respeito!

O vídeo acima é um verdadeiro convite à reflexão... Assista-o em família, exercite regras e combinados, dedique tempo a isso...

Victoria, em seu texto***, chama a atenção para pontos cruciais:

Sim, há e sempre houve crianças que nasceram com deficiências e, apesar dos esforços dos pais para proporcionar-lhes um ambiente e pais equilibrados, os filhos continuam a ter dificuldades. Estas não são as crianças que eu estou falando aqui.

Estou falando de muitos outros cujos desafios são, em sua maioria, moldados pelos fatores ambientais que os pais, com suas melhores intenções, proporcionam aos filhos. Como tenho visto em minha prática, no momento em que os pais mudam sua perspectiva sobre a criação dos filhos, essas crianças mudam.

Precisamos fazer mudanças na vida de nossos filhos antes que toda essa geração de crianças seja medicada! Ainda não é tarde, mas em breve será…

Se queremos que nossos filhos se transformem em indivíduos felizes e saudáveis, temos que acordar e voltar ao básico. Ainda é possível, com implementação dessas recomendações:

  • Estabeleça limites e lembre-se de que você é o pai do seu filho, não um amigo
  • Ofereça-lhe um estilo de vida equilibrado, repleto do que a criança PRECISA, e não apenas do que ela QUER. Não tenha medo de dizer "NÃO" para seu filho se o que ele quer não é o que ele precisa
  • Forneça alimentos nutritivos
  • Passe uma hora por dia em espaços verdes, onde seja possível praticar: ciclismo, caminhadas, pesca, observação de pássaros / insetos
  • Tenha uma refeição familiar diária sem tecnologia
  • Jogue um jogo de tabuleiro por dia
  • Envolva seu filho em uma tarefa doméstica por dia (lavar roupas, arrumar brinquedos, pendurar roupas, desembalar mantimentos, arrumar a mesa etc.)
  • Implemente uma rotina de sono consistente para garantir que seu filho tenha muito sono em um quarto sem tecnologia
  • Ensine responsabilidade e independência. Não o proteja excessivamente de pequenas falhas. Ele deve treinar as habilidades necessárias para superar os desafios da vida
  • Não organize a mochila do seu filho, não a carregue, não leve para a escola sua agenda / tarefa esquecida, e não descasque uma banana para uma criança de 5 anos de idade. Ensine-o as habilidades, em vez de fazer por ele
  • Não se sinta responsável por ser o “centro de entretenimento” de seu filho
  • Não use a tecnologia como uma cura para o tédio
  • Ajude-o a criar um “kit de primeiros socorros para o tédio” com ideias de atividades para os horários em que se sentiria “entediado”
  • Esteja emocionalmente disponível para se conectar com seu filho e ensiná-lo sobre autorregulação e habilidades sociais
  • Desligue seus telefones até que seu filho esteja na cama para evitar distrações digitais
  • Torne-se o treinador emocional do seu filho. Ensine-o a reconhecer e a lidar com a frustração e a raiva
  • Ensine-o a cumprimentar as pessoas, a compartilhar, a ter empatia, maneiras à mesa, habilidades de conversação
  • Conecte-se emocionalmente: sorria, abrace, beije, faça cócegas, leia, dance, pule ou se deite no chão com seu filho...

* O vídeo atribui o texto ao psiquiatra espanhol Luis Rojas Marcos, porém, o texto viral partiu do artigo da canadense Victoria Prooday. 

**Victoria Prooday é  terapeuta ocupacional, psicoterapeuta, educadora e escreve sobre ser mãe na vida moderna.

*** Fonte: The silent tragedy affecting today’s children (and what to do with it) disponível em <https://yourot.com/parenting-club/2017/5/24/what-are-we-doing-to-our-children > Acesso 30 mar 2019.

 

 

 


Novos olhares para o mau comportamento

Novos olhares para o mau comportamento

 17/05/2019

Estudar é uma prática constante entre os educadores na nossa escola. A cada demanda, contexto, anseios e problematizações buscamos nos estudos, na literatura e nos especialistas de cada área do conhecimento, o respaldo teórico para nortear e refletir sobre nossas práticas.


Saber lidar com os próprios sentimentos é uma lição que deve ser ensinada às crianças

Saber lidar com os próprios sentimentos é uma lição que deve ser ensinada às crianças

 17/05/2019

O grande problema na sociedade em que vivemos é que tanto crianças quanto adultos nem sempre encontram acolhimento para suas emoções. Sentimentos considerados negativos, como raiva, medo, ciúme e a própria tristeza, parecem não ter espaço em um mundo onde as pessoas não podem desperdiçar o tempo e há um imperativo para ser feliz e bem-resolvido o tempo todo. Além disso, a questão de gênero naturalmente impõe alguns padrões sobre como meninos e meninas devem lidar com seus sentimentos. Enquanto eles são encorajados a reagir com a agressividade, elas são incentivadas ao choro e à melancolia, mas sem reação. E isso começa cedo. Uma pesquisa publicada no periódico Behavioral Neuroscience, da Associação Americana de Psicologia, constatou que pais de meninas respondem mais às demandas emocionais das filhas, quando elas choram ou chamam por eles, do que os pais de meninos fazem com seus filhos. Possivelmente, porque há uma tolerância maior aos sentimentos delas.


A importância da construção dos valores para gerar transformação

A importância da construção dos valores para gerar transformação

 10/05/2019

O desenvolvimento socioemocional tem sido cada vez mais relevante nos debates internacionais sobre Educação. Parece que, finalmente, o mundo percebeu que o foco da escolarização em habilidades instrumentais e conhecimentos acadêmicos não o livrou das escolhas egoístas que levam à degradação social e ambiental.


A família e a educação emocional - Três dicas fundamentais para a preparação emocional dos filhos

A família e a educação emocional - Três dicas fundamentais para a preparação emocional dos filhos

 10/05/2019

Quando os pais deixam de criticar e/ou menosprezar e/ou desviar os filhos do que sentem, eles são capazes de se abrir e a emoção por trás do comportamento fica clara, esse movimento ajuda os pais a compreenderem o que de fato está acontecendo, ao mesmo tempo em que ajuda os filhos a confiarem mais nos pais e a vê-los como aliados - alguém com quem possam contar e pedir ajuda quando necessário.


Famílias: Urgências e Turbulências

Famílias: Urgências e Turbulências

 03/05/2019

No mês em que comemoramos o Dia Internacional da Família, busquei um texto que pudesse colaborar com as mais variadas famílias com as quais convivemos, a partir dos anseios, medos e inseguranças que compartilham conosco.


Escola como espaço de formar, dialogar e TRANS... FOR... MAR(SE)

Escola como espaço de formar, dialogar e TRANS... FOR... MAR(SE)

 26/04/2019

O ser humano se constitui na relação com outros seres humanos. Vivemos em sociedade, na sociedade somos formados e nela, também, podemos atuar e transformar.


O poder transformador da empatia nas relações humanas

O poder transformador da empatia nas relações humanas

 12/04/2019

A habilidade de aceitar e conviver bem com a diversidade nos torna mais empáticos e tolerantes. É o que vai nos permitir entrar numa sala de reuniões de uma organização transnacional para uma apresentação a ser feita e transmitir a mensagem que queremos de forma adequada para cada membro da plateia. Ser empático não se restringe às pessoas que conhecemos, mas principalmente com os desconhecidos ou mesmo com personalidades antagônicas. Este é um grande esforço que demanda sensibilidade, inteligência emocional e vontade, para se colocar no lugar do outro e experimentar uma nova perspectiva. Esta é uma habilidade que pode ser aprendida, mas que precisa ser diariamente cultivada.


It is up to you!

It is up to you!

 05/04/2019

Ao longo de minha vida profissional como professora de inglês e como coordenadora pedagógica, tive que responder a uma série de perguntas de pais de alunos. Uma das perguntas mais frequentes continua sendo: “Qual a idade ideal para que eu coloque meu(minha) filho(a) em uma aula de inglês?”.


Projeto Conviver e Jogos Ativos: aulas complementares ao  desenvolvimento socioemocional

Projeto Conviver e Jogos Ativos: aulas complementares ao desenvolvimento socioemocional

 22/03/2019

Desenvolver as habilidades socioemocionais não é tarefa fácil para aqueles que se propõem a educar, principalmente a família e a escola. Os desafios do séc. XXI são muitos, ainda mais em um contexto histórico-social contraditório em valores, escolhas e atitudes.


Respostas simples para questões complexas

Respostas simples para questões complexas

 22/03/2019

O contato com a natureza, de acordo com ele, pode ressignificar a vida de adultos e crianças. O meio ambiente faz com que nossas crianças superestimuladas, possam ter suas energias dissipadas e reequilibradas. O convívio com árvores, gramados, parques, enfim, com o “verde” faz muito bem para a saúde física e mental.