Comunicação

Superamos nosso período de adaptação 2019... Será?!

Publicado em : 22/02/2019

 

Superamos nosso período de adaptação 2019... Será?!

por Gyselle R. R. Bessa

__________________________________________________________________________________________

Vamos pensar sobre nossa adaptação escolar: estamos no final de fevereiro de 2019 com a sensação de que superamos o período de adaptação inicial, típico em todo (re)começo de ano: nova sala de aula, novos amigos na turma, novos professores, uma nova escola! Sim, todos os anos nos redescobrimos como uma nova escola, já que novos integrantes chegam, novas perspectivas surgem e, com isso, novos rumos são traçados sempre. Aqui na Interamérica é assim: a cada reunião de pais que fazemos, tiramos uma lição; a cada livro que lemos, alteramos imediatamente nosso planejamento; a cada criança que nos solicita, novas estratégias são lançadas... Ou seja, estamos nos ADAPTANDO SEMPRE!

Nos adaptamos aos novos horários e espaços, nos adaptamos uns aos outros, aos novos ambientes... Adaptar é uma habilidade humana interessantíssima e fundamental! É“o ajuste de uma coisa a outra”, como assim está descrito em vários dicionários. E é com essa capacidade de adaptação que conseguimos chegar até aqui, hoje e agora, como seres humanos.

Pois bem, superamos o chororô inicial da Educação Infantil e nos adaptamos a uma chegada mais tranquila e alegre, mas não nos iludamos! Sabemos que o choro fará parte de nosso cotidiano, sempre que o final de semana for superdivertido em família (já que se despedir de quem se ama nunca é fácil) ou sempre que o parque estiver muito animado e a prô tiver que divulgar: “Acabou nosso parque! Vamos pra sala!”ou mesmo quando meu amigão tropeçar no meu pé e nós dois cairmos “de maduro” no chão...

Por isso, vamos refletir um pouco sobre o valor do choro em nosso processo de adaptação não só escolar, mas de adaptação à vida humana. Tomarei emprestadas as belas palavras de Marcelo Cunha Bueno (2018) para isso:

“Para lidar com o choro, temos de nos desprender da ideia de sofrimento. Nem sempre sofremos quando choramos. Para as crianças, o choro pode significar muitas outras coisas.

Vejo alguns familiares se desesperarem quando a criança chora para entrar na escola. Qualquer educador espera que a criança, mais cedo ou mais tarde, mesmo a mais descolada da escola, vá chorar. Elas precisam elaborar frequentemente o que significa ir à escola, pois simboliza crescimento, portanto desafio. Nem sempre as crianças estão a fim de encará-lo. Sabe o que fazem? Como expressam essa vontade? Chorando!

O choro não representa necessariamente algo que tenha acontecido, ou que a criança não goste daquela escola. O choro é a expressão possível de um montão de sentimentos que ainda não têm nome. Por isso, não adiante desesperar. A criança quer escutar daqueles que ama que ela vai conseguir, que será difícil, mas que vai superar seus desafios. Existe coisa mais tranquilizadora para uma criança quando a mãe ou o pai a autorizam a se afetar por outro adulto? Quando os familiares dizem: “Você pode procurar o colo da prô quando precisar…”?

Já presenciei muitas cenas de famílias que acabam induzindo a criança a contar uma história que explique o choro sem ao menos terem vivido aquilo. “Você está triste porque a mamãe tá trabalhando demais? Porque a mamãe não te deu aquele brinquedo?” A criança, sem saber que choro precisa ter explicação, diz que sim, para encerrar o assunto e ganhar logo de uma vez a atenção corporal do adulto.

O adulto precisa encorajar a criança. Precisa se mostrar seguro, precisa autorizar a criança a sentir o que sente, mas sem abri mão do que está posto. Ir à escola, por exemplo, não dá para ser negociado. Insistir e jogar limpo: “Está difícil, mas você vai conseguir!”

Brinco sempre com as famílias que, se crescer fosse um jogo de percurso, as regras desse jogo seriam: a cada passa para frente, três para trás. Isso significa que, para crescer, a criança precisa checar o caminho percorrido para se sentir à vontade e segura para ir adiante. Andar para frente, seguir o caminho significa olhar para trás e entender o que significou cada passo dado. Chorar não é regredir. É Crescer!”

E assim, com todo o afeto e a responsabilidade que temos por nossas crianças, podemos declarar agora e juntos: nosso processo de adaptação está a todo vapor, sempre, aqui na Interamérica! Aqui é lugar de convivência diária, de compartilhamento de experiências, histórias, indagações, sonhos... Sabemos que lidaremos cada vez melhor uns com os outros e com o crescimento de nossas crianças, nos adaptando sempre! Nesse lugar chamado escola, que se faz todos os dias pela travessia constante de encontros humanos!

 

Verão de 2019

______________________________

*Gyselle R. R. Bessa é Coordenadora Pedagógica da Ed. Infantil da Escola Interamérica


Projeto Conviver e Jogos Ativos: aulas complementares ao  desenvolvimento socioemocional

Projeto Conviver e Jogos Ativos: aulas complementares ao desenvolvimento socioemocional

 22/03/2019

Desenvolver as habilidades socioemocionais não é tarefa fácil para aqueles que se propõem a educar, principalmente a família e a escola. Os desafios do séc. XXI são muitos, ainda mais em um contexto histórico-social contraditório em valores, escolhas e atitudes.


Respostas simples para questões complexas

Respostas simples para questões complexas

 22/03/2019

O contato com a natureza, de acordo com ele, pode ressignificar a vida de adultos e crianças. O meio ambiente faz com que nossas crianças superestimuladas, possam ter suas energias dissipadas e reequilibradas. O convívio com árvores, gramados, parques, enfim, com o “verde” faz muito bem para a saúde física e mental.


Como lidar com o medo infantil?

Como lidar com o medo infantil?

 15/03/2019

Recentemente, temos sido surpreendidas com uma procura significativa de crianças e suas famílias pela OE, buscando ajuda para lidar com medos.


O período de adaptação e o desequilíbrio saudável

O período de adaptação e o desequilíbrio saudável

 15/03/2019

Se há algo que consegue tirar o sono de famílias, estudantes e equipe escolar, certamente, são os primeiros dias de aula de cada ano. Como escutei dias atrás de um professor: “[...] não adianta, com 14 anos de docência eu ainda sinto um frio na barriga nas primeiras aulas com cada turma”. Esse momento, marcado por uma avalanche de ansiedade, medos, dúvidas atinge todos que estão envolvidos no processo educacional, o que nos faz pensar em como atravessar esse período da melhor forma possível, evitando assim que o sofrimento frente ao incerto continue nos invadindo.


Sentimentos, atitudes e emoções baseiam nossas reflexões e ações...

Sentimentos, atitudes e emoções baseiam nossas reflexões e ações...

 01/03/2019

Sentimentos, atitudes e emoções baseiam nossas reflexões e ações... Equipe da Orientação Educacional – Unidade I __________________________________________________________________________________________ A Escola  Interamérica, desde a sua fundação, tem como pilar o [...]


Diálogo com um adolescente: tarefa impossível?

Diálogo com um adolescente: tarefa impossível?

 01/03/2019

Me coloco no lugar de um pai/mãe de um adolescente e imagino a alegria e a angústia que deve ser perceber o crescimento do filho. Digo isso baseado em algumas queixas que ouço como: “meu filho só quer ficar no celular”, “minha filha acho que só falo com ela pra pegar no pé”, “ele não sai do quarto pra nada”, “não tenho mais assunto com meu filho”, “ele não era assim até ano passado”, “toda conversa nossa acaba em briga”...e por aí vão as queixas. Já cheguei a ouvir a seguinte frase “não reconheço mais o meu filho”. No entanto, por mais que pareça impossível, esse diálogo com o seu filho é possível.


Cazuza e meu bildungsroman

Cazuza e meu bildungsroman

 22/02/2019

O mundo mudou. A frase é repetitiva e lugar comum, no entanto, é fato. Muito em breve, começaremos a usar o DNA como espaço para armazenamento de dados. Quando eu era criança, assistia à série “O homem de seis milhões de dólares”, que apresentava um personagem com poderes sobre humanos. Tenho um bom amigo que no ano passado fez duas cirurgias de prótese nos joelhos – ambos agora têm um mecanismo de titânio substituindo o joelho original. Meu amigo é biônico? É um ciborgue? Não é mais 100% humano?


Refletindo sobre o consumismo

Refletindo sobre o consumismo

 15/02/2019

Refletindo sobre o consumismo _______________________________________________________________________________________________ Quem estimula? Como evitar? Qual a nossa responsabilidades? Qual o impacto do consumo nas nossas vidas e na vida planetária? Ninguém nasce consumista. O [...]


O afeto é algo que se aprende

O afeto é algo que se aprende

 15/02/2019

Na vida, passamos por diversos tipos de aprendizagem: matemática, línguas, ciências naturais, ciências humanas etc. A lista é extensa e quem frequenta a escola sabe bem do que eu estou falando. Conteúdos importantes, cada um nos ensinando a olhar a vida de um jeito novo.


Educar para a solidariedade

Educar para a solidariedade

 08/02/2019

“Não basta que as crianças ouçam falar de valores. Para aprender, elas devem experimentar e incorporar esses valores. Não basta sentir, experimentar e pensar sobre valores.