Comunicação

Ser estudante: uma postura para a vida

Publicado em : 10/08/2018

 

Ser estudante: uma postura para a vida                             

 

por Luana Selva Ortencio* 

 

Em Educação, fala-se muito de um futuro em que a habilidade de aprender será mais importante que todo o conteúdo que temos acumulado em nossas mentes; um futuro em que o mundo estará sempre em constante mudança e que as informações estarão mais acessíveis; um futuro em que novas profissões e desafios no mercado de trabalho surgirão a todo momento e onde a flexibilidade e capacidade de inovação serão cruciais para se ter sucesso em qualquer área da vida.

Engraçado... Esse futuro me parece muito com o presente, você não acha? Fala-se de educação para o século XXI como se ele estivesse logo ali, virando a esquina, quando já estamos fechando sua segunda década e correndo atrás de todas essas “habilidades do futuro”.

De todas as ditas “habilidades do futuro” que eu ouço falar por aí, a que mais me impressiona e que mais gosto é a de “aprender a aprender” ou, “ser estudante para toda a vida”. Ao meu ver, essa habilidade já é uma das mais importantes a se adquirir há muitos e muitos séculos, encontrada na biografia de gênios e homens e mulheres de sucesso desde tempos imemoriais. A curiosidade, a cabeça aberta, a mente flexível e a habilidade de se estar sempre aprendendo coisas novas, saindo de moldes pré-estabelecidos, indo além do que se é conhecido, são características que essas pessoas têm em comum.

É verdade que no século XXI essa habilidade e postura de estudante se tornou crucial a todos e não pode mais se restringir ao comportamento de grandes gênios. Saber estudar, saber buscar e filtrar as informações, assimilá-las e aplicá-las virou uma questão de sobrevivência na Era da Informação. Hoje o conhecimento é mais democrático e acessível e não é permitido estar desatualizado ou desinformado; não há mais desculpas para a ignorância e a falta de conhecimento. Empresas procuram pessoas que consigam se infiltrar no grande mar de informações que é a internet e sair de lá com a capacidade de resolver problemas ou pelo menos ter o planejamento de uma solução viável e rápida para problemas reais.

E como atualmente, mesmo fora do mercado de trabalho, estamos inseridos na internet o tempo inteiro, a postura de estudante tornou-se necessária para se sobreviver em qualquer área e aspecto de nossas vidas sem ser vítima de fake news, golpes, difamações, hiper-consumismo e outras armadilhas embutidas nesse maravilhoso mundo da informação ultra-rápida.

Eu não lembro quando eu me apaixonei pelo aprender em si – acredito que foi com a leitura - mas sou uma das pessoas sortudas desse mundo acometida por essa paixão. Como em um bom casamento, eu e a aprendizagem nos apaixonamos várias vezes e tivemos várias oportunidades para reviver essa paixão: quando tive que aprender a cozinhar saindo da minha redoma teórica e aprendendo habilidades manuais; quando entrei na universidade e descobri as incríveis possibilidades do mundo acadêmico... Entretanto, uma das mais recentes e mais bonitas dessas oportunidades foi quando eu tive a honra de experienciar e participar da história de amor entre a aprendizagem e uma outra pessoa: o meu sobrinho.

Foi no Ensaio Acadêmico da Escola Interamérica1 que meu sobrinho Pedro descobriu uma outra faceta da aprendizagem, um outro mundo de possibilidades em que a postura de estudante não era mais uma obrigação para se sair bem na escola, mas para crescer, evoluir, explorar um assunto que gosta e produzir algo a partir disso: conhecimento. Ele explorou a música, a História e o mundo moderno, três paixões que compartilhava com os amigos; mas hoje eu vejo que essa experiência foi muito mais ampla. Hoje ele explora a Física, a Música Brasileira, a Teoria Musical, a Matemática, a História Antiga, os jogos de videogame e memes da internet, tudo com a mesma postura analítica, curiosa, disciplinada e persistente que aprendeu no Ensino Fundamental. O Pedro consegue se sair bem em todas os componentes curriculares do Ensino Médio porque aprendeu a forma de explorar e assimilar conhecimentos, mesmo os que ele não gosta; aprendeu a encarar os estudos como um desafio, uma exploração, uma questão de prática, esforço, persistência, disciplina, análise e crítica. Quando eu o vejo encarar quase tudo em sua vida com essa postura, eu me sinto tranquila quanto ao seu futuro, mesmo que muitas vezes ele não o esteja, sendo o adolescente que é. Eu sei que nesse mundo maluco cheio de informações, ele sabe navegar e durmo melhor.

E o que é essa postura de estudante que precisamos ter a vida inteira? Ela vem de uma visão da aprendizagem como um processo, e como todo processo ela tem seu tempo e método, além de trazer resultados. É uma postura de dar importância à rotina, de saber que não se aprende de uma hora para a outra e que a rotina de ler, explorar, praticar, assimilar e adaptar o que vamos compreendendo é até mais importante do que a informação com que estamos lidando. É uma postura curiosa e analítica, que consegue relacionar as informações dadas com outras informações que foram assimiladas no passado ou em situações diferentes. É pensar fora dos moldes e de forma crítica, sempre olhando as informações e situações de maneiras diferentes. É ter prazer e se empolgar com conclusões e produtos construídos. É “colocar a mão na massa” e fazer e refazer até compreender todo o processo. É aceitar erros e fracassos como lições e não motivos para desistir. É ter persistência.

E, de novo, é necessário entender que a aprendizagem é um processo e não um milagre. Que requer esforço, rotina e recomeços...

Estas parecem habilidades de super-herói, mas acredite em mim, não é. A postura de estudante é a postura mais natural ao ser humano, pois é isso que nós somos, é isso que temos feito nesses poucos milênios de evolução. Nós somos eternos aprendizes, eu, o Pedro, você, seus filhos... Basta alimentar e reforçar o estudante que já está lá e lhe dar a autonomia e o apoio para explorar o mundo. E é para a vida toda.

 

_______________________________________________________________________________

1. Ensaio Acadêmico é um projeto da Escola Interamérica onde os estudantes do 9º Ano produzem um trabalho nos moldes científicos. Um "ensaio" para a vida acadêmica, o Ensaio Acadêmico exige que o estudante passe por todo o processo de produção científica: a busca do orientador (um dos professores da escola) e de um tema, a pesquisa, a análise de dados, conclusão, produção de um artigo escrito e a defesa perante uma banca, é uma experiência de aplicabilidade de várias habilidades e competências necessárias a um estudante.

*Luana Selva é formada em Psicologia pela Universidade de Brasília e Assessora de Comunicação da Escola Interamérica - Unidade II.


Novos olhares para o mau comportamento

Novos olhares para o mau comportamento

 17/05/2019

Estudar é uma prática constante entre os educadores na nossa escola. A cada demanda, contexto, anseios e problematizações buscamos nos estudos, na literatura e nos especialistas de cada área do conhecimento, o respaldo teórico para nortear e refletir sobre nossas práticas.


Saber lidar com os próprios sentimentos é uma lição que deve ser ensinada às crianças

Saber lidar com os próprios sentimentos é uma lição que deve ser ensinada às crianças

 17/05/2019

O grande problema na sociedade em que vivemos é que tanto crianças quanto adultos nem sempre encontram acolhimento para suas emoções. Sentimentos considerados negativos, como raiva, medo, ciúme e a própria tristeza, parecem não ter espaço em um mundo onde as pessoas não podem desperdiçar o tempo e há um imperativo para ser feliz e bem-resolvido o tempo todo. Além disso, a questão de gênero naturalmente impõe alguns padrões sobre como meninos e meninas devem lidar com seus sentimentos. Enquanto eles são encorajados a reagir com a agressividade, elas são incentivadas ao choro e à melancolia, mas sem reação. E isso começa cedo. Uma pesquisa publicada no periódico Behavioral Neuroscience, da Associação Americana de Psicologia, constatou que pais de meninas respondem mais às demandas emocionais das filhas, quando elas choram ou chamam por eles, do que os pais de meninos fazem com seus filhos. Possivelmente, porque há uma tolerância maior aos sentimentos delas.


A importância da construção dos valores para gerar transformação

A importância da construção dos valores para gerar transformação

 10/05/2019

O desenvolvimento socioemocional tem sido cada vez mais relevante nos debates internacionais sobre Educação. Parece que, finalmente, o mundo percebeu que o foco da escolarização em habilidades instrumentais e conhecimentos acadêmicos não o livrou das escolhas egoístas que levam à degradação social e ambiental.


A família e a educação emocional - Três dicas fundamentais para a preparação emocional dos filhos

A família e a educação emocional - Três dicas fundamentais para a preparação emocional dos filhos

 10/05/2019

Quando os pais deixam de criticar e/ou menosprezar e/ou desviar os filhos do que sentem, eles são capazes de se abrir e a emoção por trás do comportamento fica clara, esse movimento ajuda os pais a compreenderem o que de fato está acontecendo, ao mesmo tempo em que ajuda os filhos a confiarem mais nos pais e a vê-los como aliados - alguém com quem possam contar e pedir ajuda quando necessário.


Famílias: Urgências e Turbulências

Famílias: Urgências e Turbulências

 03/05/2019

No mês em que comemoramos o Dia Internacional da Família, busquei um texto que pudesse colaborar com as mais variadas famílias com as quais convivemos, a partir dos anseios, medos e inseguranças que compartilham conosco.


Escola como espaço de formar, dialogar e TRANS... FOR... MAR(SE)

Escola como espaço de formar, dialogar e TRANS... FOR... MAR(SE)

 26/04/2019

O ser humano se constitui na relação com outros seres humanos. Vivemos em sociedade, na sociedade somos formados e nela, também, podemos atuar e transformar.


O poder transformador da empatia nas relações humanas

O poder transformador da empatia nas relações humanas

 12/04/2019

A habilidade de aceitar e conviver bem com a diversidade nos torna mais empáticos e tolerantes. É o que vai nos permitir entrar numa sala de reuniões de uma organização transnacional para uma apresentação a ser feita e transmitir a mensagem que queremos de forma adequada para cada membro da plateia. Ser empático não se restringe às pessoas que conhecemos, mas principalmente com os desconhecidos ou mesmo com personalidades antagônicas. Este é um grande esforço que demanda sensibilidade, inteligência emocional e vontade, para se colocar no lugar do outro e experimentar uma nova perspectiva. Esta é uma habilidade que pode ser aprendida, mas que precisa ser diariamente cultivada.


It is up to you!

It is up to you!

 05/04/2019

Ao longo de minha vida profissional como professora de inglês e como coordenadora pedagógica, tive que responder a uma série de perguntas de pais de alunos. Uma das perguntas mais frequentes continua sendo: “Qual a idade ideal para que eu coloque meu(minha) filho(a) em uma aula de inglês?”.


Vídeo: A tragédia silenciosa que afeta os filhos de hoje (e o que fazer com isso)

Vídeo: A tragédia silenciosa que afeta os filhos de hoje (e o que fazer com isso)

 30/03/2019

Em um mundo extremamente conectado, sofremos, ironicamente, da desconexão doentia. Estamos desconectados de nós mesmos, das nossas necessidades, dos nossos corpos, das nossas emoções, da Natureza, uns dos outros. E precisamos fazer algo a respeito!

O vídeo acima é um verdadeiro convite à reflexão... Assista-o em família, exercite regras e combinados, dedique tempo a isso...


Projeto Conviver e Jogos Ativos: aulas complementares ao  desenvolvimento socioemocional

Projeto Conviver e Jogos Ativos: aulas complementares ao desenvolvimento socioemocional

 22/03/2019

Desenvolver as habilidades socioemocionais não é tarefa fácil para aqueles que se propõem a educar, principalmente a família e a escola. Os desafios do séc. XXI são muitos, ainda mais em um contexto histórico-social contraditório em valores, escolhas e atitudes.