Comunicação

Refletindo sobre o consumismo

Publicado em : 15/02/2019

Refletindo sobre o consumismo

_______________________________________________________________________________________________

Quem estimula? Como evitar? Qual a nossa responsabilidades? Qual o impacto do consumo nas nossas vidas e na vida planetária?

Ninguém nasce consumista. O consumismo é uma ideologia, um hábito mental forjado que se tornou uma das características culturais mais marcantes da sociedade atual. Não importa o gênero, a faixa etária, a nacionalidade, a crença ou o poder aquisitivo. Hoje, todos que são impactados pelas mídias de massa são estimulados a consumir de modo inconsequente.

As crianças, que vivenciam uma fase de peculiar desenvolvimento e, portanto, mais vulneráveis que os adultos, não ficam fora dessa lógica e infelizmente sofrem cada vez mais cedo com as graves consequências relacionadas aos excessos do consumismo: obesidade infantil, erotização precoce, consumo precoce de tabaco e álcool, estresse familiar, banalização da agressividade e violência, entre outras. Nesse sentido, o consumismo infantil é uma questão urgente, de extrema importância e interesse geral.

De pais e educadores a agentes do mercado global, todos voltam os olhares para a infância − os primeiros preocupados com o futuro das crianças, já os últimos fazem crer que estão preocupados apenas com a ganância de seus negócios. Para o mercado, antes de tudo, a criança é um consumidor em formação, consumidor de hoje e do amanhã, e uma poderosa influência nos processos de escolha de produtos ou serviços.

As crianças brasileiras influenciam 80% das decisões de compra de uma família (TNS/InterScience, outubro de 2003). Carros, roupas, alimentos, eletrodomésticos, quase tudo dentro de casa tem por trás o palpite de uma criança, salvo decisões relacionadas a planos de seguro, combustível e produtos de limpeza que têm pouca influência dos pequenos.

No Brasil, a publicidade na TV e na internet são as principais ferramentas do mercado para a persuasão do público infantil, que cada vez mais cedo é chamado a participar do universo adulto quando é diretamente exposto às complexidades das relações de consumo sem que esteja efetivamente preparado para isso.

As crianças são um alvo importante, não apenas porque escolhem o que seus pais compram e são tratadas como consumidores mirins, mas também porque impactadas desde muito jovens tendem a ser mais fiéis a marcas e ao próprio hábito consumista que lhes é praticamente imposto.

Nada, no meio publicitário, é deliberado sem um estudo detalhado. Em 2006, os investimentos publicitários destinados à categoria de produtos infantis foram de R$ 209 milhões(Ibope Monitor, 2005x2006, categorias infantis). No entanto, a publicidade não se dirige às crianças apenas para vender produtos infantis. Elas são assediadas pelo mercado como eficientes promotoras de vendas de produtos direcionados também aos adultos.

O Ibope Mídia, que anualmente divulga os dados de investimento publicitário no Brasil, constatou que foram movimentados cerca de R$ 112 bilhões em 2013 com publicidade. A televisão permanece a principal mídia utilizada pela publicidade, representando 70% do investimento. Ao cruzar essa informação com o fato de a criança brasileira passar em média cinco horas e 35 minutos por dia assistindo à programação televisiva (Painel Nacional de Televisores, Ibope 2015) é possível imaginar o impacto da publicidade na infância.

Apesar de toda essa força, a publicidade veiculada na televisão é apenas um dos fatores que contribuem para o consumismo infantil. A TNS, instituto de pesquisa que atua em mais de 70 países, divulgou dados em setembro de 2007 que evidenciaram outros fatores que influenciam as crianças brasileiras nas práticas de consumo. Elas sentem-se mais atraídas por produtos e serviços que sejam associados a personagens famosos, brindes, jogos e embalagens chamativas. A opinião dos amigos também foi identificada como uma forte influência.

No âmbito da alimentação, a publicidade é um fator que estimula a disseminação da maior epidemia infantil da história: a obesidade. A pesquisa  Targeting Children With Treats  (Alvejando crianças com guloseimas, em livre tradução do inglês) de 2013 aponta que as crianças que já têm sobrepeso aumentam em 134% o consumo de alimentos com altos teores de sódio, gorduras trans e saturadas e açúcar, quando expostas à publicidade destes produtos.

O consumismo está relacionado à ideia de devorar, destruir e extinguir. Se agora, tragédias naturais, como queimadas, furacões, inundações gigantescas, enchentes e períodos prolongados de seca, são muito mais comuns e frequentes, é porque a exploração irresponsável do meio ambiente prevaleceu ao longo de décadas.

Concentrar todos os esforços no consumo é contribuir, dia após dia, para o desequilíbrio global. O consumismo infantil, portanto, é um problema que não está ligado apenas à educação escolar e doméstica. Embora a questão seja tratada quase sempre como algo relacionado à esfera familiar, crianças que aprendem a consumir de forma inconsequente e desenvolvem critérios e valores distorcidos são de fato um problema de ordem ética, econômica e social.

O programa Criança e Consumo, do Alana, combate qualquer tipo de comunicação mercadológica dirigida às crianças por entender que os danos causados pela lógica insustentável do consumo irracional podem ser minorados e evitados, se efetivamente a infância for preservada em sua essência como o tempo indispensável e fundamental para a formação da cidadania. Indivíduos conscientes e responsáveis são a base de uma sociedade mais justa e fraterna, que tenha a qualidade de vida não apenas como um conceito a ser perseguido, mas uma prática a ser vivida.

Entre 2010 e 2012, o programa manteve um blog, com o objetivo de discutir os principais impactos do consumismo e da publicidade na formação da infância. Nele há diversos textos sobre cidadania e mobilização, comportamento, política e legislação, saúde e sustentabilidade.

____________________________

http://criancaeconsumo.org.br/consumismo-infantil/

Confira 5 dicas para minimizar o consumismo infantil na volta às aulas 2019

Dez conquistas contra a publicidade infantil em 2018


Projeto Conviver e Jogos Ativos: aulas complementares ao  desenvolvimento socioemocional

Projeto Conviver e Jogos Ativos: aulas complementares ao desenvolvimento socioemocional

 22/03/2019

Desenvolver as habilidades socioemocionais não é tarefa fácil para aqueles que se propõem a educar, principalmente a família e a escola. Os desafios do séc. XXI são muitos, ainda mais em um contexto histórico-social contraditório em valores, escolhas e atitudes.


Respostas simples para questões complexas

Respostas simples para questões complexas

 22/03/2019

O contato com a natureza, de acordo com ele, pode ressignificar a vida de adultos e crianças. O meio ambiente faz com que nossas crianças superestimuladas, possam ter suas energias dissipadas e reequilibradas. O convívio com árvores, gramados, parques, enfim, com o “verde” faz muito bem para a saúde física e mental.


Como lidar com o medo infantil?

Como lidar com o medo infantil?

 15/03/2019

Recentemente, temos sido surpreendidas com uma procura significativa de crianças e suas famílias pela OE, buscando ajuda para lidar com medos.


O período de adaptação e o desequilíbrio saudável

O período de adaptação e o desequilíbrio saudável

 15/03/2019

Se há algo que consegue tirar o sono de famílias, estudantes e equipe escolar, certamente, são os primeiros dias de aula de cada ano. Como escutei dias atrás de um professor: “[...] não adianta, com 14 anos de docência eu ainda sinto um frio na barriga nas primeiras aulas com cada turma”. Esse momento, marcado por uma avalanche de ansiedade, medos, dúvidas atinge todos que estão envolvidos no processo educacional, o que nos faz pensar em como atravessar esse período da melhor forma possível, evitando assim que o sofrimento frente ao incerto continue nos invadindo.


Sentimentos, atitudes e emoções baseiam nossas reflexões e ações...

Sentimentos, atitudes e emoções baseiam nossas reflexões e ações...

 01/03/2019

Sentimentos, atitudes e emoções baseiam nossas reflexões e ações... Equipe da Orientação Educacional – Unidade I __________________________________________________________________________________________ A Escola  Interamérica, desde a sua fundação, tem como pilar o [...]


Diálogo com um adolescente: tarefa impossível?

Diálogo com um adolescente: tarefa impossível?

 01/03/2019

Me coloco no lugar de um pai/mãe de um adolescente e imagino a alegria e a angústia que deve ser perceber o crescimento do filho. Digo isso baseado em algumas queixas que ouço como: “meu filho só quer ficar no celular”, “minha filha acho que só falo com ela pra pegar no pé”, “ele não sai do quarto pra nada”, “não tenho mais assunto com meu filho”, “ele não era assim até ano passado”, “toda conversa nossa acaba em briga”...e por aí vão as queixas. Já cheguei a ouvir a seguinte frase “não reconheço mais o meu filho”. No entanto, por mais que pareça impossível, esse diálogo com o seu filho é possível.


Superamos nosso período de adaptação 2019... Será?!

Superamos nosso período de adaptação 2019... Será?!

 22/02/2019

Sim, todos os anos nos redescobrimos como uma nova escola, já que novos integrantes chegam, novas perspectivas surgem e, com isso, novos rumos são traçados sempre.


Cazuza e meu bildungsroman

Cazuza e meu bildungsroman

 22/02/2019

O mundo mudou. A frase é repetitiva e lugar comum, no entanto, é fato. Muito em breve, começaremos a usar o DNA como espaço para armazenamento de dados. Quando eu era criança, assistia à série “O homem de seis milhões de dólares”, que apresentava um personagem com poderes sobre humanos. Tenho um bom amigo que no ano passado fez duas cirurgias de prótese nos joelhos – ambos agora têm um mecanismo de titânio substituindo o joelho original. Meu amigo é biônico? É um ciborgue? Não é mais 100% humano?


O afeto é algo que se aprende

O afeto é algo que se aprende

 15/02/2019

Na vida, passamos por diversos tipos de aprendizagem: matemática, línguas, ciências naturais, ciências humanas etc. A lista é extensa e quem frequenta a escola sabe bem do que eu estou falando. Conteúdos importantes, cada um nos ensinando a olhar a vida de um jeito novo.


Educar para a solidariedade

Educar para a solidariedade

 08/02/2019

“Não basta que as crianças ouçam falar de valores. Para aprender, elas devem experimentar e incorporar esses valores. Não basta sentir, experimentar e pensar sobre valores.