Comunicação

Que orientações e dicas de estudos são feitas aos nossos estudantes?

Publicado em : 17/08/2018

 

Que orientações e dicas de estudos são feitas aos nossos estudantes?             

 

por Andrea Ribeiro* 

      

Com a grande quantidade de matérias a estudar, muitas vezes, os estudantes se veem em um túnel sem saída. Começam a inventar desculpas, criando mais obstáculos que os afastam de sua linha de chegada.

Tenho tarefas de casa demais e ainda tem a tarefa de estudante.”

Tenho muitas atividades extras!

Olha o peso da minha mochila!

Com isso, vão se criando mais e mais desculpas.

Vou ver esse seriado e depois começo” >> lá se vão 5 episódios!

Vou deitar só para fazer a digestão” >> lá se vão 3 horas!

Vou entrar rapidinho na rede social para ver essa notificação” >> lá se vão 40 minutos!

Nossa mente busca formas de escapar das tarefas que julgamos mais chatas ou mais cansativas e, com o tempo, se torna uma máquina de desculpas e, o pior, nós aceitamos essas desculpas! Precisamos ter força de vontade e determinação para conquistarmos os objetivos. A Escola Interamérica cotidianamente reflete com os estudantes sobre a importância de aproveitar a sala de aula como espaço de aprendizagem e entender a rotina de estudo em casa como necessária para a consolidação do conhecimento.

Seguem algumas dicas para ajudar no melhor aproveitamento do estudante, em casa e na escola, em relação às tarefas de casa e de estudante (essas dicas também são trabalhadas com os estudantes aqui na Escola Interamérica)

  1. ORGANIZAÇÃO DA ROTINA  - ter um quadro/cronograma com os horários de atividades semanais e se esforçar para cumpri- los. Focar no cronograma e seguí-lo à risca! O cronograma é importante para ajudar a criar a disciplina e conseguir estudar todos os dias, principalmente, porque dá visibilidade e sensação de dever cumprido. Aprender não é um privilégio do acaso, é resultado de uma rotina de estudo, esforço diário e muito empenho. Dividindo o estudo por etapas, lendo, marcando, fazendo anotações e exercícios, o estudo ficará mais eficiente. A prática formará o hábito de estudo. O estudo como verdadeiro hábito, capaz de fazer parte da rotina semanal do estudante, deve ser uma atividade realizada sem a dependência de um adulto – isso é ter autonomia.
  2. AMBIENTE  - usar local adequado, silencioso e sem distrações que possam atrapalhar os estudos (televisão, computador, celular, movimento de pessoas etc).

  3. ORGANIZAÇÃO DOS MATERIAIS – ter em mãos todo material necessário para o momento de estudos – livros, cadernos, estojo; a falta de qualquer item interfere na concentração e no foco, reforçando as desculpas: “não posso estudar porque estou sem lápis”. 
  4. DEFINIÇÃO DE METAS – ao analisar seus resultados, pensar/propor ações para melhoria: revisar as aulas do dia, identificar dúvidas, fazer pesquisa, ler para aprofundamento de conteúdo ou para se preparar para a próxima aula, retomar conteúdos para avaliações, ler livros literários, entre outros. 
  5. METODOLOGIA DE ESTUDO – há vários métodos de estudo e cada pessoa vai praticando o que mais atende suas necessidades. É NECESSÁRIO EXPERIMENTÁ-LOS para que o estudante identifique aqueles que trazem maior eficiciência. Algumas sugestões:
    • REVISÃO DIÁRIA -Além de ajudar a não acumular matérias, estudar o conteúdo visto em sala de aula, no mesmo dia, fará com que o cérebro entenda que aquilo é importante, contribuindo para a sedimentação daqueles conceitos, o que gera uma aprendizagem mais significativa e duradoura. Além disso, para incorporar melhor as ideias, é preciso questionar sobre o tema estudado e depois tentar explicar o conteúdo com as próprias palavras (o estudante pode explicar para si mesmo, ou para outra pessoa). Outro benefício da revisão diária é a possibilidade de identificação de dúvidas. Ao fazer isso, o estudante pode “correr atrás”, por meio de pesquisas, para resolver essa pendência ou, caso não consiga sanar suas dúvidas, destacar (com um símbolo colorido, um marcador de texto) o ponto que ele precisa retomar, na próxima aula, com o professor. Com certeza, o estudante que tem essa prática de revisão diária, vai mais preparado na próxima aula, tendo perguntas a fazer ou trazendo ampliações do que pesquisou, ações que contribuem também para o aprendizado de todo o grupo.
    • ESTUDO ANTECIPADODevorar livros e resumos em cima da hora não adianta em nada. O cérebro precisa de um tempo para assimilar o conteúdo lido e aprendido. Para aumentar a capacidade de memorização, recomenda-se reservar três dias diferentes na semana para estudar antes de uma avaliação. A ideia é dedicar algumas horas de estudo para cada um desses dias. Sendo assim, deve-se começar esse processo pelo menos uma semana antes de cada avaliação.
    • REGISTRO EM CARTÕES Neste método de estudo, o estudante escreve, em cartões, os termos de maior relevância dos conteúdos, e pede a um familiar ou amigo que faça perguntas para verificar quantos deles conseguiu aprender. Os que não foram lembrados/fixados devem ser relidos para que o processo seja feito outra vez, até que o estudante lembre-se dos termos de todos os cartões.
    • FICHAMENTO OU RESUMO - Ler atentamente o livro-texto é um passo obrigatório em qualquer preparação, mas o estudo não pode terminar por aí. Também é fundamental reorganizar as informações lidas com as próprias palavras. Uma forma de fazer isso é elaborar fichamentos, isto é, sínteses esquemáticas de cada texto. Outra possibilidade é redigir um resumo, reescrevendo com as próprias palavras o conteúdo estudado. Pode ser um texto corrido ou por tópicos: o importante é traduzir as ideias para a uma linguagem própria, incluindo interpretações e comentários pessoais sobre o tema.
    • MAPA MENTAL - O mapa mental é uma ferramenta que ajuda a mapear as ideias, uma forma de criar associações entre diferentes informações e guiar o pensamento sempre que for difícil organizá-lo. Um mapa mental possui como centro um tema e vai se ramificando a partir de palavras ou imagens que conectam ideias e informações ligadas ao tema central. Objetivos de um mapa mental: facilitar a memorização, organizar os pensamentos, expressar a criatividade.

Na Escola, orientamos que o estudante:

  • Aproveite o tempo em sala de aula.
  • Evite distrações com conversas paralelas e brincadeiras com os colegas.
  • Preste muita atenção às explicações dos professores, realizando as atividades com muita atenção e responsabilidade.
  • Pergunte, tire todas as dúvidas, não fique com receio ou vergonha, pois a sala de aula é o local adequado para isso.

 

Conhecendo o que trabalhamos na escola, a família pode aproveitar este material em casa e reforçar essa rotina.

 

 

*Andrea Ribeiro é Orientadora Educacional do 6º Ano da Escola Interamérica.


Desenvolvimento e desafios: 2018 em revista.

Desenvolvimento e desafios: 2018 em revista.

 30/11/2018

“A escola é um universo que colide com outro universo, que é o aluno do novo século, que está conectado com diversas tendências, diversas formas de pensar e com muitos caminhos possíveis para trilhar.”**

Neste contexto, estamos sempre nos reconstruindo para atender e entender esses jovens com seu universo em expansão e que necessitam de um espaço cujo conhecimento seja agregador, envolvente, abrangente e humanizador. Sabemos da nossa responsabilidade em formar pensadores, mentes conectadas com seu tempo, pessoas relevantes, autênticas, éticas e desbravadoras.


Feira Cultural: espaço de comunicação e aprendizagem

Feira Cultural: espaço de comunicação e aprendizagem

 23/11/2018

É publico e notório que o ser humano aprende fazendo, e mais, aprende de fato quando ensina. Não é à toa que as licenciaturas têm em seus currículos momentos nos quais os(as) futuros(as) professores(as) devem preparar aulas, lecioná-las e posteriormente avaliar os resultados obtidos de maneira a qualificar o trabalho desenvolvido. No entanto, ainda assim nada substitui a experiência do fazer com o outro. De maneira análoga, dentre os objetivos da Feira Cultural, podemos listar a comunicação de resultados e o trabalho colaborativo, estas competências do século XXI, que na verdade são atemporais e não tem prazo de validade. Aprende-se muito quando se faz.


Adultos autênticos. Jovens seguros.

Adultos autênticos. Jovens seguros.

 09/11/2018

Os jovens, em processo de formação, buscam encontrar modelos nos adultos com quem convivem e, quase sempre inconscientemente, testam-nos para saber se podem confiar neles, se eles lhes trazem a segurança necessária para a sua formação. Se não encontram nesses, vão, invariavelmente, buscar essa segurança noutras opções, noutras possibilidades nem sempre recomendáveis, como temos visto frequentemente no dia a dia e pela imprensa.

Entretanto, cabe perguntar qual é aquele “modelo” de adulto que satisfaz a procura do jovem.


Lidando com um adolescente através da Comunicação Não Violenta (CNV)

Lidando com um adolescente através da Comunicação Não Violenta (CNV)

 26/10/2018

O adolescente, diferente da criança, pode não demonstrar facilmente aquilo que sente, nem falar de seus conflitos, tristezas e frustrações. E esse comportamento torna desafiador para a família compreender as emoções do jovem e lidar com elas, em especial quando não existe ou há pouco diálogo familiar.

Dentre inúmeras ferramentas ou meios de lidar com as emoções dos adolescentes, trouxemos aqui, para contribuir com a harmonia familiar, a COMUNICAÇÂO NÃO VIOLENTA (CNV), uma abordagem proposta pelo psicólogo americano Marshall B Rosenberg.


A Relação entre Pais e Filhos

A Relação entre Pais e Filhos

 19/10/2018

Segundo o psicoterapeuta e educador Leo Fraiman, autor do livro “Meu filho chegou à adolescência, e agora? Como construir um projeto de vida juntos” (Editora Integrare), nem tudo que o adolescente faz é por birra ou pura rebeldia. E, antes de culpá-los por um relacionamento distante, os pais também devem notar os próprios erros.


Filhos não são presentes

Filhos não são presentes

 05/10/2018

Filhos não são presentes. São surpresas que a vida nos proporciona. Um presente, quando não gostamos, ou quando não nos serve, resolvemos de forma simples: trocamos, passamos pra frente, ou guardamos com a intenção de não magoar quem nos presenteou e juramos pra nós mesmos que, algum dia, usaremos. Já nossos filhos! Ah que bela e não tão fácil surpresa. Um filho pode nunca vir a ser o que tanto sonhamos. Não podemos simplesmente trocá-los ou fingirmos que não existem. Ainda bem! Eles não podem carregar todas as nossas expectativas, pois elas são só nossas.


O que pretende a educação em valores?

O que pretende a educação em valores?

 28/09/2018

O principal objetivo da educação em valores é ajudar os alunos a aprender a viver. Essa é a primeira tarefa dos seres humanos, porque, apesar de estarmos preparados para viver, precisamos adotar um modo de vida que seja sustentável


O que te faz sentir (bem)?

O que te faz sentir (bem)?

 28/09/2018

A felicidade é uma questão relativa. Algumas pessoas vão dizer que estão nas coisas simples da vida; outras em conquistar seus objetivos, seus sonhos; outras pessoas vão dizer que ela está nas boas relações. Mas, mesmo sendo tão relativa, a felicidade é o objetivo de todos e é colocada, na maioria das vezes, em um local inalcançável, em um futuro distante ou ao final de uma jornada bem específica que só alcançamos depois de matar alguns monstros e desenvolver certas habilidades.


A ausência nas relações

A ausência nas relações

 24/09/2018

Atualmente, fala-se muito em fragilidade emocional, os desafios de educar na era digital, a desconexão entre os indivíduos e a superficialidade das relações. Tudo isso não é novidade, mas o que de fato poderia ser feito para mudar esse cenário?

A vulnerabilidade das relações é perceptível, inclusive numa das relações mais estruturantes que é entre pais e filhos. Sempre houve uma diferença conflituosa entre as gerações, diferença esta, salutar, uma vez que promovia discussões, desentendimentos, conversas, questionamentos, mas, com certeza, também muito aprendizado. Mais forte que isso é pensar que as discussões não aconteciam pelo Whatsapp ou pelas redes sociais, as pessoas não eram simplesmente bloqueadas como se assim os conflitos fossem resolvidos. Havia olho no olho, havia presença física.


O desafio de transmitir bons valores

O desafio de transmitir bons valores

 14/09/2018

As últimas décadas assistiram a enormes mudanças na família, especialmente no que se refere à educação dos filhos. Há pouco tempo, ser bom pai significava ensinar a respeitar os mais velhos, dar estudo, segurança etc.