Comunicação

Que orientações e dicas de estudos são feitas aos nossos estudantes?

Publicado em : 17/08/2018

 

Que orientações e dicas de estudos são feitas aos nossos estudantes?             

 

por Andrea Ribeiro* 

      

Com a grande quantidade de matérias a estudar, muitas vezes, os estudantes se veem em um túnel sem saída. Começam a inventar desculpas, criando mais obstáculos que os afastam de sua linha de chegada.

Tenho tarefas de casa demais e ainda tem a tarefa de estudante.”

Tenho muitas atividades extras!

Olha o peso da minha mochila!

Com isso, vão se criando mais e mais desculpas.

Vou ver esse seriado e depois começo” >> lá se vão 5 episódios!

Vou deitar só para fazer a digestão” >> lá se vão 3 horas!

Vou entrar rapidinho na rede social para ver essa notificação” >> lá se vão 40 minutos!

Nossa mente busca formas de escapar das tarefas que julgamos mais chatas ou mais cansativas e, com o tempo, se torna uma máquina de desculpas e, o pior, nós aceitamos essas desculpas! Precisamos ter força de vontade e determinação para conquistarmos os objetivos. A Escola Interamérica cotidianamente reflete com os estudantes sobre a importância de aproveitar a sala de aula como espaço de aprendizagem e entender a rotina de estudo em casa como necessária para a consolidação do conhecimento.

Seguem algumas dicas para ajudar no melhor aproveitamento do estudante, em casa e na escola, em relação às tarefas de casa e de estudante (essas dicas também são trabalhadas com os estudantes aqui na Escola Interamérica)

  1. ORGANIZAÇÃO DA ROTINA  - ter um quadro/cronograma com os horários de atividades semanais e se esforçar para cumpri- los. Focar no cronograma e seguí-lo à risca! O cronograma é importante para ajudar a criar a disciplina e conseguir estudar todos os dias, principalmente, porque dá visibilidade e sensação de dever cumprido. Aprender não é um privilégio do acaso, é resultado de uma rotina de estudo, esforço diário e muito empenho. Dividindo o estudo por etapas, lendo, marcando, fazendo anotações e exercícios, o estudo ficará mais eficiente. A prática formará o hábito de estudo. O estudo como verdadeiro hábito, capaz de fazer parte da rotina semanal do estudante, deve ser uma atividade realizada sem a dependência de um adulto – isso é ter autonomia.
  2. AMBIENTE  - usar local adequado, silencioso e sem distrações que possam atrapalhar os estudos (televisão, computador, celular, movimento de pessoas etc).

  3. ORGANIZAÇÃO DOS MATERIAIS – ter em mãos todo material necessário para o momento de estudos – livros, cadernos, estojo; a falta de qualquer item interfere na concentração e no foco, reforçando as desculpas: “não posso estudar porque estou sem lápis”. 
  4. DEFINIÇÃO DE METAS – ao analisar seus resultados, pensar/propor ações para melhoria: revisar as aulas do dia, identificar dúvidas, fazer pesquisa, ler para aprofundamento de conteúdo ou para se preparar para a próxima aula, retomar conteúdos para avaliações, ler livros literários, entre outros. 
  5. METODOLOGIA DE ESTUDO – há vários métodos de estudo e cada pessoa vai praticando o que mais atende suas necessidades. É NECESSÁRIO EXPERIMENTÁ-LOS para que o estudante identifique aqueles que trazem maior eficiciência. Algumas sugestões:
    • REVISÃO DIÁRIA -Além de ajudar a não acumular matérias, estudar o conteúdo visto em sala de aula, no mesmo dia, fará com que o cérebro entenda que aquilo é importante, contribuindo para a sedimentação daqueles conceitos, o que gera uma aprendizagem mais significativa e duradoura. Além disso, para incorporar melhor as ideias, é preciso questionar sobre o tema estudado e depois tentar explicar o conteúdo com as próprias palavras (o estudante pode explicar para si mesmo, ou para outra pessoa). Outro benefício da revisão diária é a possibilidade de identificação de dúvidas. Ao fazer isso, o estudante pode “correr atrás”, por meio de pesquisas, para resolver essa pendência ou, caso não consiga sanar suas dúvidas, destacar (com um símbolo colorido, um marcador de texto) o ponto que ele precisa retomar, na próxima aula, com o professor. Com certeza, o estudante que tem essa prática de revisão diária, vai mais preparado na próxima aula, tendo perguntas a fazer ou trazendo ampliações do que pesquisou, ações que contribuem também para o aprendizado de todo o grupo.
    • ESTUDO ANTECIPADODevorar livros e resumos em cima da hora não adianta em nada. O cérebro precisa de um tempo para assimilar o conteúdo lido e aprendido. Para aumentar a capacidade de memorização, recomenda-se reservar três dias diferentes na semana para estudar antes de uma avaliação. A ideia é dedicar algumas horas de estudo para cada um desses dias. Sendo assim, deve-se começar esse processo pelo menos uma semana antes de cada avaliação.
    • REGISTRO EM CARTÕES Neste método de estudo, o estudante escreve, em cartões, os termos de maior relevância dos conteúdos, e pede a um familiar ou amigo que faça perguntas para verificar quantos deles conseguiu aprender. Os que não foram lembrados/fixados devem ser relidos para que o processo seja feito outra vez, até que o estudante lembre-se dos termos de todos os cartões.
    • FICHAMENTO OU RESUMO - Ler atentamente o livro-texto é um passo obrigatório em qualquer preparação, mas o estudo não pode terminar por aí. Também é fundamental reorganizar as informações lidas com as próprias palavras. Uma forma de fazer isso é elaborar fichamentos, isto é, sínteses esquemáticas de cada texto. Outra possibilidade é redigir um resumo, reescrevendo com as próprias palavras o conteúdo estudado. Pode ser um texto corrido ou por tópicos: o importante é traduzir as ideias para a uma linguagem própria, incluindo interpretações e comentários pessoais sobre o tema.
    • MAPA MENTAL - O mapa mental é uma ferramenta que ajuda a mapear as ideias, uma forma de criar associações entre diferentes informações e guiar o pensamento sempre que for difícil organizá-lo. Um mapa mental possui como centro um tema e vai se ramificando a partir de palavras ou imagens que conectam ideias e informações ligadas ao tema central. Objetivos de um mapa mental: facilitar a memorização, organizar os pensamentos, expressar a criatividade.

Na Escola, orientamos que o estudante:

  • Aproveite o tempo em sala de aula.
  • Evite distrações com conversas paralelas e brincadeiras com os colegas.
  • Preste muita atenção às explicações dos professores, realizando as atividades com muita atenção e responsabilidade.
  • Pergunte, tire todas as dúvidas, não fique com receio ou vergonha, pois a sala de aula é o local adequado para isso.

 

Conhecendo o que trabalhamos na escola, a família pode aproveitar este material em casa e reforçar essa rotina.

 

 

*Andrea Ribeiro é Orientadora Educacional do 6º Ano da Escola Interamérica.


Novos olhares para o mau comportamento

Novos olhares para o mau comportamento

 17/05/2019

Estudar é uma prática constante entre os educadores na nossa escola. A cada demanda, contexto, anseios e problematizações buscamos nos estudos, na literatura e nos especialistas de cada área do conhecimento, o respaldo teórico para nortear e refletir sobre nossas práticas.


Saber lidar com os próprios sentimentos é uma lição que deve ser ensinada às crianças

Saber lidar com os próprios sentimentos é uma lição que deve ser ensinada às crianças

 17/05/2019

O grande problema na sociedade em que vivemos é que tanto crianças quanto adultos nem sempre encontram acolhimento para suas emoções. Sentimentos considerados negativos, como raiva, medo, ciúme e a própria tristeza, parecem não ter espaço em um mundo onde as pessoas não podem desperdiçar o tempo e há um imperativo para ser feliz e bem-resolvido o tempo todo. Além disso, a questão de gênero naturalmente impõe alguns padrões sobre como meninos e meninas devem lidar com seus sentimentos. Enquanto eles são encorajados a reagir com a agressividade, elas são incentivadas ao choro e à melancolia, mas sem reação. E isso começa cedo. Uma pesquisa publicada no periódico Behavioral Neuroscience, da Associação Americana de Psicologia, constatou que pais de meninas respondem mais às demandas emocionais das filhas, quando elas choram ou chamam por eles, do que os pais de meninos fazem com seus filhos. Possivelmente, porque há uma tolerância maior aos sentimentos delas.


A importância da construção dos valores para gerar transformação

A importância da construção dos valores para gerar transformação

 10/05/2019

O desenvolvimento socioemocional tem sido cada vez mais relevante nos debates internacionais sobre Educação. Parece que, finalmente, o mundo percebeu que o foco da escolarização em habilidades instrumentais e conhecimentos acadêmicos não o livrou das escolhas egoístas que levam à degradação social e ambiental.


A família e a educação emocional - Três dicas fundamentais para a preparação emocional dos filhos

A família e a educação emocional - Três dicas fundamentais para a preparação emocional dos filhos

 10/05/2019

Quando os pais deixam de criticar e/ou menosprezar e/ou desviar os filhos do que sentem, eles são capazes de se abrir e a emoção por trás do comportamento fica clara, esse movimento ajuda os pais a compreenderem o que de fato está acontecendo, ao mesmo tempo em que ajuda os filhos a confiarem mais nos pais e a vê-los como aliados - alguém com quem possam contar e pedir ajuda quando necessário.


Famílias: Urgências e Turbulências

Famílias: Urgências e Turbulências

 03/05/2019

No mês em que comemoramos o Dia Internacional da Família, busquei um texto que pudesse colaborar com as mais variadas famílias com as quais convivemos, a partir dos anseios, medos e inseguranças que compartilham conosco.


Escola como espaço de formar, dialogar e TRANS... FOR... MAR(SE)

Escola como espaço de formar, dialogar e TRANS... FOR... MAR(SE)

 26/04/2019

O ser humano se constitui na relação com outros seres humanos. Vivemos em sociedade, na sociedade somos formados e nela, também, podemos atuar e transformar.


O poder transformador da empatia nas relações humanas

O poder transformador da empatia nas relações humanas

 12/04/2019

A habilidade de aceitar e conviver bem com a diversidade nos torna mais empáticos e tolerantes. É o que vai nos permitir entrar numa sala de reuniões de uma organização transnacional para uma apresentação a ser feita e transmitir a mensagem que queremos de forma adequada para cada membro da plateia. Ser empático não se restringe às pessoas que conhecemos, mas principalmente com os desconhecidos ou mesmo com personalidades antagônicas. Este é um grande esforço que demanda sensibilidade, inteligência emocional e vontade, para se colocar no lugar do outro e experimentar uma nova perspectiva. Esta é uma habilidade que pode ser aprendida, mas que precisa ser diariamente cultivada.


It is up to you!

It is up to you!

 05/04/2019

Ao longo de minha vida profissional como professora de inglês e como coordenadora pedagógica, tive que responder a uma série de perguntas de pais de alunos. Uma das perguntas mais frequentes continua sendo: “Qual a idade ideal para que eu coloque meu(minha) filho(a) em uma aula de inglês?”.


Vídeo: A tragédia silenciosa que afeta os filhos de hoje (e o que fazer com isso)

Vídeo: A tragédia silenciosa que afeta os filhos de hoje (e o que fazer com isso)

 30/03/2019

Em um mundo extremamente conectado, sofremos, ironicamente, da desconexão doentia. Estamos desconectados de nós mesmos, das nossas necessidades, dos nossos corpos, das nossas emoções, da Natureza, uns dos outros. E precisamos fazer algo a respeito!

O vídeo acima é um verdadeiro convite à reflexão... Assista-o em família, exercite regras e combinados, dedique tempo a isso...


Projeto Conviver e Jogos Ativos: aulas complementares ao  desenvolvimento socioemocional

Projeto Conviver e Jogos Ativos: aulas complementares ao desenvolvimento socioemocional

 22/03/2019

Desenvolver as habilidades socioemocionais não é tarefa fácil para aqueles que se propõem a educar, principalmente a família e a escola. Os desafios do séc. XXI são muitos, ainda mais em um contexto histórico-social contraditório em valores, escolhas e atitudes.