Comunicação

O período de adaptação e o desequilíbrio saudável

Publicado em : 15/03/2019

 

"O período de adaptação e o desequilíbrio saudável "              

         

 

por Tatiely P. Araújo*

 

Se há algo que consegue tirar o sono de famílias, estudantes e equipe escolar, certamente, são os primeiros dias de aula de cada ano. Como escutei dias atrás de um professor: “[...] não adianta, com 14 anos de docência eu ainda sinto um frio na barriga nas primeiras aulas com cada turma”. Esse momento, marcado por uma avalanche de ansiedade, medos, dúvidas atinge todos que estão envolvidos no processo educacional, o que nos faz pensar em como atravessar esse período da melhor forma possível, evitando assim que o sofrimento frente ao incerto continue nos invadindo.

Esse período, marcado muitas vezes por uma mudança drástica na rotina escolar para todos envolvidos no processo educacional, é especialmente sentido pelos estudantes que ingressam no 6º Ano. Além de estarem vivendo o início das angústias da adolescência, estão deixando de ser os maiores da Escola anterior para serem os menores da escola atual, se sentindo, assim, inseguros no novo papel que estão ocupando. Se voltarmos no tempo, lembraremos bem do que essa etapa representa, uma angústia que parece ser eterna e imensurável. Nós que passamos por isso sabemos bem dizer o quanto essa etapa significa um grande desafio que nos exige sair da zona de conforto.

E nós, como pais, como ficamos e ajudamos a superar ou a lidar com essas angústias da adaptação? Deixar de ser pais de uma criança para ser pais de um adolescente, por muitas vezes, nos aterroriza frente aos conflitos que essa passagem nos coloca hoje. Entretanto, por mais que tentamos evitar, esse momento também pode ser visto como a possibilidade de descobrir novas potencialidades e reconhecer nos filhos formas de enfrentamento que até então não se enxergavam.

Piaget, reconhecido psicólogo suíço, realizou relevantes estudos sobre o desenvolvimento humano e concluiu que nós, seres humanos, só conseguimos desenvolver nossas funções cognitivas por meio de um processo de adaptação, que requer anteriormente uma vivência efetiva de desequilíbrio. Segundo ele, o desequilíbrio se dá quando nos deparamos com objetos e situações inusitadas, em que ainda não temos uma estrutura cognitiva para pensar e agir em conformidade com a situação. Esse processo é constante, e é ele que nos faz desenvolver não só as nossas competências intelectuais, mas as nossas habilidades socioemocionais.

Se tratando do período da adolescência, o desequilíbrio, além de ser constante em diversos setores, é intenso, o que requer de nós uma nova forma de olhar para os filhos. Podemos, a partir disso, olhar para esse período de adaptação na Escola que as vezes é tão sofrido e angustiante como um desequilíbrio saudável, em que, diferente de outros momentos, não podemos fazer por eles, e sim acompanhar e ajudar os nossos adolescentes se aventurarem e se adaptarem aos conflitos da vida adulta.

Abrir espaço para o acolhimento de sentimentos tão confusos e intensos, em que possa haver uma escuta ativa das angústias e ansiedades presentes nesse momento, talvez seja a melhor maneira que a família pode contribuir para esse processo. Promover conversas em que esse sofrimento possa ser reconhecido e validado podendo até mesmo compartilhar experiências, contribui para além de uma maior aproximação com os filhos, com a sensação de que o que estão passando é comum, e que até mesmo aqueles que eles julgam não estar sendo afetados por isso podem estar na mesma situação.

Sendo assim, diante da angústia de ver os filhos crescendo e do medo que esse fato pode trazer, seja também um momento de reconhecimento do quanto eles mesmos já conseguem ter autonomia para resolver as suas questões e conflitos. Acolher, acompanhar, orientar e reconhecer as formas de enfretamento que eles desenvolvem, agora não mais como crianças, e sim como adolescentes, talvez seja a melhor forma de contribuir para que esse mar de intensidades das primeiras aulas não acabe, mas traga com elas novos aprendizados que seguirão para a vida toda.

*Tatiely P. Araújo é Psicóloga Escolar da Escola Interamérica - Unidade II e Especialista em Docência do Ensino Superior pela Faculdade Brasileira de Educação e Cultura.

 

 

 


Novos olhares para o mau comportamento

Novos olhares para o mau comportamento

 17/05/2019

Estudar é uma prática constante entre os educadores na nossa escola. A cada demanda, contexto, anseios e problematizações buscamos nos estudos, na literatura e nos especialistas de cada área do conhecimento, o respaldo teórico para nortear e refletir sobre nossas práticas.


Saber lidar com os próprios sentimentos é uma lição que deve ser ensinada às crianças

Saber lidar com os próprios sentimentos é uma lição que deve ser ensinada às crianças

 17/05/2019

O grande problema na sociedade em que vivemos é que tanto crianças quanto adultos nem sempre encontram acolhimento para suas emoções. Sentimentos considerados negativos, como raiva, medo, ciúme e a própria tristeza, parecem não ter espaço em um mundo onde as pessoas não podem desperdiçar o tempo e há um imperativo para ser feliz e bem-resolvido o tempo todo. Além disso, a questão de gênero naturalmente impõe alguns padrões sobre como meninos e meninas devem lidar com seus sentimentos. Enquanto eles são encorajados a reagir com a agressividade, elas são incentivadas ao choro e à melancolia, mas sem reação. E isso começa cedo. Uma pesquisa publicada no periódico Behavioral Neuroscience, da Associação Americana de Psicologia, constatou que pais de meninas respondem mais às demandas emocionais das filhas, quando elas choram ou chamam por eles, do que os pais de meninos fazem com seus filhos. Possivelmente, porque há uma tolerância maior aos sentimentos delas.


A importância da construção dos valores para gerar transformação

A importância da construção dos valores para gerar transformação

 10/05/2019

O desenvolvimento socioemocional tem sido cada vez mais relevante nos debates internacionais sobre Educação. Parece que, finalmente, o mundo percebeu que o foco da escolarização em habilidades instrumentais e conhecimentos acadêmicos não o livrou das escolhas egoístas que levam à degradação social e ambiental.


A família e a educação emocional - Três dicas fundamentais para a preparação emocional dos filhos

A família e a educação emocional - Três dicas fundamentais para a preparação emocional dos filhos

 10/05/2019

Quando os pais deixam de criticar e/ou menosprezar e/ou desviar os filhos do que sentem, eles são capazes de se abrir e a emoção por trás do comportamento fica clara, esse movimento ajuda os pais a compreenderem o que de fato está acontecendo, ao mesmo tempo em que ajuda os filhos a confiarem mais nos pais e a vê-los como aliados - alguém com quem possam contar e pedir ajuda quando necessário.


Famílias: Urgências e Turbulências

Famílias: Urgências e Turbulências

 03/05/2019

No mês em que comemoramos o Dia Internacional da Família, busquei um texto que pudesse colaborar com as mais variadas famílias com as quais convivemos, a partir dos anseios, medos e inseguranças que compartilham conosco.


Escola como espaço de formar, dialogar e TRANS... FOR... MAR(SE)

Escola como espaço de formar, dialogar e TRANS... FOR... MAR(SE)

 26/04/2019

O ser humano se constitui na relação com outros seres humanos. Vivemos em sociedade, na sociedade somos formados e nela, também, podemos atuar e transformar.


O poder transformador da empatia nas relações humanas

O poder transformador da empatia nas relações humanas

 12/04/2019

A habilidade de aceitar e conviver bem com a diversidade nos torna mais empáticos e tolerantes. É o que vai nos permitir entrar numa sala de reuniões de uma organização transnacional para uma apresentação a ser feita e transmitir a mensagem que queremos de forma adequada para cada membro da plateia. Ser empático não se restringe às pessoas que conhecemos, mas principalmente com os desconhecidos ou mesmo com personalidades antagônicas. Este é um grande esforço que demanda sensibilidade, inteligência emocional e vontade, para se colocar no lugar do outro e experimentar uma nova perspectiva. Esta é uma habilidade que pode ser aprendida, mas que precisa ser diariamente cultivada.


It is up to you!

It is up to you!

 05/04/2019

Ao longo de minha vida profissional como professora de inglês e como coordenadora pedagógica, tive que responder a uma série de perguntas de pais de alunos. Uma das perguntas mais frequentes continua sendo: “Qual a idade ideal para que eu coloque meu(minha) filho(a) em uma aula de inglês?”.


Vídeo: A tragédia silenciosa que afeta os filhos de hoje (e o que fazer com isso)

Vídeo: A tragédia silenciosa que afeta os filhos de hoje (e o que fazer com isso)

 30/03/2019

Em um mundo extremamente conectado, sofremos, ironicamente, da desconexão doentia. Estamos desconectados de nós mesmos, das nossas necessidades, dos nossos corpos, das nossas emoções, da Natureza, uns dos outros. E precisamos fazer algo a respeito!

O vídeo acima é um verdadeiro convite à reflexão... Assista-o em família, exercite regras e combinados, dedique tempo a isso...


Projeto Conviver e Jogos Ativos: aulas complementares ao  desenvolvimento socioemocional

Projeto Conviver e Jogos Ativos: aulas complementares ao desenvolvimento socioemocional

 22/03/2019

Desenvolver as habilidades socioemocionais não é tarefa fácil para aqueles que se propõem a educar, principalmente a família e a escola. Os desafios do séc. XXI são muitos, ainda mais em um contexto histórico-social contraditório em valores, escolhas e atitudes.