Comunicação

O período de adaptação e o desequilíbrio saudável

Publicado em : 15/03/2019

 

"O período de adaptação e o desequilíbrio saudável "              

         

 

por Tatiely P. Araújo*

 

Se há algo que consegue tirar o sono de famílias, estudantes e equipe escolar, certamente, são os primeiros dias de aula de cada ano. Como escutei dias atrás de um professor: “[...] não adianta, com 14 anos de docência eu ainda sinto um frio na barriga nas primeiras aulas com cada turma”. Esse momento, marcado por uma avalanche de ansiedade, medos, dúvidas atinge todos que estão envolvidos no processo educacional, o que nos faz pensar em como atravessar esse período da melhor forma possível, evitando assim que o sofrimento frente ao incerto continue nos invadindo.

Esse período, marcado muitas vezes por uma mudança drástica na rotina escolar para todos envolvidos no processo educacional, é especialmente sentido pelos estudantes que ingressam no 6º Ano. Além de estarem vivendo o início das angústias da adolescência, estão deixando de ser os maiores da Escola anterior para serem os menores da escola atual, se sentindo, assim, inseguros no novo papel que estão ocupando. Se voltarmos no tempo, lembraremos bem do que essa etapa representa, uma angústia que parece ser eterna e imensurável. Nós que passamos por isso sabemos bem dizer o quanto essa etapa significa um grande desafio que nos exige sair da zona de conforto.

E nós, como pais, como ficamos e ajudamos a superar ou a lidar com essas angústias da adaptação? Deixar de ser pais de uma criança para ser pais de um adolescente, por muitas vezes, nos aterroriza frente aos conflitos que essa passagem nos coloca hoje. Entretanto, por mais que tentamos evitar, esse momento também pode ser visto como a possibilidade de descobrir novas potencialidades e reconhecer nos filhos formas de enfrentamento que até então não se enxergavam.

Piaget, reconhecido psicólogo suíço, realizou relevantes estudos sobre o desenvolvimento humano e concluiu que nós, seres humanos, só conseguimos desenvolver nossas funções cognitivas por meio de um processo de adaptação, que requer anteriormente uma vivência efetiva de desequilíbrio. Segundo ele, o desequilíbrio se dá quando nos deparamos com objetos e situações inusitadas, em que ainda não temos uma estrutura cognitiva para pensar e agir em conformidade com a situação. Esse processo é constante, e é ele que nos faz desenvolver não só as nossas competências intelectuais, mas as nossas habilidades socioemocionais.

Se tratando do período da adolescência, o desequilíbrio, além de ser constante em diversos setores, é intenso, o que requer de nós uma nova forma de olhar para os filhos. Podemos, a partir disso, olhar para esse período de adaptação na Escola que as vezes é tão sofrido e angustiante como um desequilíbrio saudável, em que, diferente de outros momentos, não podemos fazer por eles, e sim acompanhar e ajudar os nossos adolescentes se aventurarem e se adaptarem aos conflitos da vida adulta.

Abrir espaço para o acolhimento de sentimentos tão confusos e intensos, em que possa haver uma escuta ativa das angústias e ansiedades presentes nesse momento, talvez seja a melhor maneira que a família pode contribuir para esse processo. Promover conversas em que esse sofrimento possa ser reconhecido e validado podendo até mesmo compartilhar experiências, contribui para além de uma maior aproximação com os filhos, com a sensação de que o que estão passando é comum, e que até mesmo aqueles que eles julgam não estar sendo afetados por isso podem estar na mesma situação.

Sendo assim, diante da angústia de ver os filhos crescendo e do medo que esse fato pode trazer, seja também um momento de reconhecimento do quanto eles mesmos já conseguem ter autonomia para resolver as suas questões e conflitos. Acolher, acompanhar, orientar e reconhecer as formas de enfretamento que eles desenvolvem, agora não mais como crianças, e sim como adolescentes, talvez seja a melhor forma de contribuir para que esse mar de intensidades das primeiras aulas não acabe, mas traga com elas novos aprendizados que seguirão para a vida toda.

*Tatiely P. Araújo é Psicóloga Escolar da Escola Interamérica - Unidade II e Especialista em Docência do Ensino Superior pela Faculdade Brasileira de Educação e Cultura.

 

 

 


Projeto Conviver e Jogos Ativos: aulas complementares ao  desenvolvimento socioemocional

Projeto Conviver e Jogos Ativos: aulas complementares ao desenvolvimento socioemocional

 22/03/2019

Desenvolver as habilidades socioemocionais não é tarefa fácil para aqueles que se propõem a educar, principalmente a família e a escola. Os desafios do séc. XXI são muitos, ainda mais em um contexto histórico-social contraditório em valores, escolhas e atitudes.


Respostas simples para questões complexas

Respostas simples para questões complexas

 22/03/2019

O contato com a natureza, de acordo com ele, pode ressignificar a vida de adultos e crianças. O meio ambiente faz com que nossas crianças superestimuladas, possam ter suas energias dissipadas e reequilibradas. O convívio com árvores, gramados, parques, enfim, com o “verde” faz muito bem para a saúde física e mental.


Como lidar com o medo infantil?

Como lidar com o medo infantil?

 15/03/2019

Recentemente, temos sido surpreendidas com uma procura significativa de crianças e suas famílias pela OE, buscando ajuda para lidar com medos.


Sentimentos, atitudes e emoções baseiam nossas reflexões e ações...

Sentimentos, atitudes e emoções baseiam nossas reflexões e ações...

 01/03/2019

Sentimentos, atitudes e emoções baseiam nossas reflexões e ações... Equipe da Orientação Educacional – Unidade I __________________________________________________________________________________________ A Escola  Interamérica, desde a sua fundação, tem como pilar o [...]


Diálogo com um adolescente: tarefa impossível?

Diálogo com um adolescente: tarefa impossível?

 01/03/2019

Me coloco no lugar de um pai/mãe de um adolescente e imagino a alegria e a angústia que deve ser perceber o crescimento do filho. Digo isso baseado em algumas queixas que ouço como: “meu filho só quer ficar no celular”, “minha filha acho que só falo com ela pra pegar no pé”, “ele não sai do quarto pra nada”, “não tenho mais assunto com meu filho”, “ele não era assim até ano passado”, “toda conversa nossa acaba em briga”...e por aí vão as queixas. Já cheguei a ouvir a seguinte frase “não reconheço mais o meu filho”. No entanto, por mais que pareça impossível, esse diálogo com o seu filho é possível.


Superamos nosso período de adaptação 2019... Será?!

Superamos nosso período de adaptação 2019... Será?!

 22/02/2019

Sim, todos os anos nos redescobrimos como uma nova escola, já que novos integrantes chegam, novas perspectivas surgem e, com isso, novos rumos são traçados sempre.


Cazuza e meu bildungsroman

Cazuza e meu bildungsroman

 22/02/2019

O mundo mudou. A frase é repetitiva e lugar comum, no entanto, é fato. Muito em breve, começaremos a usar o DNA como espaço para armazenamento de dados. Quando eu era criança, assistia à série “O homem de seis milhões de dólares”, que apresentava um personagem com poderes sobre humanos. Tenho um bom amigo que no ano passado fez duas cirurgias de prótese nos joelhos – ambos agora têm um mecanismo de titânio substituindo o joelho original. Meu amigo é biônico? É um ciborgue? Não é mais 100% humano?


Refletindo sobre o consumismo

Refletindo sobre o consumismo

 15/02/2019

Refletindo sobre o consumismo _______________________________________________________________________________________________ Quem estimula? Como evitar? Qual a nossa responsabilidades? Qual o impacto do consumo nas nossas vidas e na vida planetária? Ninguém nasce consumista. O [...]


O afeto é algo que se aprende

O afeto é algo que se aprende

 15/02/2019

Na vida, passamos por diversos tipos de aprendizagem: matemática, línguas, ciências naturais, ciências humanas etc. A lista é extensa e quem frequenta a escola sabe bem do que eu estou falando. Conteúdos importantes, cada um nos ensinando a olhar a vida de um jeito novo.


Educar para a solidariedade

Educar para a solidariedade

 08/02/2019

“Não basta que as crianças ouçam falar de valores. Para aprender, elas devem experimentar e incorporar esses valores. Não basta sentir, experimentar e pensar sobre valores.