Comunicação

Empatia a 7 bilhões de outros

Publicado em : 14/09/2018

 

Empatia a 7 bilhões de outros                

           

 

por Felipe Souto* 

 

 

Poderia simplesmente postar o vídeo acima para exemplificar o quanto somos diferentes, afinal existem aproximadamente 7 bilhões de outros espalhados pelo mundo. Mas o interesse aqui é a reflexão sobre a necessidade de respeito, tolerância, aceitação às diferenças (empatia).

Empatia significa “a capacidade psicológica para sentir o que sentiria uma outra pessoa caso estivesse na mesma situação vivenciada por ela”. Quando vejo esse significado fico pensando o quanto é difícil me colocar no lugar de alguém tão diferente de mim (uns mais do que outros).

Mas quer uma boa notícia? Recentemente foi publicado na revista Translational Psychiatry¹ um estudo que aponta que fatores genéticos contribuem na empatia dos indivíduos. O que isso quer dizer? Que “fomos programados” para ser empáticos. Parte da empatia que temos está nos nossos genes como aponta o estudo. É claro que a outra parte é desenvolvida ao longo da vida, um exercício diário.

Fátima Holanda, em um de seus textos², diz que algumas perguntas devem ser feitas aos filhos para o desenvolvimento da empatia:

  • Como você acha que o outro deve estar se sentindo com a forma como você agiu?
  • Como você se sentiria se a outra pessoa tivesse feito isso com você?
  • O colega parece estar chateado, você saberia dizer o motivo?
  • Em quais pontos vocês concordam e em quais discordam?
  • O que você poderia fazer a respeito disso?

Em vários atendimentos que faço aos estudantes, percebo que os conflitos trazidos poderiam ser resolvidos facilmente com um pouquinho de empatia ao próximo. Entendo que o nível de autonomia de um adolescente é diferente de um adulto. Porém a impressão que tenho é que lhes faltam o exercício do desenvolvimento da empatia.

O bacana para tal exercício é que independe de minha classe econômica, grau de inteligência, título que tenho, status social, cor, religião ou gênero; de que me adianta falar mais de uma língua, se não consigo dar bom-dia em um elevador? De que me adianta ser o melhor instrumentista se não consigo tocar a pessoa que está do meu lado precisando de ajuda? De que me adianta ter o título mais desejado na melhor universidade do mundo se não consigo ensinar o básico aos que estão a minha volta?

Lembre-se que esse exercício é diário. Comece com um bom-dia ao porteiro da escola, um gesto de gentileza no trânsito; diga sim para uma opinião diferente da sua em uma discussão; ajude seu filho na tarefa de casa quando necessário. São através de gestos simples que podemos desenvolver a empatia, em nós e em nossos filhos.

Concluo te convidando a ser empático; se colocar no lugar do outro. Se coloque no lugar do seu professor, do seu filho, dos seus pais, do seu próximo. Seja humilde e entenda que o outro precisa ser compreendido; nunca exija o que o outro não pode dar. Volte no vídeo acima e reveja-o com um novo olhar: imagine que existem 7 bilhões de outros, com tantas diferenças, porém com tantas coisas em comum! Procure no próximo algo em comum e tenho certeza que encontrará. Eu encontrei algo: todos nós “fomos programados” a ser empáticos!

 

_______________________________________________________________________________

1. Warrier V, et al. Genome-wide analyses of self-reported empathy: correlations with autism, schizophrenia, and anorexia nervosa; Translational Psychiatryvolume 8, Article number: 35 (2018)

2. O desenvolvimento da empatia - Uma reflexão para quem educa. https://www.portaleducacao.com.br/conteudo/artigos/psicologia/o-desenvolvimento-da-empatia---uma-reflexao-para-quem-educa/73347 Acesso em 14 set. 2018.

*Felipe Souto é Orientador Educacional do 7º Ano, Biológo e Mestre em Genética e Biologia Molecular.


Refletindo sobre o consumismo

Refletindo sobre o consumismo

 15/02/2019

REFLETINDO SOBRE O CONSUMISMO _______________________________________________________________________________________________ QUEM ESTIMULA? COMO EVITAR? QUAL A NOSSA RESPONSABILIDADE? QUAL IMPACTO DO CONSUMO NAS NOSSAS VIDAS E NA VIDA PLANETÁRIA? Ninguém nasce consumista. O [...]


O afeto é algo que se aprende

O afeto é algo que se aprende

 15/02/2019

Na vida, passamos por diversos tipos de aprendizagem: matemática, línguas, ciências naturais, ciências humanas etc. A lista é extensa e quem frequenta a escola sabe bem do que eu estou falando. Conteúdos importantes, cada um nos ensinando a olhar a vida de um jeito novo.


Educar para a solidariedade

Educar para a solidariedade

 08/02/2019

“Não basta que as crianças ouçam falar de valores. Para aprender, elas devem experimentar e incorporar esses valores. Não basta sentir, experimentar e pensar sobre valores.


Com quem conversamos?

Com quem conversamos?

 08/02/2019

Quem nunca errou ao usar seu celular? Os puros absolutos podem jogar a primeira pedra nos pecadores do vale da morte da etiqueta digital. Luciana Caran e Thais Herédia lançaram o Manual dos Pecados Digitais com ilustrações de Maria Eugênia Longo. O texto é uma arma eficaz para que cada um de nós pare e pense a respeito dos exageros e grosserias da era digital.


Eu conheço o meu filho?

Eu conheço o meu filho?

 01/02/2019

Quando pergunto se conhece, não estou falando sobre saber da rotina, o que ele faz. Estou me referindo ao conhecê-lo: saber do que gosta, o que agrada ou desagrada. Vou deixar algumas perguntinhas para que você reflita e invista nessa busca em conhecê-lo.


Como estudar

Como estudar

 01/02/2019

O maior inimigo da concentração é o seu smartphone. Quem não quer estudar deixa o aparelho acessível. Quem deseja focar com sucesso tranca em gaveta longe.


Desenvolvimento e desafios: 2018 em revista.

Desenvolvimento e desafios: 2018 em revista.

 30/11/2018

“A escola é um universo que colide com outro universo, que é o aluno do novo século, que está conectado com diversas tendências, diversas formas de pensar e com muitos caminhos possíveis para trilhar.”**

Neste contexto, estamos sempre nos reconstruindo para atender e entender esses jovens com seu universo em expansão e que necessitam de um espaço cujo conhecimento seja agregador, envolvente, abrangente e humanizador. Sabemos da nossa responsabilidade em formar pensadores, mentes conectadas com seu tempo, pessoas relevantes, autênticas, éticas e desbravadoras.


Feira Cultural: espaço de comunicação e aprendizagem

Feira Cultural: espaço de comunicação e aprendizagem

 23/11/2018

É publico e notório que o ser humano aprende fazendo, e mais, aprende de fato quando ensina. Não é à toa que as licenciaturas têm em seus currículos momentos nos quais os(as) futuros(as) professores(as) devem preparar aulas, lecioná-las e posteriormente avaliar os resultados obtidos de maneira a qualificar o trabalho desenvolvido. No entanto, ainda assim nada substitui a experiência do fazer com o outro. De maneira análoga, dentre os objetivos da Feira Cultural, podemos listar a comunicação de resultados e o trabalho colaborativo, estas competências do século XXI, que na verdade são atemporais e não tem prazo de validade. Aprende-se muito quando se faz.


Adultos autênticos. Jovens seguros.

Adultos autênticos. Jovens seguros.

 09/11/2018

Os jovens, em processo de formação, buscam encontrar modelos nos adultos com quem convivem e, quase sempre inconscientemente, testam-nos para saber se podem confiar neles, se eles lhes trazem a segurança necessária para a sua formação. Se não encontram nesses, vão, invariavelmente, buscar essa segurança noutras opções, noutras possibilidades nem sempre recomendáveis, como temos visto frequentemente no dia a dia e pela imprensa.

Entretanto, cabe perguntar qual é aquele “modelo” de adulto que satisfaz a procura do jovem.


Lidando com um adolescente através da Comunicação Não Violenta (CNV)

Lidando com um adolescente através da Comunicação Não Violenta (CNV)

 26/10/2018

O adolescente, diferente da criança, pode não demonstrar facilmente aquilo que sente, nem falar de seus conflitos, tristezas e frustrações. E esse comportamento torna desafiador para a família compreender as emoções do jovem e lidar com elas, em especial quando não existe ou há pouco diálogo familiar.

Dentre inúmeras ferramentas ou meios de lidar com as emoções dos adolescentes, trouxemos aqui, para contribuir com a harmonia familiar, a COMUNICAÇÂO NÃO VIOLENTA (CNV), uma abordagem proposta pelo psicólogo americano Marshall B Rosenberg.