Comunicação

Educar para a solidariedade

Publicado em : 08/02/2019

 

Educar para a solidariedade

___________________________________________________________________________

 

“Não basta que as crianças ouçam falar de valores. Para aprender, elas devem experimentar e incorporar esses valores. Não basta sentir, experimentar e pensar sobre valores. As habilidades sociais servem para capacitar o uso de valores ao longo do dia. Nossas crianças precisam ver os efeitos de seus comportamentos e escolhas e serem capazes de tomar decisões socialmente conscientes. ”

Tillman e Hsu

 

Os seres humanos vivem em sociedade. Atualmente, essa sociedade estimula, por meio das mídias e do inconsciente social, o consumo desmedido e, consequentemente, valoriza mais o ter do que o ser. Daí, se não ficarmos atentos, corremos o risco de olharmos somente para o “próprio umbigo”, quando, na realidade, não devemos perder de vista o fato de que o bem comum se expressa através da fórmula “nós”.

Isso significa que nunca deveríamos sentir indiferença com a dor dos outros, porque a compaixão que surge do coração nos leva a conectarmo-nos com o próximo e a procurar uma maneira de ajudar. Assim, aparece a solidariedade, um valor muito importante para a sociedade desenvolvida, que trabalha de forma constante para defender os direitos dos grupos mais vulneráveis, fazendo frente às injustiças sociais

A solidariedade leva à ajuda altruísta, generosa e desinteressada que surge do coração, a partir da máxima que afirma “temos que dar sem esperar nada em troca”, porque aquele que dá o melhor de si para o outro descobre que já recebeu o maior prêmio e a melhor recompensa: o bem é um tesouro que traz imensa satisfação pessoal tanto a quem dá como a quem recebe.

Sabemos que existem diversas entidades sociais que trabalham para o bem comum. Essas entidades precisam do apoio de voluntários envolvidos em uma causa. Nós, da Escola Interamérica, juntamente com as famílias nos unimos para contribuir com diferentes causas. Associamo-nos ao Instituto Ninhos para coleta de materiais escolares, afim de doar aos estudantes que não possuem poder aquisitivo para adquirí-los. Vejam o vídeo dessa campanha: https://www.youtube.com/watch?v=Y8gfH-dJlPY&feature=youtu.be.

Ao longo do ano, promovemos diversas campanhas solidárias juntamente com os estudantes e seus familiares. Logo, logo daremos início a nossa campanha Páscoa Gentil, com objetivo de arrecadar alimentos para os internos no Hospital do Câncer e Hospital das Clínicas. Outras campanhas acontecerão durante o JOIA e o Joinha.

A solidariedade é um aprendizado adquirido no momento em que se toma consciência de um problema real. Ela pode ser colocada em prática no ambiente mais próximo. Ser solidário é apostar na inteligência emocional de viver sendo verdadeiramente humano.

É preciso desenvolver em nossos estudantes os valores universais que ensinam o respeito e a dignidade a cada pessoa. Alimentar esses valores promove o bem-estar individual e da sociedade como um todo.

Nós, da Escola Interamérica, queremos que nossos estudantes se desenvolvam numa atmosfera em que imperem os valores, em um ambiente positivo, seguro, respeitoso e de mútua atenção, na qual sejam capazes de aprender e fazer escolhas socialmente conscientes.

___________________________________________________________________________

Texto adaptado: https://conceitos.com/solidariedade/


Refletindo sobre o consumismo

Refletindo sobre o consumismo

 15/02/2019

REFLETINDO SOBRE O CONSUMISMO _______________________________________________________________________________________________ QUEM ESTIMULA? COMO EVITAR? QUAL A NOSSA RESPONSABILIDADE? QUAL IMPACTO DO CONSUMO NAS NOSSAS VIDAS E NA VIDA PLANETÁRIA? Ninguém nasce consumista. O [...]


O afeto é algo que se aprende

O afeto é algo que se aprende

 15/02/2019

Na vida, passamos por diversos tipos de aprendizagem: matemática, línguas, ciências naturais, ciências humanas etc. A lista é extensa e quem frequenta a escola sabe bem do que eu estou falando. Conteúdos importantes, cada um nos ensinando a olhar a vida de um jeito novo.


Com quem conversamos?

Com quem conversamos?

 08/02/2019

Quem nunca errou ao usar seu celular? Os puros absolutos podem jogar a primeira pedra nos pecadores do vale da morte da etiqueta digital. Luciana Caran e Thais Herédia lançaram o Manual dos Pecados Digitais com ilustrações de Maria Eugênia Longo. O texto é uma arma eficaz para que cada um de nós pare e pense a respeito dos exageros e grosserias da era digital.


Eu conheço o meu filho?

Eu conheço o meu filho?

 01/02/2019

Quando pergunto se conhece, não estou falando sobre saber da rotina, o que ele faz. Estou me referindo ao conhecê-lo: saber do que gosta, o que agrada ou desagrada. Vou deixar algumas perguntinhas para que você reflita e invista nessa busca em conhecê-lo.


Como estudar

Como estudar

 01/02/2019

O maior inimigo da concentração é o seu smartphone. Quem não quer estudar deixa o aparelho acessível. Quem deseja focar com sucesso tranca em gaveta longe.


Desenvolvimento e desafios: 2018 em revista.

Desenvolvimento e desafios: 2018 em revista.

 30/11/2018

“A escola é um universo que colide com outro universo, que é o aluno do novo século, que está conectado com diversas tendências, diversas formas de pensar e com muitos caminhos possíveis para trilhar.”**

Neste contexto, estamos sempre nos reconstruindo para atender e entender esses jovens com seu universo em expansão e que necessitam de um espaço cujo conhecimento seja agregador, envolvente, abrangente e humanizador. Sabemos da nossa responsabilidade em formar pensadores, mentes conectadas com seu tempo, pessoas relevantes, autênticas, éticas e desbravadoras.


Feira Cultural: espaço de comunicação e aprendizagem

Feira Cultural: espaço de comunicação e aprendizagem

 23/11/2018

É publico e notório que o ser humano aprende fazendo, e mais, aprende de fato quando ensina. Não é à toa que as licenciaturas têm em seus currículos momentos nos quais os(as) futuros(as) professores(as) devem preparar aulas, lecioná-las e posteriormente avaliar os resultados obtidos de maneira a qualificar o trabalho desenvolvido. No entanto, ainda assim nada substitui a experiência do fazer com o outro. De maneira análoga, dentre os objetivos da Feira Cultural, podemos listar a comunicação de resultados e o trabalho colaborativo, estas competências do século XXI, que na verdade são atemporais e não tem prazo de validade. Aprende-se muito quando se faz.


Adultos autênticos. Jovens seguros.

Adultos autênticos. Jovens seguros.

 09/11/2018

Os jovens, em processo de formação, buscam encontrar modelos nos adultos com quem convivem e, quase sempre inconscientemente, testam-nos para saber se podem confiar neles, se eles lhes trazem a segurança necessária para a sua formação. Se não encontram nesses, vão, invariavelmente, buscar essa segurança noutras opções, noutras possibilidades nem sempre recomendáveis, como temos visto frequentemente no dia a dia e pela imprensa.

Entretanto, cabe perguntar qual é aquele “modelo” de adulto que satisfaz a procura do jovem.


Lidando com um adolescente através da Comunicação Não Violenta (CNV)

Lidando com um adolescente através da Comunicação Não Violenta (CNV)

 26/10/2018

O adolescente, diferente da criança, pode não demonstrar facilmente aquilo que sente, nem falar de seus conflitos, tristezas e frustrações. E esse comportamento torna desafiador para a família compreender as emoções do jovem e lidar com elas, em especial quando não existe ou há pouco diálogo familiar.

Dentre inúmeras ferramentas ou meios de lidar com as emoções dos adolescentes, trouxemos aqui, para contribuir com a harmonia familiar, a COMUNICAÇÂO NÃO VIOLENTA (CNV), uma abordagem proposta pelo psicólogo americano Marshall B Rosenberg.


A Relação entre Pais e Filhos

A Relação entre Pais e Filhos

 19/10/2018

Segundo o psicoterapeuta e educador Leo Fraiman, autor do livro “Meu filho chegou à adolescência, e agora? Como construir um projeto de vida juntos” (Editora Integrare), nem tudo que o adolescente faz é por birra ou pura rebeldia. E, antes de culpá-los por um relacionamento distante, os pais também devem notar os próprios erros.