Comunicação

Contrato para uso do celular

Publicado em : 14/04/2018

Contrato para uso do celular*

 

por Rafael Fernandes Maciel** 

 

Há muito venho falando sobre a importância da educação digital para adolescentes e crianças. Que inclusão digital não se restringe à entrega dos equipamentos informáticos. Uma verdadeira inclusão digital passa necessariamente pela educação do incluído, mostrando as vantagens e também os riscos da tecnologia, para que não seja surpreendido, e principalmente, ensinando como tudo isso funciona. Especialmente para esses jovens que já nasceram com a internet e que não conseguem imaginar tudo que está por trás desse "admirável mundo novo".

Em casa eu não poderia ser diferente. Com o apoio de Luciana Maciel buscamos orientar nossas filhas, desde sobre os problemas da dependência tecnológica como também sobre as armadilhas que a internet esconde.

De aniversário de 10 anos (sei que ainda é nova, mas uma das últimas a ter o celular na escola), a Caetana ganhou seu primeiro celular. Não usa o tempo inteiro ainda. Há muitos limites. Regras que foram traçadas num "contrato", o qual ela teve que aderir.

Inspirado, porém completamente reformulado, na versão de Janell Burley Hofman, sintam-se livres para compartilhar esse contrato ou utilizar com seus filhos.

 

Minha querida filha,

Sei que já faz tempo que deseja ter um celular, que seus amigos já têm há muito tempo e que nós seguramos o máximo, para adiar esse momento. Não porque não gostamos de você ou porque não desejamos que esteja conectada com seus amigos. Afinal, você já nasceu na era da informação, do digital, do compartilhamento e da inovação. É preciso lidar com essa tecnologia.

O papai, que além de pai é advogado da área, sabe que o celular é uma belíssima ferramenta para comunicação, poder expressar-se livremente, fazer denúncias, exercer sua cidadania, sem falar nas possibilidades de aprendizado que ele gera (Isso mesmo. Há vários apps na loja que permitem estudar, ler, aprender e não apenas se divertir). Obviamente divertir também é importante.

O problema, meu amor, é que as pessoas uma vez conectadas perdem a noção de que o que acontece no mundo digital traz consequências no mundo físico. São comentários ofensivos a colegas, fotos em situações embaraçosas e que não gostaria de compartilhar, além claro dos riscos de pessoas mal-intencionadas que tentam se passar por outras e a partir daí pegam seu endereço, locais que frequenta, para depois lhe fazer algum mal.

Também temos medo que você, ao ficar conectada com o mundo digital, se desconecte do que realmente importa.

Por isso, ter um celular, ou melhor um smartphone, é uma GRANDE RESPONSABILIDADE. Nós CONFIAMOS EM VOCÊ e sabemos que terá cuidados, bem como não deixará que o mesmo atrapalhe seu rendimento na escola. Lembre-se: o futuro é cada vez mais daqueles que estudam, quando outros ficam apenas batendo papo.


Como pais, o uso do celular terá algumas regras, as quais você se obriga a seguir, caso não queira ficar sem usá-lo. São as seguintes:

REGRAS PARA USO DO CELULAR

1. Celular não é um presente qualquer, então poderemos pegá-lo de volta a qualquer momento se entendermos que ele não está sendo benéfico a você.

2. Se ele tocar, atenda. Seja educada com quem ligar. E seja educada com quem está a sua volta. Não fale alto, não atrapalhe outras pessoas, se possível peça licença e vá a algum lugar reservado para falar. NUNCA IGNORE UMA CHAMADA se for do pai ou da mãe.


3. Quando for cadastrar nossos celulares não coloque Pai e Mãe, coloque nossos nomes. Nunca crie contatos com o tipo de relação que tem com a pessoa e sim com o nome!


4. Todos os estragos que o celular tiver você é responsável. Então, cuidado. Se estragar, o custo do reparo será descontado do presente de aniversário, da mesada, enfim, sairá do seu “bolso”;


5. NUNCA UTILIZE o celular para causar mal a ninguém;


6. Por enquanto você ainda não terá facebook e instagram, mas mesmo no whatsapp ou similar PENSE ANTES DE ESCREVER/POSTAR:


a. É verdade? Checou a fonte? Tem dúvida, não poste.


b. Ajudará alguém?


c. Trará inspiração?


d É necessário?


e. Nunca diga nada que não teria coragem de falar pessoalmente.

7. CUIDE DAS FOTOS. ALIÁS, evite fotos demais. Curta o momento.


8. Não tire fotos em situações que não quer divulgar. Mesmo que não envie a ninguém alguém pode conseguir acessar, sabia? Não confie que uma pessoa não irá divulgá-la. Por mais amigo que seja, o celular sempre pode ser roubado, né?


9. Em lugares públicos, deixe sempre em modo silencioso, como num restaurante, por exemplo;


10. NÃO ANDE OLHANDO PARA O CELULAR;


11. NÃO ESQUEÇA DOS LIVROS!


12. O uso do seu celular será controlado, primeiro somente em casa, nas situações que deixarmos, e conforme você souber se comportar podemos melhorar as regras. Mas saiba que ele sempre ficará conosco à noite e que você só terá acesso a ele se as obrigações tiverem sido cumpridas. Na ESCOLA, NEM PENSAR! TAMBÉM TERÁ LIMITE DE USO E CONTROLE DE DADOS.


13. Queremos que tenha especial respeito com sua irmã e com o fato de que ela ainda não tem idade para ter seu próprio aparelho.


14. Quando você começar a interagir com outras pessoas pelo celular, talvez aconteçam coisas que te chateiem. Algum amigo pode postar um vídeo que você não gostar, falar algo que você não ache certo, etc. SEMPRE venha conversar conosco sobre isso. Você NUNCA será penalizada por uma coisa que foge de sua responsabilidade. Não iremos te tirar o celular se um amigo manda coisas chatas. Mas juntos podemos pensar numa solução. Não sofra sozinha, nem apague achando que não ficaremos sabendo, para evitar nos chatear. FALE SEMPRE CONOSCO.


15. As regras da vida real também valem para o celular. NÃO FALE COM ESTRANHOS. NEM COM QUEM VOCÊ NÃO TEM CERTEZA DE QUE É SEU AMIGO(A) DA ESCOLA. Existem “fakes” que são pessoas que se passam por outras.


16. Finalmente, a SENHA da loja de aplicativos, redes sociais e para desbloquear o aparelho deve sempre ser informada a seus pais. E somente a seus pais! Nem à sua melhor amiga! Isso não é prova de amizade.


17. Temos o direito de monitorar tudo que você faz. Então poderemos acessar o conteúdo de conversas, aplicativos baixados, aonde navegou, para quem ligou, enfim. TUDO! Fique desde já ciente!
Espero que não descumpra. Se acontecer, iremos conversar e aprender juntos. Mas lembre-se que a INTERNET não ESQUECE e uma vez postado algo, NÃO HÁ COMO VOLTAR ATRÁS. Podemos até minimizar, mas voltar no tempo, ainda não é possível!


CONFIE MAIS EM VOCÊ E NO SEU CORAÇÃO DO QUE NA TECNOLOGIA!


AMAMOS VOCÊ.


Pai e Mãe

 

*Rafel Fernandes Maciel é advogado e o Atual presidente da Comissão de Direito Digital da OAB/GO e do Instituto Goiano de Direito Digital - IGDD.

**Texto indicado pelo palestrante e pai de estudante da Escola Interamérica Dr. Tabajara Póvoa que esteve na escola palestrando sobre bullying e cyberbullying para estudantes de 6º e 7º Anos. 

 


Desenvolvimento e desafios: 2018 em revista.

Desenvolvimento e desafios: 2018 em revista.

 30/11/2018

“A escola é um universo que colide com outro universo, que é o aluno do novo século, que está conectado com diversas tendências, diversas formas de pensar e com muitos caminhos possíveis para trilhar.”**

Neste contexto, estamos sempre nos reconstruindo para atender e entender esses jovens com seu universo em expansão e que necessitam de um espaço cujo conhecimento seja agregador, envolvente, abrangente e humanizador. Sabemos da nossa responsabilidade em formar pensadores, mentes conectadas com seu tempo, pessoas relevantes, autênticas, éticas e desbravadoras.


Feira Cultural: espaço de comunicação e aprendizagem

Feira Cultural: espaço de comunicação e aprendizagem

 23/11/2018

É publico e notório que o ser humano aprende fazendo, e mais, aprende de fato quando ensina. Não é à toa que as licenciaturas têm em seus currículos momentos nos quais os(as) futuros(as) professores(as) devem preparar aulas, lecioná-las e posteriormente avaliar os resultados obtidos de maneira a qualificar o trabalho desenvolvido. No entanto, ainda assim nada substitui a experiência do fazer com o outro. De maneira análoga, dentre os objetivos da Feira Cultural, podemos listar a comunicação de resultados e o trabalho colaborativo, estas competências do século XXI, que na verdade são atemporais e não tem prazo de validade. Aprende-se muito quando se faz.


Adultos autênticos. Jovens seguros.

Adultos autênticos. Jovens seguros.

 09/11/2018

Os jovens, em processo de formação, buscam encontrar modelos nos adultos com quem convivem e, quase sempre inconscientemente, testam-nos para saber se podem confiar neles, se eles lhes trazem a segurança necessária para a sua formação. Se não encontram nesses, vão, invariavelmente, buscar essa segurança noutras opções, noutras possibilidades nem sempre recomendáveis, como temos visto frequentemente no dia a dia e pela imprensa.

Entretanto, cabe perguntar qual é aquele “modelo” de adulto que satisfaz a procura do jovem.


Lidando com um adolescente através da Comunicação Não Violenta (CNV)

Lidando com um adolescente através da Comunicação Não Violenta (CNV)

 26/10/2018

O adolescente, diferente da criança, pode não demonstrar facilmente aquilo que sente, nem falar de seus conflitos, tristezas e frustrações. E esse comportamento torna desafiador para a família compreender as emoções do jovem e lidar com elas, em especial quando não existe ou há pouco diálogo familiar.

Dentre inúmeras ferramentas ou meios de lidar com as emoções dos adolescentes, trouxemos aqui, para contribuir com a harmonia familiar, a COMUNICAÇÂO NÃO VIOLENTA (CNV), uma abordagem proposta pelo psicólogo americano Marshall B Rosenberg.


A Relação entre Pais e Filhos

A Relação entre Pais e Filhos

 19/10/2018

Segundo o psicoterapeuta e educador Leo Fraiman, autor do livro “Meu filho chegou à adolescência, e agora? Como construir um projeto de vida juntos” (Editora Integrare), nem tudo que o adolescente faz é por birra ou pura rebeldia. E, antes de culpá-los por um relacionamento distante, os pais também devem notar os próprios erros.


Filhos não são presentes

Filhos não são presentes

 05/10/2018

Filhos não são presentes. São surpresas que a vida nos proporciona. Um presente, quando não gostamos, ou quando não nos serve, resolvemos de forma simples: trocamos, passamos pra frente, ou guardamos com a intenção de não magoar quem nos presenteou e juramos pra nós mesmos que, algum dia, usaremos. Já nossos filhos! Ah que bela e não tão fácil surpresa. Um filho pode nunca vir a ser o que tanto sonhamos. Não podemos simplesmente trocá-los ou fingirmos que não existem. Ainda bem! Eles não podem carregar todas as nossas expectativas, pois elas são só nossas.


O que pretende a educação em valores?

O que pretende a educação em valores?

 28/09/2018

O principal objetivo da educação em valores é ajudar os alunos a aprender a viver. Essa é a primeira tarefa dos seres humanos, porque, apesar de estarmos preparados para viver, precisamos adotar um modo de vida que seja sustentável


O que te faz sentir (bem)?

O que te faz sentir (bem)?

 28/09/2018

A felicidade é uma questão relativa. Algumas pessoas vão dizer que estão nas coisas simples da vida; outras em conquistar seus objetivos, seus sonhos; outras pessoas vão dizer que ela está nas boas relações. Mas, mesmo sendo tão relativa, a felicidade é o objetivo de todos e é colocada, na maioria das vezes, em um local inalcançável, em um futuro distante ou ao final de uma jornada bem específica que só alcançamos depois de matar alguns monstros e desenvolver certas habilidades.


A ausência nas relações

A ausência nas relações

 24/09/2018

Atualmente, fala-se muito em fragilidade emocional, os desafios de educar na era digital, a desconexão entre os indivíduos e a superficialidade das relações. Tudo isso não é novidade, mas o que de fato poderia ser feito para mudar esse cenário?

A vulnerabilidade das relações é perceptível, inclusive numa das relações mais estruturantes que é entre pais e filhos. Sempre houve uma diferença conflituosa entre as gerações, diferença esta, salutar, uma vez que promovia discussões, desentendimentos, conversas, questionamentos, mas, com certeza, também muito aprendizado. Mais forte que isso é pensar que as discussões não aconteciam pelo Whatsapp ou pelas redes sociais, as pessoas não eram simplesmente bloqueadas como se assim os conflitos fossem resolvidos. Havia olho no olho, havia presença física.


O desafio de transmitir bons valores

O desafio de transmitir bons valores

 14/09/2018

As últimas décadas assistiram a enormes mudanças na família, especialmente no que se refere à educação dos filhos. Há pouco tempo, ser bom pai significava ensinar a respeitar os mais velhos, dar estudo, segurança etc.