Comunicação

Como lidar com o medo infantil?

Publicado em : 15/03/2019

 

Como lidar com o medo infantil?

Por Thais de Lucena, Orientadora Educacional da Unidade 1

___________________________________________________________________________________________________

Recentemente, temos sido surpreendidas com uma procura significativa de crianças e suas famílias pela OE, buscando ajuda para lidar com medos. O trabalho de reconhecimento das emoções tem sido fundamental para que os incômodos, antes não identificados ou abafados pela falta de nomeação, apareçam, ganhem corpo e possam ser cuidados ou, nos casos em que há necessidade, tratados.

Muitos são os motivos que levam a criança a sentir medo: escuro, monstro debaixo da cama, ladrão. E o objeto de sua aversão vai mudando ao longo do crescimento. Mas ver nossos filhos com medo – seja de uma coisa que não existe ou de algo que assusta até mesmo nós – é ruim demais, né? Melina Pockrandt, responsável pelo blog Maternidade Simples, conversou com duas profissionais e reuniu em um texto algumas respostas para dúvidas comuns sobre esse tema. Como lidar com o medo das crianças?

Quem responde é a terapeuta infantil Roberta Lima e a psicóloga Camila Machuca, que é especialista em Neuropsicologia pela USP e em PCIT: Parent Child Interaction Therapy pela University of West Virginia (EUA).

Idade

Em que idade é mais comum a criança sentir medo?

“Os medos infantis geralmente são mais predominantes entre 4 e 6 anos e começam a diminuir aos 7 anos de idade, quando a criança começa a adquirir mais recursos cognitivos e adaptativos”, explica Camila Machuca. O foco do medo muda no decorrer do desenvolvimento da criança, pois à medida que ela cresce o seu mundo amplia. Assim, ela começa a se adaptar e desenvolver novas habilidades para dominar aquilo que antes a assustava. Por isso, os medos de uma criança de 3 anos são diferentes dos de uma de 8 anos. Pode-se dizer que o medo é a resposta emocional que acontece entre o confronto de uma nova situação e a capacidade de dominá-la.

As especialistas lembram, entretanto, que o medo é algo natural ao ser humano. “O medo é uma espécie de mecanismo de alerta e uma forma de nos protegermos de situações que ofereçam algum risco”, explica a terapeuta infantil Roberta Lima. Ela comenta que o componente imaginário tem uma grande influência na percepção de medo na infância. Além disso, as situações vividas também têm um papel importante. “Um exemplo é uma criança que tem medo de um cachorrinho inofensivo porque foi mordida por outro animal no passado.”

Causas

Quais são os fatores que podem aumentar os medos infantis?

Como o medo está ligado ao desconhecido, circunstâncias que envolvem novas situações podem contribuir para que a criança sinta medo, como mudança de cidade ou escola, separação dos pais, chegada de um novo irmão, morte de um familiar próximo. “Outro fator que pode acentuar o medo é a superexposição das crianças a informações para as quais não têm maturidade e nem recursos emocionais suficientes, como notícias de guerras, assaltos, sequestros e morte”, ressalta Camila.

Roberta salienta o papel dos pais neste processo: “A forma como os pais e os adultos em geral que convivem com a criança conduzem a situação fará toda diferença para que esse processo de medo natural seja superado tranquilamente ou, num outro extremo, atinja um nível crônico e traumático”.

Eliminando fatores

Há algum problema em eliminar continuamente o fator do medo? Por exemplo, manter sempre o abajur ligado à noite se a criança tem medo de escuro.

Segundo Camila Machuca, em alguns casos não existe nenhum problema em eliminar os fatores que causam o medo, principalmente quando o medo enfrentado pela criança é normal para a fase de desenvolvimento em que se encontra. Contudo, é importante também fornecer ferramentas para que, gradativamente, a criança possa enfrentar seu medo.

“Por exemplo, no caso que você citou, a criança pode dormir com o abajur ligado, mas ao mesmo tempo pode-se promover brincadeiras com toda a família para ajudá-la a enfrentar o medo, como: apagar a luz do quarto e todos com uma lanterna ligada lerem um livro juntos, fazer desenhos sobre coisas legais que acontecem a noite; identificar do que é que ela tem medo que aconteça no escuro, porque digamos que ela tenha medo de monstro embaixo da cama, vocês podem juntos explorar o quarto dela verificando que não tem nada lá, antes dela dormir. Ou seja, de uma maneira lúdica vocês estão ajudando ela a desenvolver recursos para vencer o medo e incentivando maior autonomia. Esse é o maior desafio dos pais: achar o equilíbrio entre acolher o medo da criança e incentivá-la a vencê-lo.”

Como lidar com o medo das crianças?

Os pais não devem ignorar, subestimar, nem ridicularizar o medo da criança, pois ela pode se sentir desprotegida e não enxergar mais este adulto como um ponto de apoio e confiança. “O medo de monstros que seu filho pequeno sente, por exemplo, é legítimo. Logo, apenas dizer que tais criaturas não existem, não ajudará muito porque, a depender da idade, a criança não distingue bem entre o real e o imaginário. O melhor a fazer é passar um senso de proteção e segurança ao pequeno”, comenta Roberta.

Além de não menosprezar o sentimento da criança, a psicóloga Camila lembra: “não a force a encarar algo que não esteja preparada para fazer. Evite frases que irão invalidar seus sentimentos como: ‘isso é bobagem’, ‘medo não é coisa de menino’, ‘você é muito covarde mesmo’. Então, não faça chacota com o medo do seu filho. Ele é tão real quanto o medo que você sente, apenas os motivos são diferentes”.

Idade escolar

Com crianças em idade escolar, os pais podem conversar com eles de maneira lógica, oferecendo razões e explicações simples para que a criança entenda que a razão do seu medo é algo que dificilmente irá acontecer: “Isso que você está temendo no momento alguma vez aconteceu? Se não aconteceu até agora, acha que irá acontecer hoje?”. Nessa idade, você também pode falar sobre como enfrentou as mesmas situações quando era criança e como superou seus medos.

Idade pré-escolar

Crianças menores, na idade pré-escolar, ainda não conseguem compreender razões lógicas pelas quais não devem ter medo.

“Neste caso, exemplos concretos funcionam bem, assim como preparar seu filho para a situação que irá enfrentar. Se ele tem medo do médico, você pode dizer por exemplo: sei que o estetoscópio parece assustador, mas ele serve para escutar o coração, ele é geladinho, mas não machuca. Brincar com bonecos e animais de pelúcia deixando que seu filho expresse aquilo que está lhe assustando também o ajuda a expressar os sentimentos e elaborar seu medo, e você pode aproveitar a oportunidade para lhe assegurar que as coisas irão ficar bem. Com medo de escuro, por exemplo, pode-se utilizar recursos como deixar a luz do corredor acesa, um abajur aceso no quarto, deixar a porta aberta. Também pode-se eleger seu bichinho de pelúcia favorito como guardião noturno, dizendo que ele vai ajudar a cuidar dele durante a noite. Também se seu filho já dorme sozinho e acorda com medo, resista a tentação de trazê-lo para sua cama; ao contrário, vá até o quarto dele e ajude ele voltar a dormir, reafirmando que ele está bem e seguro”, comenta Camila.

Roberta estimula os pais a entrarem na fantasia com os filhos: “Embarcar na fantasia da criança, estimulando-a a encarar seu medo de frente encontrando uma solução para, por exemplo, o monstro que ela acredita estar debaixo da cama também é uma excelente estratégia. Ex: pegar uma espada mágica e ir para debaixo da cama do pequeno e voltar alegando que aquele monstro foi derrotado. Isso tem um efeito enorme para aliviar a tensão e a ansiedade da criança. Explicar para a criança que o medo é normal e que todo mundo teme alguma coisa também é importante para tranquilizá-la”.

Livros infantis que falam sobre o medo e suas reações também são uma boa ferramenta, pois pais e filhos podem ler juntos e conversar sobre os sentimentos do personagem e o que a criança faria se estivesse em seu lugar, ajudando-a a criar estratégias para enfrentar e entender seus próprios medos.

Sinais de alerta

Quais são os sinais de que a criança precisa de ajuda profissional?

“Quando o medo chega num nível a ponto de limitar a rotina da criança ou quando ele permanece muito tempo além da faixa etária característica. O medo não tratado pode atingir um nível crônico e limitar a vida da criança em algum aspecto psicossocial, além de seguir presente em sua vida adulta podendo se configurar numa fobia ou trauma”, explica a terapeuta Roberta Lima.

Por isso, os pais devem ficar atentos a alguns sinais:

– Medo que aumenta em intensidade e frequência, sem que os pais consigam acalmar a criança ou/e ela tenha recursos para lidar com ele.

– Quando o medo dificulta suas tarefas do dia a dia e traz prejuízos acadêmicos, sociais e funcionais.
– Para algumas crianças, por não saberem expressar seu sentimentos, o medo pode desencadear sintomas físicos, como dor de cabeça, dor de barriga, alergia. Por exemplo: uma criança com medo de ir para a escola pode começar a ter dor de barriga diariamente a medida que se aproxima do horário de ir para a escola e fazer de tudo para evitar esse momento.

Olha que bacana este esquema sobre os medos mais comuns em cada idade, listados pela psicóloga Camila Machuca.

– 0 aos 6 meses: as reações de medo são relacionadas a ruídos fortes ou perda de segurança.

– 7 aos 11 meses: a criança começa a distinguir rostos familiares, por isso pode começar a estranhar pessoas. Pode ter medo de altura também.

– 1 ano: a criança passa a sentir medo quando se distancia dos pais, temendo que eles desapareçam. Esse medo começa nessa fase e se intensifica nos próximos 3 anos.

– 2 anos: as crianças começam a entender a relação causa-efeito e experimentam sua falta de controle sobre o mundo. Podem ter medo de barulhos muito altos como trovões, trens, aspiradores, além de médico, objetos grandes e criaturas imaginárias.

– 3-4 anos: nessa fase a imaginação é muito fértil, por isso costumam apresentar muito medo. Os mais comuns são: medo de máscaras ou rosto coberto (palhaço, pessoas fantasiadas), escuro, monstros, insetos, ficar sozinho.

– 5 anos: aparecem medos mais concretos como: medo de se machucar, medo de cachorro, trovão, ladrão e de se perder dos pais.

– 6-7 anos: nesse estágio do desenvolvimento seu senso de realidade é mais claro, porém ainda possuem uma imaginação vívida. Têm medo de bruxas, fantasmas, tempestades, dormir sozinho, que algo ruim aconteça com os pais.

– 8 -10 anos: os medos passam a estar relacionados em sua maioria a aceitação social e performance. Têm medo de serem rejeitados por um grupo social, medo de ir mal na prova, medo de reprovar.

 

Texto compilado de https://maternidadesimples.com.br/5-respostas-sobre-medos-infantis/


Novos olhares para o mau comportamento

Novos olhares para o mau comportamento

 17/05/2019

Estudar é uma prática constante entre os educadores na nossa escola. A cada demanda, contexto, anseios e problematizações buscamos nos estudos, na literatura e nos especialistas de cada área do conhecimento, o respaldo teórico para nortear e refletir sobre nossas práticas.


Saber lidar com os próprios sentimentos é uma lição que deve ser ensinada às crianças

Saber lidar com os próprios sentimentos é uma lição que deve ser ensinada às crianças

 17/05/2019

O grande problema na sociedade em que vivemos é que tanto crianças quanto adultos nem sempre encontram acolhimento para suas emoções. Sentimentos considerados negativos, como raiva, medo, ciúme e a própria tristeza, parecem não ter espaço em um mundo onde as pessoas não podem desperdiçar o tempo e há um imperativo para ser feliz e bem-resolvido o tempo todo. Além disso, a questão de gênero naturalmente impõe alguns padrões sobre como meninos e meninas devem lidar com seus sentimentos. Enquanto eles são encorajados a reagir com a agressividade, elas são incentivadas ao choro e à melancolia, mas sem reação. E isso começa cedo. Uma pesquisa publicada no periódico Behavioral Neuroscience, da Associação Americana de Psicologia, constatou que pais de meninas respondem mais às demandas emocionais das filhas, quando elas choram ou chamam por eles, do que os pais de meninos fazem com seus filhos. Possivelmente, porque há uma tolerância maior aos sentimentos delas.


A importância da construção dos valores para gerar transformação

A importância da construção dos valores para gerar transformação

 10/05/2019

O desenvolvimento socioemocional tem sido cada vez mais relevante nos debates internacionais sobre Educação. Parece que, finalmente, o mundo percebeu que o foco da escolarização em habilidades instrumentais e conhecimentos acadêmicos não o livrou das escolhas egoístas que levam à degradação social e ambiental.


A família e a educação emocional - Três dicas fundamentais para a preparação emocional dos filhos

A família e a educação emocional - Três dicas fundamentais para a preparação emocional dos filhos

 10/05/2019

Quando os pais deixam de criticar e/ou menosprezar e/ou desviar os filhos do que sentem, eles são capazes de se abrir e a emoção por trás do comportamento fica clara, esse movimento ajuda os pais a compreenderem o que de fato está acontecendo, ao mesmo tempo em que ajuda os filhos a confiarem mais nos pais e a vê-los como aliados - alguém com quem possam contar e pedir ajuda quando necessário.


Famílias: Urgências e Turbulências

Famílias: Urgências e Turbulências

 03/05/2019

No mês em que comemoramos o Dia Internacional da Família, busquei um texto que pudesse colaborar com as mais variadas famílias com as quais convivemos, a partir dos anseios, medos e inseguranças que compartilham conosco.


Escola como espaço de formar, dialogar e TRANS... FOR... MAR(SE)

Escola como espaço de formar, dialogar e TRANS... FOR... MAR(SE)

 26/04/2019

O ser humano se constitui na relação com outros seres humanos. Vivemos em sociedade, na sociedade somos formados e nela, também, podemos atuar e transformar.


O poder transformador da empatia nas relações humanas

O poder transformador da empatia nas relações humanas

 12/04/2019

A habilidade de aceitar e conviver bem com a diversidade nos torna mais empáticos e tolerantes. É o que vai nos permitir entrar numa sala de reuniões de uma organização transnacional para uma apresentação a ser feita e transmitir a mensagem que queremos de forma adequada para cada membro da plateia. Ser empático não se restringe às pessoas que conhecemos, mas principalmente com os desconhecidos ou mesmo com personalidades antagônicas. Este é um grande esforço que demanda sensibilidade, inteligência emocional e vontade, para se colocar no lugar do outro e experimentar uma nova perspectiva. Esta é uma habilidade que pode ser aprendida, mas que precisa ser diariamente cultivada.


It is up to you!

It is up to you!

 05/04/2019

Ao longo de minha vida profissional como professora de inglês e como coordenadora pedagógica, tive que responder a uma série de perguntas de pais de alunos. Uma das perguntas mais frequentes continua sendo: “Qual a idade ideal para que eu coloque meu(minha) filho(a) em uma aula de inglês?”.


Vídeo: A tragédia silenciosa que afeta os filhos de hoje (e o que fazer com isso)

Vídeo: A tragédia silenciosa que afeta os filhos de hoje (e o que fazer com isso)

 30/03/2019

Em um mundo extremamente conectado, sofremos, ironicamente, da desconexão doentia. Estamos desconectados de nós mesmos, das nossas necessidades, dos nossos corpos, das nossas emoções, da Natureza, uns dos outros. E precisamos fazer algo a respeito!

O vídeo acima é um verdadeiro convite à reflexão... Assista-o em família, exercite regras e combinados, dedique tempo a isso...


Projeto Conviver e Jogos Ativos: aulas complementares ao  desenvolvimento socioemocional

Projeto Conviver e Jogos Ativos: aulas complementares ao desenvolvimento socioemocional

 22/03/2019

Desenvolver as habilidades socioemocionais não é tarefa fácil para aqueles que se propõem a educar, principalmente a família e a escola. Os desafios do séc. XXI são muitos, ainda mais em um contexto histórico-social contraditório em valores, escolhas e atitudes.