Comunicação

Como fazer do seu filho um bom estudante

Publicado em : 02/02/2018

Todo início de ano muitas dúvidas povoam a cabeça das famílias geralmente causando desconforto e angústia. Entre tantas, uma delas é como ajudar o(a) filho(a) a ter uma postura de estudante desejável e ser bem-sucedido em sua profissão, a de estudante. Buscando contribuir com a formação das famílias e ampliar o seu repertório nós da escola Interamérica elegemos um texto do livro “Escola sem conflito: parceria com os pais” da renomada educadora Tania Zagury.

Como fazer do seu filho um bom estudante

Como agir, logo de início.

Parabéns! Você pensou muito, discutiu à exaustão com o marido, e com quem mais achou importante, definiu o perfil de escola que queria, partiu para as visitas e entrevistas e, depois de todo esse trabalhão, enfim... Seu filho já está matriculado!!!!

“Que maravilha! Agora é com a escola”, pensam muitos pais.

De fato, uma boa parte é. Mas existem coisas fundamentais que somente os pais podem fazer para que os filhos tenham bom resultado na escola. É um trabalho que vale a pena ser feito com dedicação e carinho ― e muita, muita paciência ― porque embora seja mais uma tarefa na vida sobrecarregada de todos nós, se realmente nos dedicarmos com amor, a recompensa será muito grande.

Pobres os pais que têm de estar sempre temendo que os filhos repitam o ano, fiquem para recuperação (... e lá se vão as férias!) ou, pior, anos mais tarde, nos cheguem com a notícia de que não vão mais estudar, porque é muito “chato”!

Cá para nós, a maioria das crianças vai à escola e escuta porque os pais zelam por isso e não abrem mão. Caso contrário, acredito que a televisão estaria com audiência ainda maior, os playgrounds estariam entupidos de crianças o dia todo e nem sei o que seria do país... Então vamos combinar logo de início: fazer os filhos irem à escola e, mais ainda, estudar também (!) é mais uma das nossas tarefas essenciais. Não é à toa que já dizia o poeta: “Ser mãe é padecer no paraíso...” Então, sem mais delongas, mãos à obra, que o tempo urge...

Quanto mais cedo conseguirmos formar bons hábitos de estudo, tanto menos problemas teremos com a aprendizagem e o futuro dos nossos filhos.

“Mas como, santo Deus, conseguir tal proeza? Mais coisa para eu fazer, logo agora que estava pensando que, colocando o menino na escola, ia poder me aliviar um pouco?”

Calma, mãe, não se desespere. De fato, você vai ter mais tempo livre, sim. Só que não já. É só saber agir de forma educacional logo no início, que tudo vai dar certo, como você queria. Mas tem um tempinho, no começo, que não pode ser ignorado e que demanda ― como sempre ― nossa dedicação e empenho.

São muitos os pais que me perguntam como fazer os filhos estudarem. Alegam que saem para trabalhar e não podem, portanto, controlar o que os filhos estão fazendo. Outros me confidenciam que, quando estão em casa, travam uma verdadeira guerra com os filhos: o pai desliga a TV e diz que está na hora de fazer as tarefas escolares, os filhos ligam de novo, o pai desliga, os filhos ligam ― num flagrante desafio à autoridade. O que fazer?

Melhor que brigar é criar bons hábitos, desde cedo. Como fazer isso?

  1. Prestigie as tarefas escolares
  2. Arrume um espaço que será o local de estudos do seu filho
  3. Demonstre orgulho e prazer
  4. Combine com a criança os horários das tarefas
  5. Seu trabalho é supervisionar, atenha-se a ele
  6. Lembre-se de que nenhuma criança obedece a tudo sempre
  7. Quem está realmente imbuído do propósito, sempre arruma um jeito...
  8. Cuidar não é “espionar”
  9. Elogio – a melhor arma
  10. Tenha paciência
  11. Não espere que seu filho acerte todo o trabalho

          Quando a escola determina uma tarefa para ser feita em casa, em geral, tem dois objetivos:

          a) propiciar ao aluno tempo e possibilidade de fixação daquilo que estudou,

              e

          b) permitir que o estudante perceba o que de fato aprendeu e o que não entendeu direito.

             (...)

      12. Explique o que seu filho lhe perguntou, e apenas isso.

 

ZAGURY, Tania. Escola sem conflito:

parceria com os pais. Rio de Janeiro: Record, 2002.

 

Ao ler essas doze orientações, provavelmente você deve ter estabelecido um bom diálogo com cada uma delas e até pensado o que será que a Tania Zagury quis dizer. E para que você possa aprofundar-se no assunto, caso deseje, segue o link do texto na íntegra e com as orientações descritas.

Clique aqui! 

Fica o convite da autora para a leitura do próximo capítulo “O que fazer, se não funcionar”.

 

Tania Zagury - Mestre em Educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, Filósofa, graduada na Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Professora de Psicologia da Educação, Sociologia, Filosofia e Didática, Escritora e Pesquisadora em Educação, com 26 livros publicados no Brasil e no exterior; e outros 6 capítulos em livros, num total de 32 livros publicados.

Meigna Ferreira - Pedagoga, Psicopedagoga, Especialista em Planejamento Educacional, Coordenadora e Vice-diretora da Fundamental 1 da Escola Interamérica.


Ser estudante: a construção de um hábito

Ser estudante: a construção de um hábito

 16/02/2018

Um exemplo claro da dificuldade de mudarmos um hábito e construirmos uma nova rotina são as atitudes que tomamos para “sabotarmos” este momento: o corpo parece mais pesado do que nunca, os imprevistos acontecem a todo instante, a preguiça, o cansaço, a falta de tempo...


Parceria família-escola

Parceria família-escola

 09/02/2018

O principal desafio é passar da lei do desejo para a lei do consenso ("nem sempre posso fazer o que quero na hora em que eu tenho vontade ou do jeito que eu quiser").


Ausência de limites na criança ou transtorno de conduta

Ausência de limites na criança ou transtorno de conduta

 09/02/2018

A discussão acerca dos limites da criança está cada vez mais em evidência, pois surgem as novas estruturas familiares e, com elas, os novos padrões estabelecidos na Educação. Pais sem tempo para os filhos muitas vezes pensam em compensar sua ausência com recompensas, até para suavizar sua “culpa”. A dificuldade de dizer não é muito significativa nas famílias contemporâneas, assim a permissividade torna-se cada vez mais frequente, comprometendo a educação das crianças e promovendo um comportamento pouco aceitável na convivência social. Certamente, esse comportamento poderá comprometer o desenvolvimento da criança no processo de aprendizagem, uma vez que a escola impõe limites mais adequados para a socialização do grupo. Conhecer regras e normas sociais é fundamental na construção da identidade e autonomia da criança, e a ausência desse paradigma poderá levar a uma difícil relação de convívio social.


A importância da participação da família no processo escolar

A importância da participação da família no processo escolar

 02/02/2018

Apenas 12% das famílias brasileiras demonstram estar totalmente comprometidas com a educação de seus filhos, revela pesquisa feita pelo Ibope e pelo Instituto Paulo Montenegro. Encomendada pela ONG Todos Pela Educação e outras cinco organizações não governamentais, a pesquisa considerou mais de 2.000 entrevistas com pais, mães e outros responsáveis por estudantes de 4 a 17 anos.


Do que estamos enchendo nossas mochilas?

Do que estamos enchendo nossas mochilas?

 26/01/2018

Estamos voltando a todo vapor para mais um ano letivo! Nosso retorno às aulas é sempre carregado de empolgação: novas turmas, novos amigos, novos professores, nova rotina e…


A importância de ficar à toa

A importância de ficar à toa

 01/12/2017

O neurocientista Andrew Smart mostra, por meio de pesquisas com o cérebro, que, além de ajudar na criatividade, o ócio faz bem para a saúde e é fundamental para o autoconhecimento


Dez dicas para lidar com mudanças de comportamento dos adolescentes

Dez dicas para lidar com mudanças de comportamento dos adolescentes

 24/11/2017

Leo Fraiman explica que a puberdade traz muitas novidades: Os pais devem se informar para ajudar os filhos com fatos e não com opiniões


Às vezes é necessário “apertar o reset”!

Às vezes é necessário “apertar o reset”!

 17/11/2017

Recentemente estava numa palestra sobre Desenvolvimento de Competências Emocionais e a palestrante abordou sobre como os pais estão precisando de ajuda e cuidado. Mas sem culpas ou julgamentos, apenas olhar atento e zelo. Em um dado momento afirmou que é necessário que os pais entrem em conexão com o seu filho real. E é aqui que vou me deter.


A escola na atualidade: o que queremos?

A escola na atualidade: o que queremos?

 10/11/2017

Pensar a sociedade atual não é tarefa fácil e simples. Ao contrário: a vida na atualidade é tão complexa, tão confusa, que, muitas vezes, nos sentimos “perdidos” em nossos propósitos, princípios e valores.


Matemática: em contexto de aprendizagem

Matemática: em contexto de aprendizagem

 03/11/2017

Falar da aprendizagem e do ensino da Matemática é sempre tema para uma boa reflexão. Desde 1950 a Unesco organiza congressos sobre o assunto, a fim de qualificar a didática desta disciplina em sala de aula, e mais recentemente a preocupação se ampliou para os conceitos educacionais voltados para o século XXI.

Como pensamos a Matemática em nossa escola?