Comunicação

Ausência de limites na criança ou transtorno de conduta

Publicado em : 09/02/2018

Ausência de limites da criança ou transtorno de conduta

adaptado* do texto de Rosangela Neto de Albuquerque**

 

A discussão acerca dos limites da criança está cada vez mais em evidência, pois surgem as novas estruturas familiares e, com elas, os novos padrões estabelecidos na Educação. Pais sem tempo para os filhos muitas vezes pensam em compensar sua ausência com recompensas, até para suavizar sua “culpa”. A dificuldade de dizer não é muito significativa nas famílias contemporâneas, assim a permissividade torna-se cada vez mais frequente, comprometendo a educação das crianças e promovendo um comportamento pouco aceitável na convivência social. Certamente, esse comportamento poderá comprometer o desenvolvimento da criança no processo de aprendizagem, uma vez que a escola impõe limites mais adequados para a socialização do grupo. Conhecer regras e normas sociais é fundamental na construção da identidade e autonomia da criança, e a ausência desse paradigma poderá levar a uma difícil relação de convívio social.


Com características mais frequentes na infância, o transtorno de conduta é uma espécie de personalidade antissocial bem observada na juventude; apesar de se iniciar na infância, não se pode dar diagnóstico de personalidade patológica para menores. Na juventude, ainda na adolescência (antes dos 18 anos), com a personalidade em desenvolvimento, é comum observarmos comportamentos desviantes como mentir ou matar aulas, que podem ser classificados como desvio de comportamento, e não como transtorno de conduta. Esses comportamentos acontecem até pela possibilidade de os jovens interagirem com outros jovens, em grupos, e que muitas vezes são também jovens desafiadores. Certamente, o grupo de vivência, o ambiente social e familiar permeiam valores e exemplos que são transmitidos.


Observa-se comumente que crianças e adolescentes desobedientes, que desafiam a autoridade de pais ou professores e têm dificuldade para aceitar regras e limites, costumam ser encaminhados aos serviços de saúde mental com a queixa de “distúrbios da conduta”, e, muitas vezes, observa-se que há falta de limites ou dificuldade de lidar com frustrações (em lidar com o não). Portanto, há uma linha tênue entre as possibilidades de diagnóstico, faz-se necessário um olhar cauteloso e cuidadoso quanto ao termo distúrbio da conduta, que não é apropriado para representar diagnósticos psiquiátricos.


Quando o comportamento de uma criança ou um adolescente deve nos preocupar?
  

Na verdade, a preocupação deve-se iniciar logo após uma análise acerca das relações sociais e familiares da criança ou do adolescente, observando a repetição do comportamento antissocial. Por exemplo, ficar atento quando as crianças ou os adolescentes mentem ou furtam com frequência, maltratam animais, desrespeitam regras constantemente, maltratam outras crianças e demonstram agressividade excessiva. No entanto, alguns comportamentos isolados fazem parte do desenvolvimento da criança, sendo assim, não se enquadram num transtorno. Cabe à família orientar e superar esses comportamentos indesejados. Nesse contexto, observa-se a importância de dar limites à criança desde muito cedo. As pesquisas evidenciam que a criança com transtorno de conduta também pode apresentar hiperatividade e déficits graves de atenção.


É importante enfatizar que, até os 7 anos, os limites da criança estão se constituindo. Então, não se pode entender que tal comportamento seja um transtorno de conduta, pois a criança ainda está construindo a capacidade de julgamento (consciência do que pode ou não fazer). Por exemplo: quando um menino de 6 anos coloca o gato no micro-ondas, ele não sabe o risco a que está expondo o animal, mas um menino de 8 anos certamente já sabe; evidentemente existem exceções.


Os sintomas do transtorno de conduta surgem, normalmente, no período compreendido entre o início da infância e a puberdade e podem persistir até a idade adulta. Nesse período, é de fundamental importância o papel da família na definição dos limites sobre as regras de convivência, o respeito, a cidadania. O início precoce do comportamento indica maior gravidade do quadro com maior tendência a persistir ao longo da vida.

 

 

*Texto completo disponível em:<http://www.construirnoticias.com.br/ausencia-de-limites-da-crianca-ou-transtorno-de-conduta/ Acesso em  07 de fev. 2018.

** Rosangela Nieto de Albuquerque é Ph.D. em Educação, Pós-Doutoranda em Psicologia Social, doutoranda em Psicologia Social, Mestre em Ciências da Linguagem, professora universitária e autora de três livros: Neuropedagogia e Psicopatologias, Psicoeducação e Neuropsicologia.

 

 

A adolescência está mais complexa

A adolescência está mais complexa

 19/05/2018

Há até pouco tempo, sabíamos com clareza conceituar a adolescência: um período de transformações pessoais, sociais, emocionais, psicológicas e, principalmente, de concepção a respeito de si mesmo e da vida, que resultava em mudanças de comportamento. A puberdade –as alterações físicas dessa etapa– antecedia a adolescência e a precipitava.

E agora? Primeiramente, essa etapa da vida foi prolongada: não termina mais perto dos 20 anos, com a entrada na maturidade adulta. Hoje, podemos considerar a adolescência até mais ou menos os 25 anos, e olhe lá! Seu início também foi antecipado: não depende mais da puberdade, pois pode se iniciar bem antes.


Educação para a Paz

Educação para a Paz

 18/05/2018

Respeitar a vida, rejeitar a violência, ser generoso, ouvir para compreender, preservar o planeta, redescobrir a solidariedade


Mãe

Mãe

 11/05/2018

Dizem: quando nasce um bebê, nasce uma mãe também. E um polvo. Um restaurante delivery. Uma máquina de chocolate prontinho.


Ausência da Arte

Ausência da Arte

 11/05/2018

Anos atrás, lecionando literatura no Ensino Médio, afirmei em sala de aula que a arte é a representação da realidade a partir da ótica do artista. Hoje, muitos anos depois, continuo entendendo a arte desta maneira, como uma ferramenta que transporta sentimentos e traduz sob múltiplas formas a experiência humana na Terra. Assim como o estudo da Filosofia, da História e dos diferentes sistemas linguísticos, contribui de maneira real para o entendimento, mesmo que pequeno, do homem no mundo.


Autoestima: como construir o valor pessoal de um filho

Autoestima: como construir o valor pessoal de um filho

 27/04/2018

Embora os pais estejam cada vez mais conscientes do valor de uma boa autoestima para uma vida adulta bem-sucedida e feliz, e de estarem cada vez mais informados quanto à importância do seu próprio papel no processo de desenvolvimento dos seus filhos, os adolescentes de hoje em dia parecem cada vez mais frágeis e inseguros.


A angústia do adolescente: Um problema nosso ou de todos nós?

A angústia do adolescente: Um problema nosso ou de todos nós?

 27/04/2018

Nas últimas semanas, fomos surpreendidos pelas tristes notícias referentes a casos de suicídio entre adolescentes em São Paulo. Por compartilharmos de uma mesma dor e mediante a toda repercussão nas mídias sociais, uma questão sempre emerge nos fazendo pensar: “O que tanto angustia os adolescentes hoje?” Não é uma resposta simples diante da velocidade das mudanças que vivemos em nossa sociedade, porém, isso não nos exime de fazer esse questionamento e refletir sobre possíveis respostas. Essa preocupação perpassa a todos aqueles que de uma forma ou de outra se relacionam e participam da formação desses jovens: família, amigos, escola, etc.


“Gentileza gera gentileza”

“Gentileza gera gentileza”

 20/04/2018

O medo do desamor e de errarmos, como pais, têm nos deixados paralisados, inseguros e sem saber o que fazer.


O que gritos e castigos dos pais e professores podem fazer com o cérebro das crianças

O que gritos e castigos dos pais e professores podem fazer com o cérebro das crianças

 20/04/2018

Isabela Minatel explica como os cérebros das crianças reagem à gritos, brigas e castigos e como praticar uma educação que libere os neurotransmissores da felicidade.


Contrato para uso do celular

Contrato para uso do celular

 14/04/2018

Há muito venho falando sobre a importância da educação digital para adolescentes e crianças. Que inclusão digital não se restringe à entrega dos equipamentos informáticos. Uma verdadeira inclusão digital passa necessariamente pela educação do incluído, mostrando as vantagens e também os riscos da tecnologia, para que não seja surpreendido, e principalmente, ensinando como tudo isso funciona. Especialmente para esses jovens que já nasceram com a internet e que não conseguem imaginar tudo que está por trás desse "admirável mundo novo".

Em casa eu não poderia ser diferente. Com o apoio de Luciana Maciel buscamos orientar nossas filhas, desde sobre os problemas da dependência tecnológica como também sobre as armadilhas que a internet esconde.

De aniversário de 10 anos (sei que ainda é nova, mas uma das últimas a ter o celular na escola), a Caetana ganhou seu primeiro celular. Não usa o tempo inteiro ainda. Há muitos limites. Regras que foram traçadas num "contrato", o qual ela teve que aderir.

Inspirado, porém completamente reformulado, na versão de Janell Burley Hofman, sintam-se livres para compartilhar esse contrato ou utilizar com seus filhos.


Os desacomodadores

Os desacomodadores

 06/04/2018

As crianças e sua capacidade de nos fazer reparar no cotidiano cinza com muito mais cor, delicadeza e poesia