Comunicação

Ausência da Arte

Publicado em : 11/05/2018

Ausência da Arte

 

por André Mols* 

 

O engajamento com a arte produzida pelo outro é a maneira mais vibrante de ver e sentir o mundo a partir de sua ótica[1].

 

 

 

Anos atrás, lecionando literatura no Ensino Médio, afirmei em sala de aula que a arte é a representação da realidade a partir da ótica do artista. Hoje, muitos anos depois, continuo entendendo a arte desta maneira, como uma ferramenta que transporta sentimentos e traduz sob múltiplas formas a experiência humana na Terra. Assim como o estudo da Filosofia, da História e dos diferentes sistemas linguísticos, contribui de maneira real para o entendimento, mesmo que pequeno, do homem no mundo.

Recordo-me com emoção da primeira vez que vi ao vivo, bem ali, na minha frente, o quadro “Noite Estrelada”, de Van Gogh, no Museu de Arte Moderna, em Nova Iorque. Depois de recobrar um pouco o fôlego, levantei novamente o olhar e me deparei com “As senhoritas de Avignon”, de Picasso. Pensei que seria melhor ficar por ali, dada a intensidade do momento. Tenho certeza de que você, que está a ler este texto, também já passou por isso. Talvez quando ouviu uma canção que o emocionou no passado, ou que o emociona agora, neste exato momento. Outra recordação marcante é da leitura que fiz, ainda antes de me perceber adolescente, da obra completa de Monteiro Lobato. Falei um pouco disso recentemente em um encontro de Formação de Professores em nossa escola. Foi outra dessas oportunidades mágicas de reencontro com meu próprio eu, constituído às voltas com a arte em suas múltiplas variantes.

Apesar do ceticismo que nos envolve, em um mundo distante do conceito pós-moderno, já ultrapassado; apesar de acharmos, equivocadamente, que as crianças e adolescentes não possuem mais a capacidade de levantar o olhar para além das telas; ainda há muita arte, muita emoção, muita alegria e muita vida nas representações da realidade sob forma artística na produção de cada uma destas crianças, destes adolescentes. É possível que o conflito maior resida na nossa inépcia em perceber ou entender a forma destas representações, mais do que em sua aparente ausência. O fato é que, se não houvesse mais arte ou suas representações, o mundo certamente seria um lugar triste, árido, sem esperança ou futuro.

Penso que este não é o caso.

No contexto escolar a arte apresenta-se também com várias faces, vários olhares e sons. Neste espaço há a possibilidade real do florescimento, desenvolvimento e compartilhamento destas manifestações. A cada dia, aula, recreio, temos a oportunidade desta constatação. Ainda assim, pode ser que não seja como achamos que deveria ser. Naturalmente, não me refiro a manifestações com curta validade, fragmentos pseudo artísticos embalados para consumo e descarte rápido usando uma máscara com nome “arte” escrito em letras de destaque para que todos leiam.

É necessário que elevemos o olhar, que deixemos de lado um pouco a aparente pequena disposição de perceber. Valorizar a arte é valorizar a vida. Robert Browning, poeta e dramaturgo inglês, disse certa vez: “(...) o alcance de um homem deve exceder a sua capacidade, ou para que serve um céu?

Ausência da arte?

Onde está?

Está em nosso esquecimento de sua existência.

 

 

______________________________________________

[1] ROBINSON, K. Creative schools. Penguin, New York. 2015 (adaptado).

 

*André Mols é Coordenador Pedagógico Geral, Coordenador das Áreas de Línguas e Arte na Escola Interamérica - Unidade II e Assessor Pedagógico da Escola Ampliada na Escola Interamérica - Unidade I.


Projeto Conviver e Jogos Ativos: aulas complementares ao  desenvolvimento socioemocional

Projeto Conviver e Jogos Ativos: aulas complementares ao desenvolvimento socioemocional

 22/03/2019

Desenvolver as habilidades socioemocionais não é tarefa fácil para aqueles que se propõem a educar, principalmente a família e a escola. Os desafios do séc. XXI são muitos, ainda mais em um contexto histórico-social contraditório em valores, escolhas e atitudes.


Respostas simples para questões complexas

Respostas simples para questões complexas

 22/03/2019

O contato com a natureza, de acordo com ele, pode ressignificar a vida de adultos e crianças. O meio ambiente faz com que nossas crianças superestimuladas, possam ter suas energias dissipadas e reequilibradas. O convívio com árvores, gramados, parques, enfim, com o “verde” faz muito bem para a saúde física e mental.


Como lidar com o medo infantil?

Como lidar com o medo infantil?

 15/03/2019

Recentemente, temos sido surpreendidas com uma procura significativa de crianças e suas famílias pela OE, buscando ajuda para lidar com medos.


O período de adaptação e o desequilíbrio saudável

O período de adaptação e o desequilíbrio saudável

 15/03/2019

Se há algo que consegue tirar o sono de famílias, estudantes e equipe escolar, certamente, são os primeiros dias de aula de cada ano. Como escutei dias atrás de um professor: “[...] não adianta, com 14 anos de docência eu ainda sinto um frio na barriga nas primeiras aulas com cada turma”. Esse momento, marcado por uma avalanche de ansiedade, medos, dúvidas atinge todos que estão envolvidos no processo educacional, o que nos faz pensar em como atravessar esse período da melhor forma possível, evitando assim que o sofrimento frente ao incerto continue nos invadindo.


Sentimentos, atitudes e emoções baseiam nossas reflexões e ações...

Sentimentos, atitudes e emoções baseiam nossas reflexões e ações...

 01/03/2019

Sentimentos, atitudes e emoções baseiam nossas reflexões e ações... Equipe da Orientação Educacional – Unidade I __________________________________________________________________________________________ A Escola  Interamérica, desde a sua fundação, tem como pilar o [...]


Diálogo com um adolescente: tarefa impossível?

Diálogo com um adolescente: tarefa impossível?

 01/03/2019

Me coloco no lugar de um pai/mãe de um adolescente e imagino a alegria e a angústia que deve ser perceber o crescimento do filho. Digo isso baseado em algumas queixas que ouço como: “meu filho só quer ficar no celular”, “minha filha acho que só falo com ela pra pegar no pé”, “ele não sai do quarto pra nada”, “não tenho mais assunto com meu filho”, “ele não era assim até ano passado”, “toda conversa nossa acaba em briga”...e por aí vão as queixas. Já cheguei a ouvir a seguinte frase “não reconheço mais o meu filho”. No entanto, por mais que pareça impossível, esse diálogo com o seu filho é possível.


Superamos nosso período de adaptação 2019... Será?!

Superamos nosso período de adaptação 2019... Será?!

 22/02/2019

Sim, todos os anos nos redescobrimos como uma nova escola, já que novos integrantes chegam, novas perspectivas surgem e, com isso, novos rumos são traçados sempre.


Cazuza e meu bildungsroman

Cazuza e meu bildungsroman

 22/02/2019

O mundo mudou. A frase é repetitiva e lugar comum, no entanto, é fato. Muito em breve, começaremos a usar o DNA como espaço para armazenamento de dados. Quando eu era criança, assistia à série “O homem de seis milhões de dólares”, que apresentava um personagem com poderes sobre humanos. Tenho um bom amigo que no ano passado fez duas cirurgias de prótese nos joelhos – ambos agora têm um mecanismo de titânio substituindo o joelho original. Meu amigo é biônico? É um ciborgue? Não é mais 100% humano?


Refletindo sobre o consumismo

Refletindo sobre o consumismo

 15/02/2019

Refletindo sobre o consumismo _______________________________________________________________________________________________ Quem estimula? Como evitar? Qual a nossa responsabilidades? Qual o impacto do consumo nas nossas vidas e na vida planetária? Ninguém nasce consumista. O [...]


O afeto é algo que se aprende

O afeto é algo que se aprende

 15/02/2019

Na vida, passamos por diversos tipos de aprendizagem: matemática, línguas, ciências naturais, ciências humanas etc. A lista é extensa e quem frequenta a escola sabe bem do que eu estou falando. Conteúdos importantes, cada um nos ensinando a olhar a vida de um jeito novo.