Comunicação

Às vezes é necessário “apertar o reset”!

Publicado em : 17/11/2017

 

“Às vezes é necessário apertar o reset!”

 

Lúcia Oliveira*

 

Recentemente estava numa palestra sobre Desenvolvimento de Competências Emocionais e a palestrante abordou sobre como os pais estão precisando de ajuda e cuidado. Mas sem culpas ou julgamentos, apenas olhar atento e zelo. Em um dado momento afirmou que é necessário que os pais entrem em conexão com o seu filho real. E é aqui que vou me deter.

Fiquei pensando em como as angústias paternais e maternais são imensas e estão sufocando os pais e deixando-os em estado de quase inércia. Cada um com suas dicas, opiniões e soluções. Porém, em se tratando de seres humanos e sua subjetividade intrínseca, não acredito em um único melhor caminho, uma vez que cada qual reage diferentemente a um mesmo estímulo.

Voltando à questão da diferenciação entre o filho ideal e real, penso ser algo muito complexo e sério porque mexe com as nossas expectativas, frustrações e exige tempo de convivência real e não delegada aos outros. Convivência com alegria, choro, dor, brincadeiras, conversas, sonhos, enfim, a vida real. Brincar com os filhos pequenos é oportunidade única de observar quais as percepções dele de família, dos amigos, dos infinitos aprendizados que já alcançou. Conversar com nossos filhos maiores, com escuta atenta e sem prejulgamentos é também oportunidade única de cumplicidade, aproximação e da verdadeira conexão.

Entretanto, a situação está tão crítica que em conversas com pais, numa coleta básica de informações, percebo o quanto a desconexão é profunda e presente em momentos considerados básicos da convivência entre pais e filhos ou mãe e filhos. Exemplos simples são perguntas como quando e qual foi a última história que contou ao seu filho, ou qual foi o último momento que seu filho considerou divertido entre vocês, qual a última vez que brincaram juntos por mais de trinta minutos sem interrupções e os pais simplesmente não sabem ou não conseguem se lembrar. Sempre falo: será que tem estado verdadeiramente com seu (ua) filho(a)?

Alguns questionam que a culpa é da tecnologia, tanto dos pais quanto dos filhos. A distância emocional, ao meu ver , nunca foi tão grande e falo como mãe e não apenas como educadora. Parece que quanto mais tecnologia, menos conexão presencial. Cada um estaria conectado ao seu próprio dispositivo e desconectado uns dos outros. Contudo, abolir a tecnologia, as mídias sociais e os jogos acho impossível. No entanto, possível para mim é “apertar um reset” e recomeçar com outra programação.

Planejar horários possíveis e plausíveis de conexão com os filhos. Mesmo que por trinta minutos, mas sem nenhum dispositivo. Outros momentos podem ser dentro do universo tecnológico demonstrando apreço pelo que seu filho gosta. Quem sabe jogar juntos? Momentos de contação de histórias, lidas e vividas. Vamos falar mais do nosso passado, nossas crianças sabem muito pouco do passado dos pais. Momentos de parque, piscina, chácaras...

Enfim, podemos usar do planejamento estratégico para ser possível encaixar trabalho, tempo de qualidade para os filhos, mas tempo para si mesmo também. Só é possível amar se nos amarmos e nos respeitarmos primeiramente. Esse é um dos caminhos que eu considero viável.


*Lúcia Oliveira é psicopedagoga, coach e analista comportamental.


 


A importância de ficar à toa

A importância de ficar à toa

 01/12/2017

O neurocientista Andrew Smart mostra, por meio de pesquisas com o cérebro, que, além de ajudar na criatividade, o ócio faz bem para a saúde e é fundamental para o autoconhecimento


Dez dicas para lidar com mudanças de comportamento dos adolescentes

Dez dicas para lidar com mudanças de comportamento dos adolescentes

 24/11/2017

Leo Fraiman explica que a puberdade traz muitas novidades: Os pais devem se informar para ajudar os filhos com fatos e não com opiniões


A escola na atualidade: o que queremos?

A escola na atualidade: o que queremos?

 10/11/2017

Pensar a sociedade atual não é tarefa fácil e simples. Ao contrário: a vida na atualidade é tão complexa, tão confusa, que, muitas vezes, nos sentimos “perdidos” em nossos propósitos, princípios e valores.


Matemática: em contexto de aprendizagem

Matemática: em contexto de aprendizagem

 03/11/2017

Falar da aprendizagem e do ensino da Matemática é sempre tema para uma boa reflexão. Desde 1950 a Unesco organiza congressos sobre o assunto, a fim de qualificar a didática desta disciplina em sala de aula, e mais recentemente a preocupação se ampliou para os conceitos educacionais voltados para o século XXI.

Como pensamos a Matemática em nossa escola?


O desafio de transmitir bons valores

O desafio de transmitir bons valores

 27/10/2017

Não basta mais os pais serem íntegros: é preciso deixar transparecer que ali não se aceita viver de outra forma


Adolescência e identidade

Adolescência e identidade

 27/10/2017

"Ser adolescente não é fácil e meus pais não percebem isso", disse-me uma garota de 15 anos, chorando. Concordo com ela, por vários motivos. De largada, eles foram considerados "aborrecentes", uma expressão que deve ser riscada do vocabulário, já que sugere que os jovens aborrecem os adultos com suas crises, mudanças de humor, rebeldias etc.

Com sua presença, enfim.


“Educar é apresentar a vida e não dizer como viver”

“Educar é apresentar a vida e não dizer como viver”

 20/10/2017

Mas por que pais e professores estão tão perdidos? Para começar, diz a especialista, complicamos o que é muito simples e simplificamos o que tem grande complexidade. E, para completar, somos muito egoístas. “Não queremos que elas [as crianças] sofram, como se fosse possível evitar que isso ocorra, não queremos sofrer com a dor delas, não queremos que elas vivenciem frustrações, não queremos que sejam excluídas de grupos sociais. Para nós, o que conta são esses nossos sentimentos, mesmo que, para elas, passar por todas essas experiências “negativas” seja algo muito benéfico”, explica.


Pais Helicópteros

Pais Helicópteros

 06/10/2017

Pais-helicóptero’ são os pais que estão sempre girando em torno dos filhos. Praticamente os embrulham em plástico-bolha, criando uma corte de jovens adultos que têm dificuldade de ter um desempenho satisfatório no trabalho e em suas vidas.

‘Pais-helicóptero’ pensam que estão fazendo o melhor, mas, na verdade, estão prejudicando as chances de sucesso dos filhos. Em particular, estão arruinando as chances de que os filhos consigam um emprego e consigam mantê-lo.


Como se colocar no lugar do outro, de verdade

Como se colocar no lugar do outro, de verdade

 29/09/2017

As demonstrações de carinho e de cuidado que recebemos desde a primeira infância são essenciais para construir a empatia, assim como as interações que acontecem em família e na escola.


Como invisto no diálogo com meus filhos? – leitura compartilhada por pais e filhos

Como invisto no diálogo com meus filhos? – leitura compartilhada por pais e filhos

 29/09/2017

Muitos pais se perguntam se estão conseguindo educar seus filhos para a vida, se eles saberão se posicionar, fazer escolhas... se serão pessoas do bem, corretas, honestas etc. Claro que essa é uma preocupação válida, afinal ninguém sabe o futuro, os caminhos que virão pela frente, mas podemos avaliar as possibilidades conforme o que “plantamos” no presente.

Quando meu filho mais velho saiu de casa para estudar em uma Universidade, no interior de São Paulo, tinha apenas 17 anos e eu fiquei extremamente feliz por sua conquista. Mas também fiquei assustada, pensando se ele tinha aprendido tudo o que era preciso para ser um cara legal e correto: “será que eu tinha ensinado o que era importante para ele? ”