Comunicação

A vida tem dessas surpresas

Publicado em : 08/03/2018

A vida tem dessas surpresas

 

por Felipe Souto*

 

A vida é interessante...Não me sinto tão “experiente” para falar sobre grandes coisas que vivi, mas independentemente do tempo, a vida tem dessas surpresas: boas, ruins, tristes, alegres, que causam medo, que causam ansiedade, que causam euforia.

É fato que planejamos nossas vidas. Fazemos planos a curto, a médio e a longo prazo e em boa parte desses planos somos surpreendidos. Me lembro que quando criança fui surpreendido com um videogame no dia do meu aniversário (excelente surpresa!). Me lembro do meu tempo de escola, quando me surpreendi com uma nota baixa em uma prova que eu havia estudado bastante (péssima surpresa!). Me recordo também da surpresa ao ver o resultado do meu primeiro vestibular (essa prefiro esquecer). Tenho certeza que você leitor também poderia relatar inúmeras surpresas ao longo de sua vida; boas, ruins e aquelas que não gostamos de lembrar.

Mas não escrevo para relatar as surpresas pessoais que experimentei. Meu pedido é para que as surpresas, boas ou ruins, nos ensine algo, afinal não temos controle sobre o imprevisível, sobre as surpresas que virão. Que possamos enxergar cada surpresa como uma oportunidade. E por falar em enxergar, já se perguntou por que diante de uma surpresa as suas sobrancelhas se levantam ao máximo? Como biólogo, gosto de observar os detalhes do corpo em situações específicas. A resposta é simples: é a maneira que nosso corpo encontrou para ampliar o nosso campo de visão, de modo a se obter mais informações sobre o que está acontecendo e consequentemente captarmos melhor a situação a nossa volta.

Então vamos aprender a viver as nossas surpresas, fazendo o que “fomos programados para fazer”: abrir bem os olhos, olhar nos olhos dos que estão a nossa volta, ouvir com atenção aquilo que o filho diz, aproveitar as aulas dos professores, cuidar daqueles que precisam, ensinar quando puder, fazer da surpresa uma oportunidade; oportunidade de enxergar algo novo, ampliar o nosso campo de visão. Além disso, quando puder, surpreenda aquele que está a sua volta; proporcione boas surpresas aos seus filhos, afinal são essas boas surpresas que ele recordará quando o tempo passar.

Surpreenda-o chamando para “jogar conversa fora”, ouvir uma música juntos, assistir um bom filme, levá-lo a um lugar que ele deseja tanto ir, surpreenda-o com um elogio, com uma palavra acolhedora, surpreenda-o ao fazer uma tarefa de casa ao seu lado, estudando juntos para uma avaliação, lendo um bom livro juntos. Fortaleça-o quando a surpresa vivida por ele não for tão boa. Sou desses que acredita que toda experiência proporciona amadurecimento!

Em virtude do que foi mencionado até aqui, sugiro que reflita como tem agido diante das surpresas que tem vivido. Pense também como tem surpreendido os que estão a sua volta. Lembre-se que a vida tem dessas surpresas e que cabe a nós decidirmos o que fazemos com elas. Termino com uma frase que gosto bastante e que a mesma sirva de ponto de partida para cada um: “Sujeitos ao desconhecido, as surpresas aparecem, podendo elas serem boas ou ruins. Mas é a mercê do nada que redescobrimos a palavra 'mundo'”; Eric Ventura.

Que tenhamos todos uma ótima reflexão!!!

 

 

 

*Felipe Souto é Orientador Educacional do 7º Ano, Biológo e Mestre em Genética e Biologia Molecular. 

 

 

"O papel da escola no desenvolvimento socioemocional do indivíduo" e "A grande engrenagem"

 15/06/2018

Essa semana, a Escola Interamérica compartilha dois interessantes textos, escritos por duas de nossas Orientadoras Educacionais, sobre a escola e o desenvolvimento socioemocional de crianças e adolescentes.


Cortella: ‘A escola passou a ser vista como um espaço de salvação’

Cortella: ‘A escola passou a ser vista como um espaço de salvação’

 08/06/2018

O filósofo, educador e professor Mario Sergio Cortella alerta que as famílias estão confundindo escolarização com educação; para ele, pais devem retomar seu papel


A importância da parceria família e escola

A importância da parceria família e escola

 25/05/2018

A família e a escola formam uma equipe. É fundamental que ambas sigam os mesmos princípios e critérios, bem como a mesma direção em relação aos objetivos que desejam atingir. Ressalta-se que, mesmo tendo objetivos em comum, cada uma deve fazer sua parte para que se atinja o caminho do sucesso, que visa conduzir crianças e jovens a um futuro melhor.


A adolescência está mais complexa

A adolescência está mais complexa

 19/05/2018

Há até pouco tempo, sabíamos com clareza conceituar a adolescência: um período de transformações pessoais, sociais, emocionais, psicológicas e, principalmente, de concepção a respeito de si mesmo e da vida, que resultava em mudanças de comportamento. A puberdade –as alterações físicas dessa etapa– antecedia a adolescência e a precipitava.

E agora? Primeiramente, essa etapa da vida foi prolongada: não termina mais perto dos 20 anos, com a entrada na maturidade adulta. Hoje, podemos considerar a adolescência até mais ou menos os 25 anos, e olhe lá! Seu início também foi antecipado: não depende mais da puberdade, pois pode se iniciar bem antes.


Educação para a Paz

Educação para a Paz

 18/05/2018

Respeitar a vida, rejeitar a violência, ser generoso, ouvir para compreender, preservar o planeta, redescobrir a solidariedade


Mãe

Mãe

 11/05/2018

Dizem: quando nasce um bebê, nasce uma mãe também. E um polvo. Um restaurante delivery. Uma máquina de chocolate prontinho.


Ausência da Arte

Ausência da Arte

 11/05/2018

Anos atrás, lecionando literatura no Ensino Médio, afirmei em sala de aula que a arte é a representação da realidade a partir da ótica do artista. Hoje, muitos anos depois, continuo entendendo a arte desta maneira, como uma ferramenta que transporta sentimentos e traduz sob múltiplas formas a experiência humana na Terra. Assim como o estudo da Filosofia, da História e dos diferentes sistemas linguísticos, contribui de maneira real para o entendimento, mesmo que pequeno, do homem no mundo.


Autoestima: como construir o valor pessoal de um filho

Autoestima: como construir o valor pessoal de um filho

 27/04/2018

Embora os pais estejam cada vez mais conscientes do valor de uma boa autoestima para uma vida adulta bem-sucedida e feliz, e de estarem cada vez mais informados quanto à importância do seu próprio papel no processo de desenvolvimento dos seus filhos, os adolescentes de hoje em dia parecem cada vez mais frágeis e inseguros.


A angústia do adolescente: Um problema nosso ou de todos nós?

A angústia do adolescente: Um problema nosso ou de todos nós?

 27/04/2018

Nas últimas semanas, fomos surpreendidos pelas tristes notícias referentes a casos de suicídio entre adolescentes em São Paulo. Por compartilharmos de uma mesma dor e mediante a toda repercussão nas mídias sociais, uma questão sempre emerge nos fazendo pensar: “O que tanto angustia os adolescentes hoje?” Não é uma resposta simples diante da velocidade das mudanças que vivemos em nossa sociedade, porém, isso não nos exime de fazer esse questionamento e refletir sobre possíveis respostas. Essa preocupação perpassa a todos aqueles que de uma forma ou de outra se relacionam e participam da formação desses jovens: família, amigos, escola, etc.


“Gentileza gera gentileza”

“Gentileza gera gentileza”

 20/04/2018

O medo do desamor e de errarmos, como pais, têm nos deixados paralisados, inseguros e sem saber o que fazer.