Comunicação

A vida tem dessas surpresas

Publicado em : 08/03/2018

A vida tem dessas surpresas

 

por Felipe Souto*

 

A vida é interessante...Não me sinto tão “experiente” para falar sobre grandes coisas que vivi, mas independentemente do tempo, a vida tem dessas surpresas: boas, ruins, tristes, alegres, que causam medo, que causam ansiedade, que causam euforia.

É fato que planejamos nossas vidas. Fazemos planos a curto, a médio e a longo prazo e em boa parte desses planos somos surpreendidos. Me lembro que quando criança fui surpreendido com um videogame no dia do meu aniversário (excelente surpresa!). Me lembro do meu tempo de escola, quando me surpreendi com uma nota baixa em uma prova que eu havia estudado bastante (péssima surpresa!). Me recordo também da surpresa ao ver o resultado do meu primeiro vestibular (essa prefiro esquecer). Tenho certeza que você leitor também poderia relatar inúmeras surpresas ao longo de sua vida; boas, ruins e aquelas que não gostamos de lembrar.

Mas não escrevo para relatar as surpresas pessoais que experimentei. Meu pedido é para que as surpresas, boas ou ruins, nos ensine algo, afinal não temos controle sobre o imprevisível, sobre as surpresas que virão. Que possamos enxergar cada surpresa como uma oportunidade. E por falar em enxergar, já se perguntou por que diante de uma surpresa as suas sobrancelhas se levantam ao máximo? Como biólogo, gosto de observar os detalhes do corpo em situações específicas. A resposta é simples: é a maneira que nosso corpo encontrou para ampliar o nosso campo de visão, de modo a se obter mais informações sobre o que está acontecendo e consequentemente captarmos melhor a situação a nossa volta.

Então vamos aprender a viver as nossas surpresas, fazendo o que “fomos programados para fazer”: abrir bem os olhos, olhar nos olhos dos que estão a nossa volta, ouvir com atenção aquilo que o filho diz, aproveitar as aulas dos professores, cuidar daqueles que precisam, ensinar quando puder, fazer da surpresa uma oportunidade; oportunidade de enxergar algo novo, ampliar o nosso campo de visão. Além disso, quando puder, surpreenda aquele que está a sua volta; proporcione boas surpresas aos seus filhos, afinal são essas boas surpresas que ele recordará quando o tempo passar.

Surpreenda-o chamando para “jogar conversa fora”, ouvir uma música juntos, assistir um bom filme, levá-lo a um lugar que ele deseja tanto ir, surpreenda-o com um elogio, com uma palavra acolhedora, surpreenda-o ao fazer uma tarefa de casa ao seu lado, estudando juntos para uma avaliação, lendo um bom livro juntos. Fortaleça-o quando a surpresa vivida por ele não for tão boa. Sou desses que acredita que toda experiência proporciona amadurecimento!

Em virtude do que foi mencionado até aqui, sugiro que reflita como tem agido diante das surpresas que tem vivido. Pense também como tem surpreendido os que estão a sua volta. Lembre-se que a vida tem dessas surpresas e que cabe a nós decidirmos o que fazemos com elas. Termino com uma frase que gosto bastante e que a mesma sirva de ponto de partida para cada um: “Sujeitos ao desconhecido, as surpresas aparecem, podendo elas serem boas ou ruins. Mas é a mercê do nada que redescobrimos a palavra 'mundo'”; Eric Ventura.

Que tenhamos todos uma ótima reflexão!!!

 

 

 

*Felipe Souto é Orientador Educacional do 7º Ano, Biológo e Mestre em Genética e Biologia Molecular. 

 

 

Projeto Conviver e Jogos Ativos: aulas complementares ao  desenvolvimento socioemocional

Projeto Conviver e Jogos Ativos: aulas complementares ao desenvolvimento socioemocional

 22/03/2019

Desenvolver as habilidades socioemocionais não é tarefa fácil para aqueles que se propõem a educar, principalmente a família e a escola. Os desafios do séc. XXI são muitos, ainda mais em um contexto histórico-social contraditório em valores, escolhas e atitudes.


Respostas simples para questões complexas

Respostas simples para questões complexas

 22/03/2019

O contato com a natureza, de acordo com ele, pode ressignificar a vida de adultos e crianças. O meio ambiente faz com que nossas crianças superestimuladas, possam ter suas energias dissipadas e reequilibradas. O convívio com árvores, gramados, parques, enfim, com o “verde” faz muito bem para a saúde física e mental.


Como lidar com o medo infantil?

Como lidar com o medo infantil?

 15/03/2019

Recentemente, temos sido surpreendidas com uma procura significativa de crianças e suas famílias pela OE, buscando ajuda para lidar com medos.


O período de adaptação e o desequilíbrio saudável

O período de adaptação e o desequilíbrio saudável

 15/03/2019

Se há algo que consegue tirar o sono de famílias, estudantes e equipe escolar, certamente, são os primeiros dias de aula de cada ano. Como escutei dias atrás de um professor: “[...] não adianta, com 14 anos de docência eu ainda sinto um frio na barriga nas primeiras aulas com cada turma”. Esse momento, marcado por uma avalanche de ansiedade, medos, dúvidas atinge todos que estão envolvidos no processo educacional, o que nos faz pensar em como atravessar esse período da melhor forma possível, evitando assim que o sofrimento frente ao incerto continue nos invadindo.


Sentimentos, atitudes e emoções baseiam nossas reflexões e ações...

Sentimentos, atitudes e emoções baseiam nossas reflexões e ações...

 01/03/2019

Sentimentos, atitudes e emoções baseiam nossas reflexões e ações... Equipe da Orientação Educacional – Unidade I __________________________________________________________________________________________ A Escola  Interamérica, desde a sua fundação, tem como pilar o [...]


Diálogo com um adolescente: tarefa impossível?

Diálogo com um adolescente: tarefa impossível?

 01/03/2019

Me coloco no lugar de um pai/mãe de um adolescente e imagino a alegria e a angústia que deve ser perceber o crescimento do filho. Digo isso baseado em algumas queixas que ouço como: “meu filho só quer ficar no celular”, “minha filha acho que só falo com ela pra pegar no pé”, “ele não sai do quarto pra nada”, “não tenho mais assunto com meu filho”, “ele não era assim até ano passado”, “toda conversa nossa acaba em briga”...e por aí vão as queixas. Já cheguei a ouvir a seguinte frase “não reconheço mais o meu filho”. No entanto, por mais que pareça impossível, esse diálogo com o seu filho é possível.


Superamos nosso período de adaptação 2019... Será?!

Superamos nosso período de adaptação 2019... Será?!

 22/02/2019

Sim, todos os anos nos redescobrimos como uma nova escola, já que novos integrantes chegam, novas perspectivas surgem e, com isso, novos rumos são traçados sempre.


Cazuza e meu bildungsroman

Cazuza e meu bildungsroman

 22/02/2019

O mundo mudou. A frase é repetitiva e lugar comum, no entanto, é fato. Muito em breve, começaremos a usar o DNA como espaço para armazenamento de dados. Quando eu era criança, assistia à série “O homem de seis milhões de dólares”, que apresentava um personagem com poderes sobre humanos. Tenho um bom amigo que no ano passado fez duas cirurgias de prótese nos joelhos – ambos agora têm um mecanismo de titânio substituindo o joelho original. Meu amigo é biônico? É um ciborgue? Não é mais 100% humano?


Refletindo sobre o consumismo

Refletindo sobre o consumismo

 15/02/2019

Refletindo sobre o consumismo _______________________________________________________________________________________________ Quem estimula? Como evitar? Qual a nossa responsabilidades? Qual o impacto do consumo nas nossas vidas e na vida planetária? Ninguém nasce consumista. O [...]


O afeto é algo que se aprende

O afeto é algo que se aprende

 15/02/2019

Na vida, passamos por diversos tipos de aprendizagem: matemática, línguas, ciências naturais, ciências humanas etc. A lista é extensa e quem frequenta a escola sabe bem do que eu estou falando. Conteúdos importantes, cada um nos ensinando a olhar a vida de um jeito novo.