Comunicação

A importância de ficar à toa

Publicado em : 01/12/2017

 

“A importância de ficar à toa”

 

Rafael Rocha Daud para Vida Simples Digital

 

Quanto mais manuais se vendem sobre foco e produtividade, menos tempo livre parecemos ter. Será que estamos andando na direção errada? Essa é uma das perguntas levantadas pelo neurocientista americano Andrew Smart, de 39 anos, pesquisador da Universidade de Nova York. O interesse pela questão do foco e do gerenciamento do tempo veio após um estudo que fez propondo uma terapia não-medicamentosa para jovens com déficit de atenção.
 

Com suas pesquisas sobre o funcionamento do cérebro quando estamos em repouso, Smart entra na lista dos defensores do ócio. No livro Autopilot: The Art and Science of Doing Nothing ("Piloto automático: a arte e a ciência de não fazer nada"), ele parte de descobertas recentes da neurociência, além de inspiradas observações sobre o mundo das artes, para afirmar que o cérebro, quando não o ocupamos com tarefas específicas, continua trabalhando, em uma espécie de "piloto automático". E isso é necessário para processarmos as emoções e informações que recebemos. Daí a importância de ficar à toa, defende. 

Em seu livro, você afirma que a mente é mais ativa quando descansamos. O que ocorre no cérebro quando estamos assim?

Quando diminuímos o estímulo ou a atividade mental, nossa mente começa a vagar. Nisso, uma grande rede neural, chamada default mode network (rede em modo normal, em tradução livre) torna-se mais ativa. A taxa metabólica do cérebro não muda muito entre o repouso e a atividade mental focada - só uns 0,5%. Isso quer dizer que a cabeça está sempre ativa, mesmo quando não há nada no ambiente externo para processar. Minha hipótese é de que ficar ocioso permite nos tornarmos conscientes de mais operações cerebrais inconscientes - como nossas emoções, nossa identidade. Isso porque a mente não necessita processar informação externa e pode voltar a atenção para dentro.

Esse mecanismo é o mesmo de quando estamos dormindo?

Eu diria que há uma grande diferença entre o adormecimento e o ócio. Durante o sono profundo, estamos inconscientes e a atividade cerebral global é drasticamente diferente de se estar acordado; os sistemas sensórios são desligados nesse momento. Porém, é claro que sonhar acordado pode facilmente atingir os primeiros estágios do sono leve. E é aqui, acredito, que o cérebro começa a se embaralhar aleatoriamente e a processar toda a informação recém-encontrada, e essas coisas podem penetrar em nossa percepção - elas podem atravessar o limiar até a consciência. Mais uma vez, isso se deve ao fato de que nossas mentes estão liberadas de ter que enfrentar o "desafio do momento" do ambiente externo.

É comum sentir-se desconfortável com os próprios pensamentos quando se fica ocioso?

É verdade que estudos mostram que as pessoas ficam infelizes quando a mente vagueia. E isso é frequentemente usado como argumento para treinarmos nosso cérebro a ganhar maior controle de nossa atenção para que sejamos mais produtivos. Também é importante notar que a razão por que nossa mente vagueia é que o cérebro naturalmente alterna entre diferentes estados de atenção ao longo do dia. Assim, por exemplo, dificilmente poderíamos manter foco constante em algo por mais de uma hora, quando nossa rede em modo padrão interromperá nossa atenção. Além disso, nossa compulsão à multitarefa reduz a habilidade de suster atenção. Não se pode ter ambos: se você quer ser multitarefa, destruirá sua habilidade de manter o foco. Ainda assim, estamos convencidos de que nosso cérebro deve ser domado e induzido à produtividade. Eu discordo disso. Acho que cada um deve aprender a compreender o próprio ritmo. Quando a mente começa a divagar, perceba até onde ela vai! Entendo que isso pode ser desconfortável em um primeiro momento, porque você está abrindo mão do controle de seus pensamentos. Mas acredito que é aí que a inspiração verdadeiramente acontece. Quando permitimos que nosso cérebro realize aquilo que, naturalmente, ele de fato faz.

Então nunca se permitir um tempo de descanso pode ser prejudicial?

Colocar a cabeça constantemente num estado de vigilância é muito perigoso a longo prazo. Só como exemplo, uma recente revisão sistemática de todos os estudos clínicos sobre horas de trabalho e doença cardíaca coronária mostrou que as pessoas que trabalham mais horas têm 40% de risco extra de doença do coração. Isso é quase tão grave quanto fumar. Acho que quando realmente podemos ficar ociosos sem culpa ou vergonha, nosso cérebro pode processar toda a energia emocional - e a princípio isso pode parecer estranho. Mas é certamente benéfico para nossa saúde física e mental a longo prazo.

Podemos dizer que esse é um caminho para o autoconhecimento?

Acredito, conforme mencionei, que as regiões do cérebro associadas à autorrepresentação estão extremamente ativas durante o repouso. Isso pode significar que nossa autorrepresentação pode se tornar mais aparente a nós no ócio porque, como partes da rede neural em modo normal, essa informação pode adentrar a consciência quando estamos à toa. Assim acredito, como [o poeta Rainer Maria] Rilke entendia, que o descanso é um meio de explorar a si mesmo e descobrir o que seu cérebro tem a dizer para a consciência sobre você.

O tédio costuma estar relacionado a não fazer nada. Você acha que isso é algo bom ou ruim?

Acho que é um espectro. Minha motivação na escrita do livro foi a percepção de que atualmente estamos sobrecarregados no trabalho e crescentemente em nossa vida privada. Tudo isso por conta da tecnologia móvel que nos força a estar disponível todo o tempo. As empresas esperam que as pessoas tornem-se ultraeficientes e produtivas integralmente, e ao mesmo tempo todo mundo quer ser inovador - e, como mencionei antes, não se pode ter ambos. Eficiência e inovação são forças opostas. Minha visão é a de que seres humanos são naturalmente criativos e inovadores. Acho que a ideia de eficiência é muito inumana, por isso é tão difícil fazer as pessoas tornarem-se assim, pelo menos no trabalho. Claro que humanos são extremamente eficientes em caminhar longas distâncias, segurar objetos e falar - isso é o que adquirimos com a evolução. Não somos porém tão bons assim em sentar diante de escrivaninhas por oito horas seguidas preenchendo planilhas ou sendo multitarefas, e de fato essas coisas podem ser prejudiciais. Há também o que eu chamaria de um certo prestígio associado a estar muito ocupado, como um modo de demonstrar seu status: "veja como sou ocupado! Sou uma pessoa muito importante e bem-sucedida."

Einstein dizia que a genialidade é feita de 10% de inspiração e 90% de transpiração. Como essa noção se alinha à sua visão do ócio e dos momentos de insight?

Bem, o Einstein é interessante porque dizia que, quando estava realmente tentando decifrar algo, ele ia dormir. Ele também sabia que o cérebro necessita estar disperso para encontrar soluções. Há um equilíbrio, certamente: você precisa do ócio para ser criativo, mas, assim que tem uma ideia, precisa focar para dar-lhe alguma existência fora da sua cabeça. Isso pode depender da atividade, mas, para coisas como resolver problemas complexos de matemática ou ciência, - ou mesmo no caso de Einstein, reimaginar completamente a estrutura do universo -, esses períodos de ócio disperso são essenciais.

Você tem dicas para quem quer trazer isso para a rotina?

Eu diria: quando você está trabalhando e nota que sua atenção começa a saltar da tela do computador, ou está numa reunião e perde o foco da apresentação de PowerPoint, em vez de lutar para recuperar a atenção, deixe sua mente ir e veja o que acontece. Ou, então, olhe pela janela por um instante. Sempre se pode encontrar lugares escondidos, talvez mesmo no banheiro, para divagar. Mas, de modo geral, um jeito de fazer isso seria simplesmente ter menos coisas para fazer e permitir-se dias inteiros sem ter absolutamente nada planejado.

E isso está de alguma forma relacionado à felicidade?

Essa é uma pergunta difícil. As pessoas supõem, e são doutrinadas a acreditar, que a felicidade virá quando tiverem muito dinheiro, uma carreira de prestígio ou conquistarem muito. Mas as pesquisas mostram que não é assim. Em outras palavras, as coisas que nos fariam felizes não fazem. O que realmente importa são os amigos, as conexões sociais, e algum tipo de propósito. Acho que a liberdade de estar ocioso é parte de estar contente. Quando tenho controle do meu tempo, aí é quando me sinto feliz.

 


.

Fonte: Texto original disponível em <http://vidasimples.uol.com.br/noticias/pensar/a-importancia-de-ficar-a-toa.phtml#.WiFDcUqnGM8> Acesso em 30 nov. 2017.


 


Filhos não são presentes

Filhos não são presentes

 05/10/2018

Filhos não são presentes. São surpresas que a vida nos proporciona. Um presente, quando não gostamos, ou quando não nos serve, resolvemos de forma simples: trocamos, passamos pra frente, ou guardamos com a intenção de não magoar quem nos presenteou e juramos pra nós mesmos que, algum dia, usaremos. Já nossos filhos! Ah que bela e não tão fácil surpresa. Um filho pode nunca vir a ser o que tanto sonhamos. Não podemos simplesmente trocá-los ou fingirmos que não existem. Ainda bem! Eles não podem carregar todas as nossas expectativas, pois elas são só nossas.


O que pretende a educação em valores?

O que pretende a educação em valores?

 28/09/2018

O principal objetivo da educação em valores é ajudar os alunos a aprender a viver. Essa é a primeira tarefa dos seres humanos, porque, apesar de estarmos preparados para viver, precisamos adotar um modo de vida que seja sustentável


O que te faz sentir (bem)?

O que te faz sentir (bem)?

 28/09/2018

A felicidade é uma questão relativa. Algumas pessoas vão dizer que estão nas coisas simples da vida; outras em conquistar seus objetivos, seus sonhos; outras pessoas vão dizer que ela está nas boas relações. Mas, mesmo sendo tão relativa, a felicidade é o objetivo de todos e é colocada, na maioria das vezes, em um local inalcançável, em um futuro distante ou ao final de uma jornada bem específica que só alcançamos depois de matar alguns monstros e desenvolver certas habilidades.


A ausência nas relações

A ausência nas relações

 24/09/2018

Atualmente, fala-se muito em fragilidade emocional, os desafios de educar na era digital, a desconexão entre os indivíduos e a superficialidade das relações. Tudo isso não é novidade, mas o que de fato poderia ser feito para mudar esse cenário?

A vulnerabilidade das relações é perceptível, inclusive numa das relações mais estruturantes que é entre pais e filhos. Sempre houve uma diferença conflituosa entre as gerações, diferença esta, salutar, uma vez que promovia discussões, desentendimentos, conversas, questionamentos, mas, com certeza, também muito aprendizado. Mais forte que isso é pensar que as discussões não aconteciam pelo Whatsapp ou pelas redes sociais, as pessoas não eram simplesmente bloqueadas como se assim os conflitos fossem resolvidos. Havia olho no olho, havia presença física.


O desafio de transmitir bons valores

O desafio de transmitir bons valores

 14/09/2018

As últimas décadas assistiram a enormes mudanças na família, especialmente no que se refere à educação dos filhos. Há pouco tempo, ser bom pai significava ensinar a respeitar os mais velhos, dar estudo, segurança etc.


Empatia a 7 bilhões de outros

Empatia a 7 bilhões de outros

 14/09/2018

Em vários atendimentos que faço aos estudantes, percebo que os conflitos trazidos poderiam ser resolvidos facilmente com um pouquinho de empatia ao próximo. Entendo que o nível de autonomia de um adolescente é diferente de um adulto. Porém a impressão que tenho é que lhes faltam o exercício do desenvolvimento da empatia.

O bacana para tal exercício é que independe de minha classe econômica, grau de inteligência, título que tenho, status social, cor, religião ou gênero; de que me adianta falar mais de uma língua, se não consigo dar bom-dia em um elevador? De que me adianta ser o melhor instrumentista se não consigo tocar a pessoa que está do meu lado precisando de ajuda? De que me adianta ter o título mais desejado na melhor universidade do mundo se não consigo ensinar o básico aos que estão a minha volta?


Estudar, pesquisar e comunicar: três competências fundamentais no cotidiano escolar

Estudar, pesquisar e comunicar: três competências fundamentais no cotidiano escolar

 03/09/2018

E é por compreender e valorizar uma educação com significância e significado, que o ensinar e aprender, aqui na nossa escola, é princípio base de nossas ações.


Aprendizagem baseada em projetos: Como contribui para a formação de um estudante competente no campo acadêmico e sócio-emocional?

Aprendizagem baseada em projetos: Como contribui para a formação de um estudante competente no campo acadêmico e sócio-emocional?

 27/08/2018

APRENDIZAGEM BASEADA EM PROJETOS: Como contribui para a formação de um estudante competente no campo acadêmico e sócio-emocional? Vera Lúcia Wohlgemuth Lôbo _________________________________________________________________________________ Ao pensar a educação é preciso refletir [...]


Que orientações e dicas de estudos são feitas aos nossos estudantes?

Que orientações e dicas de estudos são feitas aos nossos estudantes?

 17/08/2018

Nossa mente busca formas de escapar das tarefas que julgamos mais chatas ou mais cansativas e, com o tempo, se torna uma máquina de desculpas e, o pior, nós aceitamos essas desculpas! Precisamos ter força de vontade e determinação para conquistarmos os objetivos. A Escola Interamérica cotidianamente reflete com os estudantes sobre a importância de aproveitar a sala de aula como espaço de aprendizagem e entender a rotina de estudo em casa como necessária para a consolidação do conhecimento.

Seguem algumas dicas para ajudar no melhor aproveitamento do estudante, em casa e na escola, em relação às tarefas de casa e de estudante (essas dicas também são trabalhadas com os estudantes aqui na Escola Interamérica)


Ser estudante: uma postura para a vida

Ser estudante: uma postura para a vida

 10/08/2018

Em Educação, fala-se muito de um futuro em que a habilidade de aprender será mais importante que todo o conteúdo que temos acumulado em nossas mentes; um futuro em que o mundo estará sempre em constante mudança e que as informações estarão mais acessíveis; um futuro em que novas profissões e desafios no mercado de trabalho surgirão a todo momento e onde a flexibilidade e capacidade de inovação serão cruciais para se ter sucesso em qualquer área da vida.

Engraçado... Esse futuro me parece muito com o presente, você não acha?