Comunicação

A escola na atualidade: o que queremos?

Publicado em : 10/11/2017

 

A escola na atualidade: o que queremos?

___________________________________________________________________________

Eloá Parada*

São fortes as emoções que experimentamos ao viver na atualidade. Certamente, o medo é uma delas. Não há como negar a ansiedade (sentimento oriundo do medo) que experimentamos ao pensar no futuro de nossos filhos e nas incertezas que ele nos traz, diante de uma sociedade tão divergente como a nossa.

Pensar a sociedade atual não é tarefa fácil e simples. Ao contrário: a vida na atualidade é tão complexa, tão confusa, que, muitas vezes, nos sentimos “perdidos” em nossos propósitos, princípios e valores.

Bauman (2001) define a sociedade contemporânea como “Modernidade líquida”, caracterizada por uma falta de atenção ao processo, pela liquidez de ideias, de concepções, valores e relações. Trata-se da individualização do mundo, em que o sujeito agora se encontra “livre”, em certos pontos, para ser o que conseguir ser mediante suas próprias forças. A liquidez a que o autor se refere é justamente essa inconstância e incerteza que a falta de pontos de referência socialmente estabelecidos e generalizadores gera.

A vida se torna instantânea e parece uma viagem infinita com múltiplas possibilidades a serem realizadas numa fração de tempo quase que imediata. Costuma-se dizer que o dia deveria ter mais que 24 horas para fazer tudo que seria “necessário”. Atualmente as pessoas já ecoam que será preciso mais de uma vida para realizar e obter o que desejam. O amanhã é tão efêmero e irreal, que é utilizado inclusive para passar credibilidade e esperança para as pessoas, numa realização que talvez nunca se concretize.

Educar, nessa sociedade, não é tarefa fácil, ainda mais quando nos propomos a educar para a vida, para a instabilidade e insegurança de um mundo de incertezas, no qual mais de 50% das profissões atuais nem sequer existiam 30 anos atrás e outras deixarão de existir nos próximos 30 anos.

Nesse sentido, para nós da Escola Interamérica, pensar o amanhã é pensar o hoje, é construir no presente o amanhã desejado. E é, no presente, e na presença de nossos educandos que construímos o futuro, pois estamos seguros da relevância da contribuição social que uma escola de qualidade pode oferecer.

Mais do que a transmissão dos conteúdos historicamente acumulados, temos como propósito a formação do ser humano integral, holístico, seguro de suas escolhas e consciente de seu papel social.

Para tal, faz-se necessário que as experiências educacionais, vividas cotidianamente por nossos estudantes, sejam compatíveis com nosso propósito e ideal. Por isso, em nossa escola, valorizamos o humano, as relações, o diálogo, a reflexão, autorreflexão e a construção coletiva do conhecimento.

É comum visualizarmos, em nossa instituição, os educandos discutindo ideias, elaborando seus trabalhos em grupo, resolvendo conflitos em assembleias, organizando brincadeiras e circulando democraticamente pela escola, pois é assim, no fazer diário, que permitimos aos nossos alunos saber lidar com a quantidade de informações, com suas emoções, valores, desejos e atitudes.

* Orientadora Pedagógica da Escola Interamérica, unidade 1.

A Feira Cultural deste ano é representativa deste processo formativo, de nossas ações diárias na busca por uma educação significativa, recheada de trocas, diálogos, culturas e conhecimentos.

Com muito trabalho, organização, empenho e reflexão, diferentes projetos foram idealizados e elaborados pelas diversas turmas. Todos tiveram como norte a Aprendizagem Baseada em Projetos, metodologia utilizada desde sempre pela nossa escola, que aposta na construção de conhecimento por meio de um trabalho longo de investigação que responda a uma pergunta complexa, problema ou desafio. A partir dessa questão inicial, os alunos se envolveram em um processo de pesquisa, elaboração de hipóteses, busca por recursos e aplicação prática da informação até chegar a uma solução ou produto final, que estão expostos na Feira Cultural da Interamérica.

A aprendizagem baseada em projetos torna o aprender e o fazer inseparáveis. Aprender desta forma tem a ver diretamente com a exploração do contexto, a comunicação entre pares e a criação a partir do conhecimento. E é especialmente na etapa final, a produção de resultados, que a tecnologia enriquece o processo: alunos puderam organizar suas descobertas em vários formatos.

Nossos estudantes trabalharam a inter e a transdisciplinaridade, envolvendo competências e temáticas pertencentes às diversas matérias escolares. As habilidades para o século 21 foram desenvolvidas ao longo de toda a jornada – especialmente a autonomia, a curiosidade, a resolução de problemas e as relações interpessoais.

Este é o jeito INTERAMÉRICA de SER e fazer: uma escola pensada, planejada, acompanhada e concretizada por EDUCADORES, que desafiam o tempo e a rotina acelerada, a fluidez de ideias que vêm e vão, as interferências de uma sociedade em constante mutação - não abrindo mão do estudo, da pesquisa e da emoção. Uma escola vivida por EDUCADORES movidos a cuidar de detalhes fundamentais para que o processo de aprendizagem seja de grande significado!

___________________________________________________________________________

Datas da Feira Cultural Interamérica:

- 11/11 – Unidade 1 – Projetos da Educação Infantil e Fundamental I, além da Feira do Empreendedor (9º Ano)

- 25/11 – Unidade 2 - Projetos do Fundamental II

Prestigie... Participe... Investigue... Aprenda...


A importância de ficar à toa

A importância de ficar à toa

 01/12/2017

O neurocientista Andrew Smart mostra, por meio de pesquisas com o cérebro, que, além de ajudar na criatividade, o ócio faz bem para a saúde e é fundamental para o autoconhecimento


Dez dicas para lidar com mudanças de comportamento dos adolescentes

Dez dicas para lidar com mudanças de comportamento dos adolescentes

 24/11/2017

Leo Fraiman explica que a puberdade traz muitas novidades: Os pais devem se informar para ajudar os filhos com fatos e não com opiniões


Às vezes é necessário “apertar o reset”!

Às vezes é necessário “apertar o reset”!

 17/11/2017

Recentemente estava numa palestra sobre Desenvolvimento de Competências Emocionais e a palestrante abordou sobre como os pais estão precisando de ajuda e cuidado. Mas sem culpas ou julgamentos, apenas olhar atento e zelo. Em um dado momento afirmou que é necessário que os pais entrem em conexão com o seu filho real. E é aqui que vou me deter.


Matemática: em contexto de aprendizagem

Matemática: em contexto de aprendizagem

 03/11/2017

Falar da aprendizagem e do ensino da Matemática é sempre tema para uma boa reflexão. Desde 1950 a Unesco organiza congressos sobre o assunto, a fim de qualificar a didática desta disciplina em sala de aula, e mais recentemente a preocupação se ampliou para os conceitos educacionais voltados para o século XXI.

Como pensamos a Matemática em nossa escola?


O desafio de transmitir bons valores

O desafio de transmitir bons valores

 27/10/2017

Não basta mais os pais serem íntegros: é preciso deixar transparecer que ali não se aceita viver de outra forma


Adolescência e identidade

Adolescência e identidade

 27/10/2017

"Ser adolescente não é fácil e meus pais não percebem isso", disse-me uma garota de 15 anos, chorando. Concordo com ela, por vários motivos. De largada, eles foram considerados "aborrecentes", uma expressão que deve ser riscada do vocabulário, já que sugere que os jovens aborrecem os adultos com suas crises, mudanças de humor, rebeldias etc.

Com sua presença, enfim.


“Educar é apresentar a vida e não dizer como viver”

“Educar é apresentar a vida e não dizer como viver”

 20/10/2017

Mas por que pais e professores estão tão perdidos? Para começar, diz a especialista, complicamos o que é muito simples e simplificamos o que tem grande complexidade. E, para completar, somos muito egoístas. “Não queremos que elas [as crianças] sofram, como se fosse possível evitar que isso ocorra, não queremos sofrer com a dor delas, não queremos que elas vivenciem frustrações, não queremos que sejam excluídas de grupos sociais. Para nós, o que conta são esses nossos sentimentos, mesmo que, para elas, passar por todas essas experiências “negativas” seja algo muito benéfico”, explica.


Pais Helicópteros

Pais Helicópteros

 06/10/2017

Pais-helicóptero’ são os pais que estão sempre girando em torno dos filhos. Praticamente os embrulham em plástico-bolha, criando uma corte de jovens adultos que têm dificuldade de ter um desempenho satisfatório no trabalho e em suas vidas.

‘Pais-helicóptero’ pensam que estão fazendo o melhor, mas, na verdade, estão prejudicando as chances de sucesso dos filhos. Em particular, estão arruinando as chances de que os filhos consigam um emprego e consigam mantê-lo.


Como se colocar no lugar do outro, de verdade

Como se colocar no lugar do outro, de verdade

 29/09/2017

As demonstrações de carinho e de cuidado que recebemos desde a primeira infância são essenciais para construir a empatia, assim como as interações que acontecem em família e na escola.


Como invisto no diálogo com meus filhos? – leitura compartilhada por pais e filhos

Como invisto no diálogo com meus filhos? – leitura compartilhada por pais e filhos

 29/09/2017

Muitos pais se perguntam se estão conseguindo educar seus filhos para a vida, se eles saberão se posicionar, fazer escolhas... se serão pessoas do bem, corretas, honestas etc. Claro que essa é uma preocupação válida, afinal ninguém sabe o futuro, os caminhos que virão pela frente, mas podemos avaliar as possibilidades conforme o que “plantamos” no presente.

Quando meu filho mais velho saiu de casa para estudar em uma Universidade, no interior de São Paulo, tinha apenas 17 anos e eu fiquei extremamente feliz por sua conquista. Mas também fiquei assustada, pensando se ele tinha aprendido tudo o que era preciso para ser um cara legal e correto: “será que eu tinha ensinado o que era importante para ele? ”