Comunicação

A atração irresistível pelo computador

Publicado em : 02/03/2018

A atração irresistível pelo computador

Maria Tereza Maldonato

Nas palestras para pais, sempre há perguntas a respeito do uso do computador e do celular: "Meu filho não desgruda dos jogos, às vezes deixa de comer e até de tomar banho, quase não sai de casa, dorme tarde e dificilmente estuda"; "minha filha passa horas conversando no MSN e mal fala conosco"; "tem centenas de amigos no Orkut e eu acho que ele não sabe avaliar os riscos de expor informações pessoais para estranhos e de frequentar certas comunidades"; "lá em casa, limitamos o tempo no computador, mas na casa da avó, fica até meia-noite e nem adianta reclamar com a minha mãe, porque ela aprendeu a usar o e-mail e o Google com a minha filha".

Nos lares de classe média há um verdadeiro centro de entretenimento. Até mesmo para adultos, a atração pela diversão pode ser tão forte que as tarefas ficam para depois. Um alerta para o uso compulsivo do computador: pode prejudicar pessoas de todas as idades. Os profissionais de saúde que estudam o assunto apontam os sintomas mais comuns dessa compulsão:

  • Euforia quando está no computador, enquanto as demais atividades são consideradas desinteressantes;
  • Dificuldade de interromper o jogo ou a comunicação pelas redes sociais;
  • Desejo de dispor de maior número de horas para ficar no computador;
  • Reduzir ao mínimo o contato com pessoas da família e com amigos;
  • Mostrar-se deprimido ou irritadiço quando não está no computador;
  • Queda do rendimento escolar (ou da produtividade no trabalho), desinteresse pelas aulas (ou pelo trabalho);
  • Diminuição do sono (dorme menos para ficar mais tempo no computador) e do apetite (deixa de comer para ficar "conectado");
  • Desleixo com a aparência pessoal e com hábitos de higiene;
  • Baixa motivação para cumprir tarefas e obrigações.

Do entretenimento à compulsão: as pessoas com baixa auto-estima, tendência à depressão e pouca autoconfiança para encarar obstáculos e desafios no mundo real encontram no mundo virtual um refúgio que funciona como antidepressivo. É a porta de entrada para o uso compulsivo do computador. Nos jogos eletrônicos, os erros podem ser rapidamente desfeitos, o dinheiro aparece com palavras mágicas, personagens morrem mas podem ressuscitar, descobrem-se atalhos eficientes para alcançar poder, a sensação de conquista e realização é intensa. A vida nos jogos virtuais parece mais excitante do que a realidade cotidiana.

Nos contatos virtuais, podemos nos apresentar como personagens com as características que gostaríamos de ter, o que muitas vezes está bem distante do que realmente somos; relacionamentos românticos são mais fáceis de "construir" do que os vínculos reais e adquirem cores mais vivas que alimentam as paixões.

Como acontece com as demais compulsões, é necessário buscar tratamento especializado. Mas o melhor é prevenir: criar meios para que o uso do computador permaneça na área do entretenimento e da pesquisa, como ferramenta útil de trabalho e de contatos. Para isso, é essencial fazer acordos razoáveis quanto ao tempo de uso, colocar o computador em uma área comum da casa (e não no quarto da criança ou adolescente), procurar saber mais sobre o que os filhos estão fazendo no ciberespaço, ver o que pode melhorar no convívio familiar e social.


"O papel da escola no desenvolvimento socioemocional do indivíduo" e "A grande engrenagem"

 15/06/2018

Essa semana, a Escola Interamérica compartilha dois interessantes textos, escritos por duas de nossas Orientadoras Educacionais, sobre a escola e o desenvolvimento socioemocional de crianças e adolescentes.


Cortella: ‘A escola passou a ser vista como um espaço de salvação’

Cortella: ‘A escola passou a ser vista como um espaço de salvação’

 08/06/2018

O filósofo, educador e professor Mario Sergio Cortella alerta que as famílias estão confundindo escolarização com educação; para ele, pais devem retomar seu papel


A importância da parceria família e escola

A importância da parceria família e escola

 25/05/2018

A família e a escola formam uma equipe. É fundamental que ambas sigam os mesmos princípios e critérios, bem como a mesma direção em relação aos objetivos que desejam atingir. Ressalta-se que, mesmo tendo objetivos em comum, cada uma deve fazer sua parte para que se atinja o caminho do sucesso, que visa conduzir crianças e jovens a um futuro melhor.


A adolescência está mais complexa

A adolescência está mais complexa

 19/05/2018

Há até pouco tempo, sabíamos com clareza conceituar a adolescência: um período de transformações pessoais, sociais, emocionais, psicológicas e, principalmente, de concepção a respeito de si mesmo e da vida, que resultava em mudanças de comportamento. A puberdade –as alterações físicas dessa etapa– antecedia a adolescência e a precipitava.

E agora? Primeiramente, essa etapa da vida foi prolongada: não termina mais perto dos 20 anos, com a entrada na maturidade adulta. Hoje, podemos considerar a adolescência até mais ou menos os 25 anos, e olhe lá! Seu início também foi antecipado: não depende mais da puberdade, pois pode se iniciar bem antes.


Educação para a Paz

Educação para a Paz

 18/05/2018

Respeitar a vida, rejeitar a violência, ser generoso, ouvir para compreender, preservar o planeta, redescobrir a solidariedade


Mãe

Mãe

 11/05/2018

Dizem: quando nasce um bebê, nasce uma mãe também. E um polvo. Um restaurante delivery. Uma máquina de chocolate prontinho.


Ausência da Arte

Ausência da Arte

 11/05/2018

Anos atrás, lecionando literatura no Ensino Médio, afirmei em sala de aula que a arte é a representação da realidade a partir da ótica do artista. Hoje, muitos anos depois, continuo entendendo a arte desta maneira, como uma ferramenta que transporta sentimentos e traduz sob múltiplas formas a experiência humana na Terra. Assim como o estudo da Filosofia, da História e dos diferentes sistemas linguísticos, contribui de maneira real para o entendimento, mesmo que pequeno, do homem no mundo.


Autoestima: como construir o valor pessoal de um filho

Autoestima: como construir o valor pessoal de um filho

 27/04/2018

Embora os pais estejam cada vez mais conscientes do valor de uma boa autoestima para uma vida adulta bem-sucedida e feliz, e de estarem cada vez mais informados quanto à importância do seu próprio papel no processo de desenvolvimento dos seus filhos, os adolescentes de hoje em dia parecem cada vez mais frágeis e inseguros.


A angústia do adolescente: Um problema nosso ou de todos nós?

A angústia do adolescente: Um problema nosso ou de todos nós?

 27/04/2018

Nas últimas semanas, fomos surpreendidos pelas tristes notícias referentes a casos de suicídio entre adolescentes em São Paulo. Por compartilharmos de uma mesma dor e mediante a toda repercussão nas mídias sociais, uma questão sempre emerge nos fazendo pensar: “O que tanto angustia os adolescentes hoje?” Não é uma resposta simples diante da velocidade das mudanças que vivemos em nossa sociedade, porém, isso não nos exime de fazer esse questionamento e refletir sobre possíveis respostas. Essa preocupação perpassa a todos aqueles que de uma forma ou de outra se relacionam e participam da formação desses jovens: família, amigos, escola, etc.


“Gentileza gera gentileza”

“Gentileza gera gentileza”

 20/04/2018

O medo do desamor e de errarmos, como pais, têm nos deixados paralisados, inseguros e sem saber o que fazer.